segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

"O último passeio do ano"

Já hà três anos consecutivos que tenho presença activa no passeio de fim de ano, organizado pelo amigo Pinto Infante, onde convida umas dezenas de amigos para umas pedaladas alegres e descontraídas, por trilhos por ele eleitos e saídos do seu baú, como gosta de referir.
A zona da Marateca é o seu local de eleição e onde para ele, pouco mais haverá para descobrir.
Mas desta vez, apenas fizemos uma ligeira passagem junto à barragem, passando pelo Monte Satão, Vale do Seixo e Marco Alto em direcção ao Monte da Cotifa, onde passámos no paredão da barragem.
Seguimos depois para a Atalaia do Campo, com passagem na Ponte Velha, onde a malta faz sempre uma breve paragem para apreciar aquele bonito local enriquecido por um dos açudes da Ribeira de Alpreade.
Com passagem junto à Orca e Zebras, acabámos por efectuar a última paragem no Vale da Torre, onde fomos presenteados com um abastecimento e logo de seguida rumámos ao campo de Futebol da Lardosa, onde tinha sido o ponto de partida para este belo passeio.
De assinalar ainda a simpática recepção no Monte do Sr Israel, onde o Pinto tinha um par de garrafinhas de geropiga escondidas debaixo do feno para nos aquecer um pouco a alma, mas que não faltou também a prova da geropiga do Sr Israel, acompanhada por uns figuinhos secos.
Uma manhã que começou fria e que terminou com o calor gerado pela amizade que nos une a este singelo amigo, o Pinto Infante, que gosta deste tipo de manifestações, sempre em busca de algo novo para partilhar com os amigos.
Escusado será comentar que os trilhos, como sempre, foram de eleição, para todos os gostos, onde não faltam os carreirinhos da ordem e a altimetria moderada.
Tudo terminou à mesa, como sempre, no Café Tá-se Bem, na Lardosa e para não variar com um explêndido bacalhau no forno, antecedido da já afamada sopa de grão bem entulhada, à moda antiga.
Obrigado Pinto por mais esta manifestação de amizade e para o ano conta comigo, e já agora, não deixes perder esta forma de praticar btt, bem à moda antiga.
Fiquem bem
Vêmo-nos trilhos,
ou fora deles.
AC

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

"XX Edição Troia - Sagres"

Decorreu no passado sábado a "XX edição da já mítica ligação Tróia - Sagres, em autonomia.
Foi a minha terceira participação e como não poderia deixar de ser, também diferente das anteriores.
No primeiro ano em que participei, consegui integrar-me em grupos de bons roladores que me rebocaram por ali abaixo.
No segundo ano, a famosa intempérie que deitou por terra as aspirações de largas dezenas de participantes, pois concluir a edição do ano passado, era mesmo só para quem pouco se cuida.
Acompanhou-me o Joaquim Cabarrão e ambos concluímos em condições quase desumanas, mas acabámos por pertencer ao restrito lote dos que chegaram ao fim.
Este ano, por razões várias, acabei por concluír em solitário apesar de sermos quatro à partida.
Logo no arranque, o Joaquim partiu a corrente, originando o atrazo de cerca de uma hora relativamente à partida.
Com um elo de corrente cedido pelo Álvaro, mas que era de 9v, lá se desenrascou temporáriamente a situação e digo temporáriamente, pois poucas dezenas de kms depois tornou a partir, originando a desistência do Joaquim.
O Álvaro, este ano pouco rodado, teve que seguir ao seu ritmo e eu acabei por tomar a mesma decisão, seguir ao meu ritmo, gerindo o tempo e o andamento sem entrar e situações de limite.
A partir de Odeceixe optei por aumentar um pouco o ritmo, pois sentia-me bem e com a sensação de poder chegar sem desgastes extremos.
Acabei por entrar em Sagres pelas 15h30, após 6h30 a pedalar durante 202 longos kms.
Efectuei três pequenas paragens para tomar café e comer algo mais sólido, mas de poucos minutos.
Apesar de ter combinado com alguns amigos reunirmo-nos para em conjunto tentarmos chegar a Sagres, tal não foi possível, pois não consegui partir a horas e eles lá seguiram sem a nossa companhia.
Talvez para o ano!!!
Nada mais há a dizer, além de que mais uma vez consegui concretizar esta longa ligação, que apesar de não ter grandes dificuldades orográficas, necessita de treino aeróbico, de resistência, alguma capacidade de sofrimento e sobretudo saber gerir.
O resto, acontece naturalmente!!!
Os restantes companheiros, com excepção do Joaquim, também conseguiram os seus objectivos, que creio ser o de concluir a tirada, sem grandes problemas, nem grandes empenos e isso, foi conseguido.
Não rolámos juntos durante todo o percurso, mas protagonizámos bons momentos de convívio, acompanhados das nossas famílias, que nos acompanharam nesta nossa obstinação.
Um bem haja a todos e gostaria de dizer até para o próximo mês de Dezembro, na XXI edição do Tróia - Sagres, pois antes disso, vamos certamente usufruir dumas largas dezenas de kms em boa companhia.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles!!
AC

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

"Voltinha terapêutica"

Depois da desgastante tirada de ontem, cerca de 190 kms de asfáltica, como teste final para a ligação Troia - Sagres do próximo sábado, nada melhor que uma voltinha relaxante e com efeito terapêutico.
Aproveitando a companhia do Filipe e do Carlos Sales, sugeri uma volta à Barragem de Santa Águeda, um local onde particularmente gosto de despejar os meus prantos, renovar a minha alma e carregar baterias, num espaço único e explendoroso, como a magnitude daquela paisagem e a quietude daquelas águas de tons escuros, onde as nuvens se espelham e duplicam naquela quietude monumental.
Por ali brincámos e nos divertimos como adolescentes, inseridos num ambiente puro e pleno de expectacularidade.
Como tudo o que começa tem que acabar, lá tivemos que regressar à nossa querida urbe, onde cada um teve que voltar à sua realidade.
Uma voltinha relaxante e tranquíla, pedalando pelo prazer de pedalar, conviver e divertir, que culminou com 68 kms percorridos como verdadeiros cicloturistas.
Aqui ficam algums fotos destes momentos de tranquilidade.











Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

domingo, 6 de dezembro de 2009

Uma manhã lamacenta"

Hoje, fui pedalar com o Silvério e o Nuno Eusébio.
Com os terrenos já bastante pesados e os trilhos barrentos é uma das épocas em que particularmente me divirto, em voltas mais calmas e quando as paisagens mudam os seus tons coloridos, criando outros brilhos e conteúdos.
Fomos desta vez dar uma revisitar a sempre bela Quinta da Várzea, um local que eu não me canso de ver e observar.
Saímos em direcção a Sta Apolónia e hortas dos Escalos, para descermos de seguida lá para os lados do Vale do Freixo.
Virámos depois à direita e por trilhos lamacentos e escorregadios, chegámos então à Quinta da Várzea, não sem antes tirarmos uma foto de praxe junto à barragem do Vaz Preto.
Demos uma voltinha ao casario, que mais uma vez observámos, admirando aquela bonita traça e tentando imaginar a vida que aquele arraial não terá tido nos tempos de outrora.
Já com alguma chuva a caír, seguímos rápidamente para S. Gens, onde parámos no café das bombas para a dose de cafeína habitual.
Em conversa amena e alegre cavaqueira, por ali nos mantivemos algum tempo, enquanto a chuva caía com alguma intensidade.
Ainda a chover, lá tivemos que abandonar o provisório abrigo e retomámos os trilhos que previamente tinhamos planeado, rumando em direcção às terras da Navancha, alí para os lados da Lousa, seguindo depois em direcção à Mata e Escalos de Baixo.
Com passagem pela Balorca e Monte S. Luís chegámos então à cidade, com 64 divertidos kms e algo apreensivos relativamente às nossas Marias, com receio que não nos deixassem entrar em casa naquele deplorável estado, pois a lama alojada nas costas e nas pernas tirava-se à talocha. Eh eh eh!!!
Na próxima terça feira, vou efectuar o derradeiro treino com vista ao Tróia-Sagres no próximo sábado, com uma volta transibérica para aferir andamentos e média cardiaca.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC