segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

"PNSAC - No Reino da Pedra"

Ontem, foi dia de adrenalina no fantástico Parque Natural da Serra D'Aire e Candeeiros.
Quero conhecer e pedalar pelas melhores zonas de trilhos daquele bonito parque e fantásticas formações rochosas!!!
Fiz há algum tempo a primeira incursão pela Serra da Pevide, Porto de Mós, singles da Chiqueda e ciclovia da desativada via férrea da Bezerra.
Desta vez, escolhi as Serras de Santo António, da Pena da Águia Escarpa de Alvados e o Cabeço da Fórnea.
Acompanharam-me alguns amigos . . . o Nuno Eusébio, o José Luís, o Vasco, o Mário e o meu irmão Luís.
Saí da cidade pelas 07h e juntei-me ao José Luís e ao Vasco na Estação de Serviço de Vila Velha de Rodão, na A23.
O meu irmão e o Mário, esperavam-me na Videla, à saida da A23 e, todos juntos, seguimos até ao Zambujal de Alcaria, onde iniciámos esta pequena aventura.
Simplesmente fantástico. Superou e em muito, as minhas expetativas quanto ao traçado, que também eu o fiz pela primeira vez.
O relógio tinha avançado os primeiros minutos das 09h quando nos pusemos a caminho da primeira povoação . . . o Castanhal.
Em terreno ondulante e onde a pedra ainda não mordia muito os pneus das nossas bikes, rumámos ao Covão de Oles, onde tomámos contato com o primeiro single, em direção aos Casais dos Vales.
Os singles tracks iam surgindo aqui e ali, em bonitas zonas de mata de carvalhos e outras zonas de arvoredo e a malta mostrava no rosto a alegria aliada á adrenalina de pedalar nestes fantásticos single tracks. Mas o melhor estava para chegar!!!
Chegámos a Alqueidão da Serra e parámos numa Pastelaria, onde os bolos eram tantos, que acabámos com eles, ou não sei mesmo se chegaram para todos.
A subida ao Parque Eólico, naqueles single tracks em pedra calcária foi um gozo tremendo. Lá do alto a panorâmica era espetacular.
Por ali fomos ziguezagueando, sempre por trilhos fabulosos e com passagem por Alcanadas, chegámos ao Reguengo do Fetal.
Já embrenhados na Serra, fomos pedalando nos mais variados trilhos, onde os singles ganhavam por maioria e extensão.
Depois do Covão da Carvalha e da Lapa Furada, chegámos a S. Mamede, onde alguns estômagos mais impacientes, já reclamavam por comida.
Parámos então na Churrasqueira "Pronto e Apurado" e fomos copiosamente servidos com uma travessa de grelhados, onde nada faltava. Desde a febra e entremeada, aos enchidos, onde não faltou a salchicha e a alheira, além dos mais usuais. Para acabar de enfeitar a travessa, salteámo-la com frango assado e a acompanhar (não aconselhável a profissionais) uma quantidade quase industrial de batata frita.
Para alguns, eu incluido, fizémos o aquecimento alimentar com uma sopinha de caldo verde, em jeito de preparação para os grelhados.
para conclui e dissimular um pouco o sabor dos grelhados, comemos cada um uma sobremsa a gosto, que foi um miminho.
Há que juntar a esta excelente refeição, a excelente simpatia da funcionária, que nos mimou durante a refeição.
Meio inchados e com as pernas a tardarem em responder aos estímulos do cérebro, lá fomos até à Demó Nova e Barrenta, onde mais uma vez os bonitos e adrenalínicos single tracks nos fizeram alhear de tudo o resto embalando-nos para o puro gozo.
Ultrapassar a Serra de Santo António pelos seus pedregosos trilhos, foi um "esbanjar" de adrenalina e, sem despegar, a famosa Escarpa de Alvados e Serra da Pena da Águia puseram-nos completamente mudos e cortaram-nos a respiração. Aquela visão sobre o Vale da Canada e encosta do Patelo, cedo ou nunca vou esquecer!!!
A terminar a nossa passagem lá pelo alto, foi a loucura da passagem pela escarpa do Cabeço da Fórnea, faltando-me já os adjetivos para a descrever.
Depois, foi a loucura total, na longa e tecnica descida em ZZZ ao Vale da Canada, onde para manter o mote do que foi o nosso dia de pedaladas, terminámos esta nossa aventura com um bonito single track até ao Zambujal de Alcaria, onde tinhamos estacionado as viaturas.
Uma primeira "jola" nas bombas de combustivel, deu para chegar ao Snack bar da Videla, onde secundámos com outra "jola" e algo mais sólido, até que o jantar nos saciasse a fome, se é que esta existisse nalgum companheiro.
Como disse em tempos um amigo meu, durante estes próximos dias, vou andar com o esqueleto atado com arames, apesar de ter feito apenas 68 kms!!!
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
.o0o.
Clip de filme.

.o0o.
Clip de filme (parte II)

sábado, 25 de fevereiro de 2012

"Vale de Prazeres"

Hoje havia uma rapaziada que ía fazer um passeio gastronómico de roda fina ali para o Casal das Águas de Verão.
Recebi o convite, mas. . . hoje era dia de chegar a horas para o almoço!!!
Amanhã vou dar umas pedaladas no Reino da Pedra, pelas encostas da Serra de Santo António, Alvados, Pena da Águia e Fórnea e vou chegar lá para o fim da tarde, por isso . . . fica para outra oportunidade!!! Só tenho autorização para "vadiar" um dia por fim de semana. Durante a semana, tenho carta branca. eh eh eh!!!
Por isso, hoje, na companhia do Jorge Palma e do Filipe, fomos dar uma voltinha com as "asfaltinas" até Vale de Prazeres.
Saímos pelas 08h30 e tomámos a direção dos Escalos de Cima com passagem por Escalos de Baixo.

Passámos a variante a Alcains e a Rotunda da Lardosa e com passagem em Alpedrinha, subimos até à fonte, onde parámos para atestar bidons e saborear aquela fresquinha água serrana.
Descemos a Vale Prazeres, com nova paragem na padaria/pastelaria, onde tomámos o cafézinho matinal e degustei um saboroso pastelinho de nata a acompanhar a minha dose de cafeína.
Depois, foi pedalar pela ondulante estrada até S. Miguel D'Acha, com passagem pela Orca.
Descemos a S. Gens e subimos aos Escalos de Cima, onde efectuámos o percurso inverso até à cidade, onde chegámos pelas 12h15, com 93 kms pedalados, efetuando ainda uma derradeira paragem no café da Rotunda da Racha, para "molhar o bico" depois duma explêndida manhã solarenga.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

"Calvos,Martim Branco, Barbaído"

Que belo dia para passear a "baixota"!!!
Uma manhã explêndia com um sol radiante e com a temperatura mínima, em escala mais elevada que nos dias anteriores, quase que me obrigaram a sair de casa.
Pelas 09h, já pedalava em direção ao campo.
Passei a cidade pelos subúrbios e tomei a direção da abandonada Aldeia da Azinheira. Um pitoresco local que nunca me canso de visitar.
Segui depois em direção à Foz da Ribeira da Líria, um local prazenteiro, onde esta ribeira espraia as suas água no Rio Ocreza.
Subi à Aldeia de Calvos e embrenhei-me no Pinhal até à Aldeia da Nave.
Aqui, tomei a direção do Espadanal, um imenso Vale com uma bela panorâmica sobre a Aldeia de Sarzedas e no oposto, as imensas serranias, onde se destaca a Serra do Muradal com as suas cinco eólicas. Um local a vistar em breve, em conjunto com uns recantos que por ali existem, mais a oeste!!!
Subi um pouco, mas com alguma dureza e desci para as Vinhas da Tapada, para subir de novo, agora ao VG do Valeijo e mais à frente ao VG da Peiteira.
Seguiu-se a bonita descida em pinhal fechado até à zona das Alagoas, para rumar seguidamente à Aldeia de Camões, onde não cheguei a entrar.
Voltei a subir, longa e lentamente até ao alto da serra sobranceira à Aldeia de Chão da Vã, para mais à frente, entrar na grande obra de plantação de olival, na Esteveira de Baixo, passando para o outro lado, para a zona das Carvalheiras.
Segui o estradão que me levou à bonita Aldeia de Xisto de Martim Branco.
Por ali me entretive em visita mais calma à sua pitoresca ruela, parando depois no fontanário, onde me sentei calmamente para me alimentar e beber um pouco daquela fresca água, atestando também o camelbag.
Seguiu-se um osso duro de roer. Subir ao alto da serra!!! Já anteriormente o tinha tentado, na companhia do Nuno Eusébio e acabei por por o pé no chão a uma escassa centena de metros do final da ingreme subida.
Estive quase a conseguir, mas ainda não foi desta. Por um "pelinho"!!!. Maldita curva. Um escorreganço e lá tenho que voltar outra vez, numa outra oportunidade.
Mas valeu a bonita e adrenalínica descida à Ribeira do Tripeiro, num local de singela beleza.
Continuei as minhas pedaladas passando a Várzea Fundeira e chegando pouco depois ao Barbaído, segui para o Juncal do Campo, pasando pelo vale de Manssama.
Do Juncal, segui para Caféde, ziguezagueando por diversos trilhos pelas Quintas de Valverde, acabando por parar no Café da D. Júlia, onde já há uns largos meses não parava.
Uns bons momentos de conversa, enquanto cuidava mais um pouco a alimentação, completada com uma bela laranja da baía, oferecida pela D. Júlia.
As passadouras da Rabaça, eram o meu próximo destino, para assim conseguir cruzar o Rio Ocreza, agora quase sem caudal.
Quem o viu e quem o vê!!! Ainda recordo um dia em que, na companhia do Micaelo, tivemos que arranjar passagem alternativa . . . e bem longe . . . pois as passadouras nem tão pouco estavam visíveis com o enorme caudal do rio.
Já do outro lado, encontrei o proprietário da quinta e por ali me mantive mais uns tempos à conversa, até que me pus a caminho da cidade, com passagem ainda por Sta Apolónia e Atacanha.
Acabei por passar uma bela e longa manhã de pedaladas, com a minha "baixota", ao longo de 78 kms de lazer e aventura, aproveitando estes dias de outono primaveril.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC
<>
Clip de filme.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

"Voltinha de Carnaval"

Hoje, dia de Carnaval, fui dar umas pedaladas na companhia do Jorge Palma, Nuno Eusébio, Paulo Jales e Nuno Jales.
saímos da cidade pelas 08h30 e fomos ver como andavam as obras na N.558-1, que liga a Lardosa à Orca.
Com passagem pelos Escalos de Baixo e Escalos de Cima, chegámos à Lardosa, onde entrámos na N.558-1, agora em obras, com a colocação de um novo tapete.
Acabámos por ser surpreendidos, pois as obras estão adiantadas, relativamente ao que é habitual, por estas redondezas.
Tivemos que circular pela berma umas centenas de metros, pois estavam a colocar novo tapete e nalguns locais, o velho tapete estava com a cola própria para levar o alcatrão.
Sorte a nossa, que virámos para a Atalaia no entroncamento com as Zebras.

Passada a Atalaia, rumámos à Soalheira, onde parámos nas bombas para o cafézinho matinal.
Já com a quantidade de cafeína ajustada, continuámos a nossa voltinha carnavalesca com o azimurte virado ao Louriçal do Campo.
À saída, fomo-nos cruzando com a rapaziada que saíra da Rotunda do Continente. Um grupinho bem composto e animado, que fomos cumprimentando.
Depois do Louriçal, fomos em busca do estradão recentemente asfaltado, que nos levaria à N.352, que seguimos até ao Juncal do Campo, com passagem por Tinalhas.
Tomámos depois a panorâmica estradinha até às proximidades da Ponte sobre o Rio Ocreza, na estrada para Caféde e daí à cidade, foi um instantinho.
84 kms num percurso maioritáriamente plano, manteve a malta animada e bem disposta, até às 12h30, hora a que demos entrada na cidade, já a pensar no almoçinho bem merecido.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

"Costa de Alvados, Pena da Águia e Fórnea"

No próximo dia 26 (Domingo), vou fazer nova incursão ao Reino da Pedra no Parque Natural da Serra D'Aire e Candeeiros.
Quem me quiser acompanhar pode concentrar-se pelas 08h junto à Igreja Matriz de Zambujal de Alcaria, a seguir a Mira D'Aire.
Pode ainda contatar-me para ajustar logística. Recordo que o passeio é em autonomia, pelo que cada um deverá ser portador do que eventualmente lhe fará falta.
Podes ver aqui um lamiré do que te espera, caso sejas um indefétivel das trialeiras e dos trilhos adrenalínicos.
<>


<>
Também podes ver algumas fotos de locais de passagem desta aventura!!!














Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC