quinta-feira, 30 de junho de 2011

"Fundão"

Hoje fui de novo ter com a rapaziada do Continente.
O Álvaro esperou por mim, junto à minha garagem e, ambos fomos a encontro da malta.
Eu, Álvaro, Joaquim Cabarrão, Fernando, Micaelo, Joaquim e o regressado Dino, fomos os protagonistas da "pedalada" de hoje.
Saímos como é habitual, já depois das 08h00 e fomos até ao Fundão tomar o cafézinho da manhã, na Pastelaria da Dª. Manuela, hoje ausente, ou não a vi!!
No regresso, viémos pelo Souto da Casa e parámos na fonte do Vale D'Urso, para atestar bidons com aquela belíssima, fresca e saborosa água.
Segundo informação do homem que se encontrava na hora há parte de cima da fonte, aquele caudal ainda se encontra a debitar 35 litros/minuto.
É para mim paragem obrigatória. Mesmo que não necessite de água, mudo a que tenho nos bidons.
Continuámos seguidamente a subir até ao alto da Paradanta, onde em pedalada rápida, chegámos ao Casal da Fraga e logo S. Vicente da Beira.
A partir dali, as dificuldades tinham terminado, apenas a curta subida das Tabuinhas, já na fase final.
Passámos a cruzamento do Sobral do Campo e por Tinalhas, seguimos para Freixial e Juncal do Campo e ao alto do Salgueiro, virámos à esquerda para Castelo Branco.
Chegámos à cidade pelas 12h15, com 100 kms pedalados em divertida companhia e, após as despedidas da praxe, junto ao Centro de Saúde, no cruzamento de Caféde, eu, o Álvaro, o Micaelo e o Dino, rumámos à Pires Marques. Com excepção do Dino, os restantes três, recostámo-nos na Esplanada do Café na Rotunda da Racha, para uma bebida fresca e dois dedos de conversa, terminando assim, mais uma bela manhã de pedaladas.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

terça-feira, 28 de junho de 2011

"Fratel"

Quando hoje, cheguei ao parque de estacionamento do Continente, já 5 companheiros ali se encontravam perfilados em pose, tipo militar.
Depois de cumprimentar a malta, esperámos ainda algum tempo e mais três se juntaram ao grupo.
Hoje definiu-se ir fazer uma visita ao Fratel e eu, Joaquim Cabarrão, Fernando, Joaquim, Jorge Palma, Filipe, Marco, Leandro e o miudo da Carapalha, cujo nome agora não recordo, lá partimos para a tirada de hoje.
Passada a zona industrial, o andamento aumentou substancialmente e assim se manteve até final.
Seguimos por Sarnadas e Alvaiade, onde surgiu a primeira dificuldade do dia, a subida para o alto de Perdigão.
Passada a localidade, continuámos até ao Fratel, onde desta vez parámos no café junto à igreja, para a "cafézada" matinal. Acho que quase toda a rapaziada ficou com um amargo na boca, derivado à má qualidade do café, ou apenas porque estava queimado. Mas lá que sabia mal, sabia!!!
No regresso, variámos um pouco e tomámos a direcção de Vilas Ruivas. E que bem soube aquela descida ao ribeiro, mas a subida, essa, já custou mais um pouco e manteve-se práticamente até ao cruzamento para o Castelo do Rei Wamba.
Nova descida para a ponte sobre o Rio Tejo, já em Vila Velha de Rodão, que cruzámos, para do outro lado, atestarmos os bidons com a boa àgua da fonte ai existente.
Desta vez, não houve paragem na padaria, em Vila Velha e, a malta, sempre bem "mexida", fez a subida às Sarnadas sempre num bom ritmo.
Mais uma bebida fresquinha nas bombas e Castelo Branco, era já o próximo objectivo, onde chegámos ainda antes das 12h00, com 83 kms pedalados numa manhã, onde o calor já abrazava, obrigando a malta a "beijar" mais vezes o bidon da água.
Sábado, lá estarei novamente, para mais uma voltinha!!!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

segunda-feira, 27 de junho de 2011

"XIII Raid AC - Trilhos e Aventuras"

À terceira, foi de vez!!!
Este meu raid, teve que ser adiado duas vezes, derivado às más condições meteorológicas.
Neste domingo, onze companheiros aderiram a esta minha iniciativa de ir pedalar por alguns dos mais belos trilhos da Sierra de Gata.
Eu, Silvério, Pedro Barroca, Nuno Eusébio, João Caetano, Luís Lourenço, Luís Cabaço, Luís Bandeiras, Domingos Ladislau e um amigo, e Tiago, tambem com um amigo, cujos nomes se me "varreram" e por isso peço desculpa, foram os protagonistas deste meu "XIII Raid AC - Trilhos e Aventuras.
Juntámo-nos pelas 06h30 e rumámos ao cruzamento da Fatela, a seguir à bonita povoação de Hoyos, deixando as viaturas estacionadas junto ao restaurante ai existente, agora fechado.
Depois dos preparativos da praxe, fizémo-nos aos trilhos.
Grupo animado, apesar do calor que já se fazia sentir e que viria achegar aos 40º.
Poucos kms depois, entrámos em Villasbuenas de Gata, sem paragem e continuámos em direcção à base do monte onde se situa Santibañez el Alto, uma lindissima povoação guardada pelas muralhas do seu altaneiro castelo.
Até ali, os trilhos foram fáceis e na sua maioria estradões, com alguns singles por carreiros de gado, dissimulados sob a erva e que divertiu a rapaziada.
Mas nem tudo correu bem. No sopé do monte de Santibañez, o Luís Bandeiras sentiu-se mal e teve uma grave queda de tensão, chegando mesmo a desmaiar.
Lá reanimou e após ter comido e bebido os "açucares" que a rapaziada trazia, lá voltou à bike.
Contudo e por precaução, já não continuou este passeio, apesar de ser a sua vontade. O meu irmão Luís acompanhou-o por asfalto até à viatura e ambos regressaram a casa.
Soube depois que tudo correra bem e que não passou dum susto, mas tem que efectuar um "check in", para na realidade, apurar o que de facto aconteceu. Se apenas um "golpe de calor" derivado à alta temperatura que na altura se fazia sentir, aliado ao facto de se encontrar mal alimentado, ou outro problema mais grave.
Um pouco entristecidos por este precalço, lá continuámos a nossa aventura, agora com dez elementos.
Mas os trilhos e os soberbos single tracks em montanha, devolveram-nos a alegria de pedalar.
pedalámos seguidamente por belos trilhos até Torre de D. Miguel, onde "abancámos" numa pitoresca esplanada e comemos e bebemos até mais não. Já ninguém dali queria abalar.
As canecas de "caña con limon" e as "colas com cerveza" pareciam um "carreirinho de formigas" até á mesa, para ajudarem a mastigar os "bocadillos de quezo com jamon york". Una "passada" como dizem os "nuestros hermanos".
Houve pelo menos um "menino", que eu conheço bem, que bebeu sete "caldeirinhos" de "caña con limon", sem deixar cair a caneca!!!
A custo, lá voltámos à bikes, para efetuarmos a segunda parte do percurso. E se valeu a pena!!! Foi a parte mais espetacular, com uns singles soberbos em montanha. Pareciamos protagonistas de alguns dos filmes de "free ride" que se vêm pelo You Tube. Espetáculo!!!
Alcançámos a Aldeia de Gata, onde já estivéramos antes, alguns dos companheiros, na segunda aventura desta trilogia.
Toca de novo a "abancar" numa das esplanadas da Plaza Mayor e voltámos de novo à fase das "cañas con limon" .
Dalí, saímos em direcção ao Puerto Castilha, que subimos por um fabuloso single e por um espetacular trilho até às ruínas do Monastério de Nuestra Sra de Monteceli, ou Monastério del Hoyo.
Terminado este bonito trilho entre densa vegetação, maioritáriamente de castanheiros, rumámos ao trilhos de "la cañada", para pedalarmos sempre em ascensão ao Puerto de Perales.
Mas antes, alguns elementos da "Cambada", não resistiram a um belo tanque de água fresca e cristalina e ali mesmo, efetuaram uma sessão acrobática de salto para a água, a fazer inveja a alguns "prós" dos saltos aquáticos.
O Puerto de Perales estava conquistado, faltava agora descer até ao "Embalse do Prado de Las Monjas", uma bonita bacia hidrográfica, em cuja margem esquerda se encontra o bonito trilho de "La Cervignona", até à antiga Fábrica de Luz.
Foi o delírio total.
A primeira fase do trilho, em pedra xistosa e bastante irregular, pôs à prova os nossos dotes técnicos, e a mim, particularmente, fez-me chegar ao Mirador de "La Ventosa" com pingos de suor na testa e com a adrenalina no máximo.
A paisagem, era soberba. O trilho, montanha abaixo, não deixava ninguem indiferente. No rosto da malta, era visivel a alegria de partilhar comigo estes momentos únicos. E isso, paga bem todo o meu trabalho de pesquisa em criar estes percursos, que depois partilho com os amigos.
Mas se este primeiro trilho, foi espetacular, o single da "Senda de la Ventosa" até ao "Embalse do Prado de las Monjas" foi para mim, brutal!!!.
Para terminar os singles do dia, pedalámos no que nos levou à antiga Fábrica de Luz, em "La Cervignona"
O dia estava a chegar ao fim e ainda tinhamos que regressar. Saímos daquele belíssimo local em direção ao cruzamento onde tinhamos as viaturas.
Passámos a povoação de Acebo, fizémos ainda uma incursão nuns trilhos singulares e, por estradões, depressa chegámos ao local de partida.
78 kms de trilhos, alguns espetaculares, paisagens de "encher o olho", pitorescas aldeias cheias de história e um bom punhado de amigos, preencheram este maravilhoso domingo de btt.
Já depois da "trouxa" arrumada, regressámos a Portugal, com paragem no restaurante ao cruzamento para as Águas, onde ainda "mastigámos" uma sandes de vitela e um par de bjecas.
Apesar de um, ou outro contratempo, esta última aventura da trilogia na Sierra de Gata, primou, como todas as outras, por um verdadeiro espírito de amizade e camaradagem, com um grupo de rapaziada que utiliza este salutar desporto para a partilha e enriquecimento pessoal, abolindo a sêde de auto promoção, mantendo um espírito aberto, onde todos têm lugar, sem qualquer vínculo ou obrigação.
Outras aventuras surgirão, certamente e, a "cambada", voltará a fazer das suas diabruras, utilizando a bike, quer seja de btt, ou "asfáltica", para praticar este lúdico desporto por belos recantos e interessantes paisagens.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
Slideshow.

sábado, 25 de junho de 2011

Hoje, fui ter com a rapaziada do Continente, para a voltinha habitual de sábado.
Juntámo-nos oito companheiros de pedaladas: Eu, o Silvério, o Joaquim Cabarrão, o Jorge Palma, o Leandro, o Filipe, o Paulito e o Marco.
Depois da já "institucionalizada" indecisão para definir percurso, alguém "aventou" uma ida a Vila Velha de Rodão.
Lá partimos da rotunda, pelas 08h15, em direcção a Vila Velha de Rodão.
Passámos Sarnadas e continuámos em direcção a Alvaiade.
Para não ser sempre igual, desta vez continuámos até ao Perdigão, onde virámos à esquerda para Vilas Ruivas, passando ao cruzamento.
Seguiu-se a bonita descida para Vila Velha de Rodão, onde podemos "mirar" à nossa direita a altaneira Torre de Atalaia do Rei Wamba e, já na parte final da descida, a magnífica visão das Portas de Rodão e Vila Velha de Rodão, ali banhada pelas àguas calmas do Rio Tejo.
Fomos até à Padaria na Zona Industrial beber o cafézinho matinal, para depois irmos dar uma espreitadela no recinto da feira gastronómica, a decorrer neste fim de semana naquela Vila.
regressámos à cidade pelo Coxerro e de novo Sarnadas, onde parámos para nos refrescarmos com uma bebida.
Foi uma voltinha de 70 kms, calmos e descontraídos, na companhia de alguns amigos.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

quinta-feira, 23 de junho de 2011

"Passeio Ibérico"

Hoje, era dia de aumentar um pouco a quilometragem.
Delineei um percurso ibérico e com alguma componente de dificuldade.
Acompanharam-me nesta pequena aventura, o Silvério e o Pedro Barroca, dois companheiros sempre em "pulgas", para tudo o que seja alargar um pouco os horizontes.
Logo pelas 07h00 carregámos as "fininhas" na minha ramona e rumámos ao cruzamento das Águas, na N.233, deixando a viatura no parque do Restaurante local.
Saímos pelas Águas e tomámos a direcção das Aranhas, passando pela Aldeia do Bispo, onde tomámos o cafézinho matinal, no Café das Bombas, seguindo-se a Aldeia de João Pires.
Nas Aranhas, virámos à esquerda para Espanha, passando pelo Parque de Campismo do Freixial e pelo Santuário de Nª. Sra do Bom Sucesso, efectuando a segunda paragem à entrada de Valverde del Fresno, na fonte do parque de Merendas, junto à estrada.
Passámos a povoação e mais à frente, virámos para Eljas, pitoresca aldeia já nossa conhecida do 1º. Raid de Btt da trilogia da Sierra de Gata.
Depois da subida, à entrada da aldeia, virámos à direita para a lindíssima Aldeia de San Martin de Trevejo, também já nossa conhecida e onde iniciámos a subida do Puerto de Santa Clara.
Lá no alto, deixámos a Comarca de Cáceres, para entrar na de Salamanca, com o azimute apontado a Navasfrias, conhecida também pelas suas lides tauromárquicas.
Aqui, efetuei uma ligeira alteração ao traçado original, que era de entrar em Portugal pela Aldeia de Lageosa da Raia, mas, como sou curioso e gosto de conhecer, entrámos em Portugal, pela nova ligação asfaltada de Navasfrias à Aldeia do Bispo. (a do Distrito da Guarda)
Continuámos até Fóios, onde parámos num restaurante local, para comer um prego, que mais parecia uma "cavilha" e beber uma bjeca, à excepção do Silvério, que anda numa de bebidas com cores "psicadélicas" e misturas esquisitas.
Já com a barriguinha cheia, continuámos as nossas pedaladas por Vale de Espinho e pela bonita Aldeia de Quadrazais, onde parámos na fonte, para abastecer os bidons de água.
Passada a Colónia Agricola de Martin Rei, depressa chegámos ao Sabugal, com o seu altaneiro Castelo. Logo a seguir e, com a visão imponente da Barragem do Sabugal, ou da Malcata, pois é cconhecida das duas formas, virámos à esquerda para a Aldeia da Malcata.
Não entrámos na aldeia e, ao chegar à ponte, virámos à direita para o Parque Eólico da Serra da Malcata, que atravessámos por uma estradinha, que nos levou à Aldeia de Meimão.
Dalí, pedalámos, ladeando a linda barragem da Meimoa e chegámos à povoação com o mesmo nome, onde efetuámos a derradeira paragem para nos refrescarmos, pois o calor fazia-se sentir.
Até ao local onde a "ramona" estava estacionada, foi um instantinho, passando ainda na variante a Penamacor.
Arrumámos as bikes e fomos beber algo fresco, uma bjeca, claro, e, regressámos à cidade, após este bonito passeio por "tierras de nuestros hermanos" e algumas das nossas pitorescas aldeias, aqui bem perto de nós.
144 kms de boas pedaladas, na companhia destes bons amigos, animaram esta quinta feira, dia feriado do Corpo de Deus.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC