terça-feira, 29 de julho de 2008

"Voltinha circular"

Com o dia a indicar subida de temperatura lá fui cumprir o que já é um ritual semanal, o de pedalar às Terças Feiras na companhia de amigos.
Desta vez na companhia do Dino, fomos até às Benquerenças, com passagem na abandonada aldeia de Benquerenças Velhas com o seu bonito single track, onde sempre gosto de pedalar, para continuarmos seguidamente em direcção aos Cebolais de Baixo com paragem no "Ramalhete" na Represa, para o cafézinho matinal.
Após dois dedos de conversa e de uma olhadela ao jornal desportivo "A Bola", onde contava "as fresquinhas do Benfica", continuámos então o nosso passeio com passagem nos Amarelos e nova paragem nos Cebolais de Baixo para refrescar a garganta com uma bebida fresca.
Dali rumámos às Olelas pelo single track do Retaxo acabando por entrar na cidade pela antiga N.18, agora desactivada e paralela à A23, pelas 11h30 e com 54 kmms percorridos em ritmo descontraído e em amena cavaqueira.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

domingo, 27 de julho de 2008

"Um Domingo atípico"

Hoje quando cheguei ao ponto de encontro e ao contrário do habitual, fui o primeiro a chegar.
Passado algum tempo chegou o Fidalgo e ficou-se por aí.
Hoje a rapaziada fez greve aos pedais!!!
De facto os meses vão passando, o calor vai apertando e os caminhos nesta época do ano vão ficando pouco apetecíveis para a prática do btt devido aos nívelamentos e limpeza de caminhos e asseiros que os torna bastante poeirentos e pouco convidativos, aliando ainda o facto de alguma da rapaziada gozar finalmente as merecidas férias.
Só mesmo os que gostam verdadeiramente de btt continuam teimosamente a pedalar sem se importarem com esses itens.
Eu e o Fidalgo, resolvemos então ir dar umas pedaladas até ao Ninho do Açor, pois é uma zona que ele ainda não conhecia e lá fomos nós em ritmo "pachorrento" e na conversa.
Já próximo da Atacanha, somos absorvidos por um grupo de 4 betêtistas, composto pelo Mateus, Luís, Manuel & Manuel (não sei os apelidos) que disseram ir para a zona da Lardosa.
Convidámo-los a acompanhar-nos e estes acederam, ficando o grupo mais composto, agora com 6 elementos.
Continuámos então em direcção a Caféde, mais própriamente ao Café Central, onde sempre somos bem recebidos com uns bolinhos para acompanhar o cafézinho matinal e desta vez não fugiu à regra.
A partir daqui o passeio começou a ficar um pouco atípico com furos nas bikes e problemas físicos nalguns companheiros.
O Mateus que logo de início não se sentia bem com problemas respiratórios, ainda assim insistiu em continuar na descida para o Vale Sando acabando por requisitar a "assistência em viagem"
à Chegada a Tinalhas.
O Luís que após uma noitada de festim e poucas horas de sono aliado a uma alimentação deficiente começou a ter quebras de tensão e sensatamente acabou por aproveitar a "assistência em viagem" do Mateus, que com pena minha não nos puderam acompanhar.
Espero que não tenham ficado melindrados e apareçam para dar umas pedaladas connosco!!!
Ficamos então reduzidos a 4 a partir de Tinalhas, onde parámos numa fonte da localidade para atestar os "camelbacks", quem os trazia, pois ainda há rapaziada que em pleno verão vai pedalar para o campo com um bidon de 500 ml na bike. Imprudências!!!
Parámos seguidamente num café para a habitual bjecazinha que tão bem nos reconforta a alma e nos dá alento para chegar ao fim da viagem!!!
Com nova passagem pelas Quintas de Valverde apontámos azimute em direcção à Tapada das Figueiras para entrar na cidade pelo Parque de Campismo.
Já Perto da Tapada das Figueiras e com a cidade à vista, um dos Manueis optou também por chamar a assistência em viagem, pois foi-se completamente abaixo.
Continuámos 3 e finalmente chegámos à cidade com 66 kms percorridos e com bastante atrazo em relação à hora prevista, mas são situações para a qual estamos preparados.
Pena tenho da rapaziada que foi ficando pelo caminho e espero que da próxima vez estes pequenos problemas de saúde que a todos nos afecta de vez em quando estejam definitivamente sanados.
Para finalizar acabámos por assentar arraial na esplanada da Rotunda da "Racha", aos Buenos Aires para calmamente emborcarmos um par de geladinhas, loiras e espumosas Sagrespan, que nos deram a necessária coragem para aguentar o raspanete das Marias. eh eh eh!!!


Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilho
AC

terça-feira, 22 de julho de 2008

"Só para matar o vício"

Com as "canículas" que têm assolado a região nos últimos dias, andar de bike, só mesmo para viciados!!!
AC, Dino, Mike e Agnelo foram os "viciados" que compareceram na Pires Marques para umas pedaladas relaxantes pois o vício da cama é na minha opinião, pior que o andar de bike com uns grauzitos de calor mais intenso!!!
A volta de hoje foi apenas isso, relaxante, em amena cavaqueira e com intenção de descobrir novas ligações entre trilhos já conhecidos.
Saímos para a zona do Casal Mourão e Vale da Silveira lá para o lados dos Escalos em busca de novos trilhos, mas o resultado foi infrutífero.
Porém, divertímo-nos imenso com o "navegar" entre pasto alto e carreiros de gado pedregosos em busca de algo que não encontrámos, mas ficou o gozo duma manhã bem passada.
Objectivo frustado e seguiu-se destino em direcção a uma fonte onde onde o loiro líquido brotasse e nos saciasse a sede. Sagrespan, pois claro!!!
E assim pedalámos rumo ao Restaurante "O Chafariz" nos Escalos de Baixo.
Alí bebemos a bjecazinha da ordem e com o calor já a apertar, decidimos regressar à cidade, apontando a "proa" das nossas bikes ao Monte Brito e Alagão para trilharmos a conhecida quelha que nos conduziu às Fontainhas para após entramos na cidade, efectuarmos nova paragem, esta já estatuída no Bar da Associação da Boa Esperança para a derradeira bjeca, onde a malta se despediu combinando novas aventuras.
Foram ainda asssim, 47 kms de prazer e divertimento na companhia de amigos.


Fiquem bem.
Vemo-nos nos trilhos!!!
AC

domingo, 20 de julho de 2008

"Um final feliz"

Após 3 dias de grande canícula, eis que este domingo de pedaladas se apresenta bastante fresco logo pela manhã e mesmo a ameaçar chuva, deixando-me algo apreensivo.
Hoje fui o primeiro a chegar ao local de encontro, logo secundado pelo Álvaro.
A rapaziada foi chegando e no total, fomos 7 que nos juntámos para dar a nossa voltinha matinal e domingueira em busca de aventura e divertimento.
AC, Álvaro, Fidalgo, Jorge Palma, Nuno Maia, Roberto Nabais e Agnelo.
Após alguma hesitação e por indicação do Agnelo, decidimos rumar a Malpica do Tejo.
Saímos pelas 08h10 rumando ao Valongo e pisando de novo parte dos trilhos que tinha feito na terça feira anterior, fomos até ao Ribeiro do Muro pela descida da Escudeira para passarmos após alguns kms o Ribeiro do Barco, agora com o leito seco, em direcção ao Pereiral, onde entrámos naquele, para mim, bonito single track que nos leva até ao Cabeço do Pico, onde entrámos noutro single track bastante mais técnico, até ao arraial, onde após a foto de grupo apontámos azimute aos Lentiscais com paragem obrigatória no "Pescaça" para o cafézinho matinal.
Como o Roberto pretendia estar na cidade cerca das 12h30 e o resto da malta queria ver a etapa do "Tour" de hoje, resolvemos já não ir até Malpica e seguimos em direcção ao Monte dos Cancelos serpenteando em bonitos trilhos nos Montes do Pardal, Assentada e Picado, onde entrámos na EN.18-8 até retomarmos de novo o trilho.
Entrámos seguidamente no Monte do Escrivão onde avistámos dois imponentes veados, que creio terem ficado registados nas digitais do Agnelo e do Nuno Maia e descemos para o Rio Ponsul.
Alí a malta divertiu-se um pouco a atravessar o rio para a outra margem até que resolvemos enfrentar a penante subida para o Forninho do Bispo, com pasagem pelo Monte Pinares.
Quando demos início à subida tornámos a avistar um par daqueles imponentes animais, desta vez duas fêmeas, que rápidamente saíram do nosso campo visual.
Já no alto e com a cidade como pano de fundo pensámos ir beber uma bjeca ao Restaurante da Senhora de Mércules, mas o Fidalgo lá nos desviou para o "Café Dorali" alegando que na Sra de Mércules não havia tremoços!!!
Bom, como uns tremoçinhos a acompanhar uma bjeca bem fresquinha não sabe nada mal, lá demos mais umas pedaladas até à "Dorali"
Porém a coisa começou a correr mal logo de início, pois alí não havia tremoços e tivemos que nos contentar com uns amendoins na primeira rodada.
Eis então que surge a feliz ideia de mandar vir uma meia dose de maravilhosos moluscos gastrópodes de concha espiralada, pois metade do grupo pareceu não querer ou não gostar de tal animal da classe gastropoda.
Mas o facto é que assim que caíram na mesa, foi um "Vê se te avias", que até as inertes garrafinhas das cerveja já estorvavam.
Só não consegui entender é porque alguns "meninos" chupavam de forma tão ressonante aqueles belos animais terrestres?
Após muito pensar cheguei à conclusão que talvez fosse pelo facto do tal bicho ser hermafrodita e haver alguma difuldade em encontrar um dos sexos, o menos proeminente!!! eh eh eh!!!
Após umas quantas "Sagrespan's" bem fresquinhas e duas meias doses daqueles suculentos moluscos, nada melhor para um final feliz, numa manhã bem passada após 47 kms de pedaladas na companhia de amigos.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos!!!
AC

terça-feira, 15 de julho de 2008

"Um saltinho aos Lentiscais"

Pelas 08h já se sentia na pele um prenúncio da canícula que hoje iríamos enfrentar!!!

Ainda assim, 4 companheiros, eu incluído não resistímos ao salutar vício de dar umas pedaladas de Btt. AC, Filipe, Carlos Sales e Dino.
Hoje resolvemos dar uma volta um pouco mais curta, mas nem por isso menos selectiva, apontando azimute para a altaneira aldeia de Lentiscais.
Saímos da cidade pelas 08h10 em direcção ao Valongo, onde num longo carrossel ondulante em subidas e descidas, algumas com percentagens de 2 dígitos chegámos ao Cabeço do Pico, após nos termos deliciado com a passagem em alguns trilhos que há já muito tempo não passava, na Várzea do Sapinho e Escudeira.
Logo à passagem do Ribeiro do Muro, o Filipe teve o furo do dia na roda traseira da sua bike, hoje também "apoquentada" com problemas no travão traseiro.
Depois de mudada a câmara de ar, e após a passagem num belo single track que dá acesso ao Cabeço do Pico, resolvemos hoje trilhar um novo caminho no Monte dos Inventos, onde ainda nunca tinha passado de bike, mas que sabia ali existir.
Logo após duas dezenas de metros, a decepção . . . o mesmo tinha sido lavrado em parte e o restante encontrava-se bastante "sujo" com matagal e madeira de eucalipto já meio apodrecida, onde a progressão foi lenta e técnica.
Resta-nos o single do Pico, onde a adrenalina dispara alto, pela exigência técnica e ainda pelo facto do trilho ser bastante estreito.
Passada esta fase, entrámos em asfalto para cruzar a ponte sobre o Rio Ponsul com as suas águas esverdeadas, nesta altura do ano derivado às microalgas, para numa viragem à esquerda entrarmos na penosa subida para os Lentiscais.
Ali chegados rumámos logo ao "Pescaça", nosso café de eleição para o cafézinho matinal, mas que hoje se encontrava fechado, pelo que demos meia volta e fomos ao Centro Social tomar a "cafézada", que hoje derivado à alta temperatura que se fazia sentir, a malta optou por umas bebidas bem fresquinhas.
Após dois dedos de conversa com o "Ti Joaquim Cabaço" aposentado da Câmara Municipal cá do burgo, onde recordámos alguns momentos remotos, fizémo-nos de novo aos trilhos em direcção ao Monte do Pardal, para já no Monte do Picado nos lançarmos pela rápida descida para a Ponte do Ponsul, onde mais uma vez verificámos que a "Ti Amélia" mantém a tasca fechada desde a morte do seu filho. Que pena!!!
De facto a "Ti Amélia" já se encontrava também um pouco debilitada em termos de saúde. Que melhore rápidamente, é o que lhe desejo!!!
Após a ponte, dificilmente conseguíamos deixar de olhar para aquele "Cabeção" que tinhamos que conquistar no Monte do Clérigo, com a subida até à lixeira, numa zona agora bastante árida após o corte das árvores e com o calor que estava, fez-nos penar um pouco.
Cruzámos a N.18 e entrámos num trilho bastante curvilínio e engraçado até ao Monte dos Cagavaios, onde a visão do Monte de S. Martinho foi algo que já buscávamos hà algum tempo.
Chegámos à cidade pelas 11h30 e a convite do Carlos Sales deliciámos-nos com uma cervejinha de marca branca, eh eh eh, que arrefeceu de imediato o "radiador" que já vinha quase a ferver.
Mais uma terça feira pedalante em franca camaradagem neste grupo de amigos, que se junta para pedalar, conviver e inovar, sempre que que as obrigações o permitem.
Fiquem bem
Vemo-nos nos trilhos!!!
AC

segunda-feira, 7 de julho de 2008

"Azenhas da Líria"

Um domingo com algumas novidades:- Um novo companheiro se juntou à rapaziada para umas pedaladas . . . bem vindo Jorge Simões . . . e mais um companheiro convertido ao "sagrestianismo", desta vez o Jorge Palma!!! E esta heim!!!
Depois do Filipe ter encostado os "beicinhos" a um precioso vinho branco na adega dos pais do Vitor Cravo, lá para os lados do Salgueiro, foi agora a vez do Jorge Palma beber uma Sagrespan em público. Eh eh eh!!!
Já é tempo do nosso grupo ser reconhecido como de utilidade pública pois calma e concertadamente vamos conseguindo que alguns companheiros abandonem o vício da coca (cola) e se deixem invadir pelos efeitos miraculosos da cevada e do tremoço!!!
Mas avancemos!!!
No passado domingo, eu AC, Jorge Palma, Fidalgo, Dino, Nuno Diaz e Jorge Simões, constituimos o sexteto que em dia calmo, resolvemos dar umas peladas pela Azenhas da Líria.
Saímos pelas 08h20 em direcção à Tapada das Figueiras com destino à Taberna Seca, que afinal não estava seca, pois alí parámos para o cafézinho matinal.
Depois de cruzar a povoação, seguimos o estradão para a Foz da Líria e sensívelmente a meio do percurso, virámos à esquerda para um trilho bastante dissimulado, para descermos a uma das imensas azenhas que abundam ao longo da Ribeira da Líria.
Ali parámos para apreciar um pouco daquela agreste paisagem e tomar coragem para a subida para as Benquerenças, com nova paragem no "Café Antão" para a primeira dose de sagrespan.
Alí nos mativemos algum tempo na conversa, continuando a nossa calma e descontraída jornada, na indecisão se iriamos pelas Olelas, ou se rumariamos já à cidade.
resolvemos regrassar de imediato à cidade e dar um toque por telemóvel ao Nuno Maia que se disponibilizou a entregar-nos os tão esperados equipamentos do Btt@CasteloBranco.
Já na posse da roupinha nova fomos dar dois dedos de conversa e bebericar um par de bjecas ao bar da Associação da Boa Esperança até chegar a hora de almoço.
Foi um passeio algo pachorrento e divertido com 45 kms quase planos, onde apenas a subida para as Benquerenças e um ou outro curto topo "engelharam" o percurso.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
Até lá
AC