domingo, 29 de dezembro de 2013

"O Último do Ano by Pinto Infante"

Se a memória não me falha, foi hoje o 7º. passeio de fim de ano, ou o "último do ano" organizado pelo amigo Pinto Infante.
Sempre rodeado de um bom punhado de amigos que aqui comparecem para desfrutar, divertir e confraternizar, sendo que, quase se pode dizer, o primeiro passeio para a queima das calorias adquiridas excecionalmente nesta altura de festas.
Como sempre, a reunião é na Lardosa, e este ano junto às Piscinas.
Depois do rápido "briefing" da praxe fomos para os trilhos, pedalar e conviver, sempre em amena cavaqueira.
Derivado às últimas chuvadas, os caudais das ribeiras subiram um pouco e alguns trilhos, mais pareciam regatos, ou ribeiros, pois a água quase nunca faltou durante todo o percurso.
Saímos da Lardosa pelas Espadanas, já com o ponteiro horário a passar das 09h.
A malta ia divertida, animada e as brincadeiras e peripécias, foram acontecendo ao longo do percurso.
Passámos o Vale Feito e Carapeteiro e pela cumeada do Monte das Casinhas, descemos à foz da Ribeira do Vale do Freixo.
Surpreendida com o caudal e como não queria molhar o pézinho, a malta lá andou numa roda viva à procura dum outro local para ultrapassar aquele pequeno contratempo, o que aconteceu um pouco mais acima, com algumas peripécias engraçadas.
Subimos à Tapada da Bica e um pouco mais acima, cruzámos a N18.7, seguindo em direção aos Escalos de Cima.
Daqui fomos para os Escalos de Baixo, onde junto ao Chafariz nos aguardava um belo abastecimento, com o enchido já habitual neste evento e as febras grelhadas, acompanhadas de sumos, água e o belo tinto ou branco.
Foi comer até encher, pois o petisco estava uma delícia. Nem apetecia sair dali!
abandonámos o local com o rumo à Balorca e continuámos pelo Monte São Luís para o Alto da Cancelinha, onde cruzámos a N233 para Alcains.
Deixamos a vila pela Fonte do Sapo, passámos o Casal da Fonte da Chã, Folha da Lardosa e depois de contornar a Seixeira, voltámos à Lardosa.
Foram 46 kms bem ajustados e ao alcance de qualquer praticante, sempre com uma ou outra pequena surpresa, saída do baú do Pinto Infante.
Seguiu-se o banhinho nos balneários da piscina e já limpinhos e penteados, fomos até à Casa do Povo para o merecido almoço.
Umas entradas de pasteis de bacalhau e de camarão, acondicionados com uma cervejinha, foram a rampa de lançamento para um apetitoso almoço, onde não faltou a já tradicional sopa de entulho.
Seguiram-se uns belos momentos de convívio, que conjugados com o belo dia de hoje, proporcionaram mais um fantástico passeio de final de ano, entre amigos, com o cunho do Pinto Infante, o mentor deste belo momento desportivo/gastronómico.

Para o próximo ano, certamente estarei presente, como tem sido até aqui.

Fiquem bem.
Vêmo-nos trilhos, ou fora deles.
AC

sábado, 28 de dezembro de 2013

"Nossa Senhora das Neves"

Após alguns dias de ingestão calórica em ritmo acelerado, o S. Pedro lá condescendeu um pouco, permitindo que a manhã de hoje se ajeitasse ligeiramente, para a prática desta nossa lúdica modalidade.
Depois de lançado o repto a alguns companheiros, para uma voltinha asfáltica, para "desinstalar gorduras", dois companheiros do pedal aderiram a este esforçozinho pedalante. . . o Vasco Soares e o Nuno Eusébio.
Juntámo-nos pelas 09h00 na Rotunda da Racha e acertámos ir até Malpica do Tejo beber o cafézinho matinal, com visita ao singelo Santuário de Nossa Senhora das Neves, de tão gratas recordações de infância.
Fomos até ao Rio Ponsul e ali parámos, para dar uma mirada na bonita ponte medieval e turvas águas do rio, fruto das chuvadas que nos têm assolado nestes últimos dias.
Em ritmo descontraído e quase sempre conversando, lá fomos pedalando, agora em direção a Monforte da Beira, com intenção de entrar no velho ramal, há uns anos asfaltado, e que liga esta aldeia a Malpica do Tejo, o nosso destino de hoje.
Já pedalando naquela panorâmica estradinha, é sempre agradável regalar a vista pela extensa panorâmica, que se vislumbra até à terra de nuestros hermanos, na sua maioria zonas de montado. 
Já no alto e à vista de Malpica, avistámos sobre a nossa esquerda, o isolado Santuário de Nossa Senhora das Neves, descendo ao local, para uma breve visita e registar o momento, com uma foto de grupo.
Rumámos seguidamente até à aldeia, e parámos no Café Sacul, junto à entrada norte, para a matinal dose de cafeína e dois dedos de conversa.
A manhã que começara ensolarada e de temperatura amena, mostrava agora uma outra cara, em tons mais cinzentos e ameaçadores, com a temperatura a baixar substancialmente.
Valeu-nos a subida dos Enfestos e o Portillo del Gitano" para aquecer um pouquinho o "caparro", que apesar de supostamente protegido pela "gordura vegetal, ou não", das filhoses, rabanadas e outras iguarias natalícias, teimava em não conseguir uma temperatura que nos mantivesse confortáveis.
Entrámos na cidade ainda cedo, um pouco antes dos ponteiros do relógio atingirem as 12h00, e com 56 kms feitos em modo "idling".
O Vasco continuou, pois tinha compromissos. Eu e o Nuno Eusébio, fizemos uma pequena paragem na Pastelaria "A Ministra", na Carapalha, para bebericar algo e conversar um pouco.
Estávamos nós entretidos à mesa do café a lavar uma "roupita suja", quando fomos surpreendidos pela chegada do Martin, um velho amigo que  não via há já algum tempo.
Bom, lá ampliámos o tempo, para conversarmos mais um pouco, passando então a "bola" ao Martim, um bom conversador, que nos pôs ao corrente das suas últimas aventuras e alguns dos seus objetivos a médio prazo.
Chegou a hora de atestar o estômago e, após as despedidas, lá fui em busca do banhinho retemperador e ingestão de mais um punhado de calorias.
Obrigado S. Pedro por esta pequena trégua, e já agora, faz lá favor . . . vai lá alternado os diazitos de chuva con uns mais sequinhos e solarengos, p'rá malta dar uns pedalanços . . . sempre ajuda a esquecer um pouco a crise!!!
Cria também uma páginazita no "face" e garanto-te que a malta toda mete uns "likes"!

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC 

domingo, 22 de dezembro de 2013

"Rota dos Madeiros"


Mais um ano chega ao seu final e com ele chega o Natal e a mística que o envolve.
A "família" ciclista junta-se nesta altura do ano para percorrer algumas aldeias da região com uma visita aos madeiros de Natal.
Este ano, a ideia, que partiu do Rui da Loja Amieirobikes, era para no final nos juntarmos à mesa num almoço de confraternização entre amigos e familiares no Restaurante English Savoy, no Bairro da Carapalha, nesta cidade.
Cerca de quatro dezenas de companheiros do pedal aderiram a esta iniciativa e juntámo-nos pelas 08h00 na Amieirobikes, onde nos esperavam algumas iguarias natalícias.
O bolo rei, filhoses, jeropiga e vinho do porto caseiro, e até um cafezinho de máquina expresso para aquecer a rapaziada.

Malta alegre e divertida foi o mote para uma bela manhã de confraternização.
Saímos então em direção à primeira aldeia, os Escalos de Baixo, enfrentando um friozinho de rachar, ou não tivesse a "velhinha andado a peneirar toda a noite"!!! Que belo geadão!
Fomos por asfalto até à Fonte Santa e pela Vinha do Marco chegámos aos Escalos de Baixo, onde a rapaziada do grupo Escalas a Baixo nos aguardava com uma surpresa nas instalações da Junta de Freguesia. Bebidas à descrição, bolo rei e de chocolate, onde também não faltou a bela da jeropiga.
Depois da visita ao madeiro e fotografia da praxe, seguimos para os Escalos de Cima e fomos até ao madeiro, no adro da igreja, para outra foto de grupo.
A "coisa" estava animada e alguns companheiros lá iam partilhando o "bidon de líquido hidratante", pois a àgua estava fria "c'mó catano"
Seguiu-se a Lousa, com a respetiva visita ao madeiro. Foto da praxe e vamos embora que se faz tarde e a malta já estava apensar no belo bife à cervejeiro, ou o bacalhauzinho, tão próprio desta altura festiva.
Seguimos para Alcains, a última aldeia a visitar, neste caso vila e, ao chegarmos ao adro da igreja, fomos surpreendidos com um cartaz colocado no alto da pilha de madeira, que dizia o seguinte . . . "é favor não roubar lenha"!
Tirámos a foto de grupo e demos rapidamente "à sola", não viesse algum funcionário da junta passar revista à rapaziada e encontrar algum "pauzinho" dissimulado entre a roupa.
Até Castelo Branco foi um instantinho e como não poderia deixar de ser, tivemos também que tirar uma foto junto ao nosso madeiro, o da nossa cidade . . . Castelo Branco, junto à Sé.
A malta espalhou-se então, cada um para seu lado, para mais tarde, cerca das 14h00, nos juntarmos novamente, desta vez à mesa no Restaurante English Savoy, onde comemos e bebemos, confraternizámos e divertimos.
Gostei!!!
Um Bom e Santo Natal a todos!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

sábado, 21 de dezembro de 2013

"Rota da "avózinha""

A convite do Vasco Soares fui até à Pampilhosa da Serra, sua terra natal.
Como tinha que se deslocar à terra nesse dia, resolvemos aproveitar para dar umas pedaladas por alguns dos maravilhosos trilhos pampilhosenses.
Escolhemos o percurso do "V Passeio dos Cremalheiras Empenadas" o que acabou por ser uma ótima opção.
Saímos das cidade já depois das 07h30 e fomos até à Pampilhosa da Serra.
Depois de tomado o pequeno almoço na casa dos pais do Vasco, preparámos as bikes e aí vamos nós em direção aos trilhos, já com o ponteiro das horas bem próximo das 10h00.
Subimos ao Cabeço da Linteira por asfalto e sempre em subida, fomos até à Aldeia de Maria Gomes.
Uma longa subida, que ainda assim, não chegou para um bom aquecimento, derivado ao "friozinho" que ainda se fazia sentir.
Continuámos para as Travessas e contornámos as Bastezas em direção à bonita Aldeia do Trinhão, onde passeámos pelas estreitas ruelas daquela castiça povoação.
Continuámos para a Barroca da Lameira e Horta Cimeira, descendo ao Vilar, um recanto encantador na Albufeira da Barragem do Cabril.
Os trilhos até então, foram belos estradões ladeados por soberbas paisagens, onde as subidas eram algo exigentes e as descidas a solicitar travões afinados.
Depois de repostas as energias com um par de barrinhas energéticas, lá tomámos coragem para iniciarmos a longa e dolorosa subida à Favaca. Valeu-nos ser em asfalto, onde a inclinação variava entre os 15% e os 18%.
Passada esta dificuldade lá fomos pedalando de forma descontraída absorvendo todo aquele recortado montanhoso, pululado de bonitas e brancas aldeias até chegarmos à Portela do Fojo, outra bonita povoação naquela extensa "manta" de pinhal.
Seguiu-se o Cimo da Fonte, Amoreirinha, Cabeço, Amoreira de Cima, Vale da Gata e Indioso, ora subindo, ora descendo, até que chegámos aos Machios, de Baixo e de Cima, já com o pensamento no ponto de partida, pois a dureza do terreno já acusava alguma "mossa".
Mas eu, particularmente, estava desejoso de chegar aos Covões para desfrutar dos magníficos single tracks que seguem pela encosta direita do Rio de Unhais, até á Pampilhosa. Alguns kms de adrenalina e emoção!
E lá chegámos, depois de passarmos o Vale das Pereiras, Aldeia Fundeira e Covões.
O que se seguiu, valeu bem a pena o "empeno". Single tracks "marados", onde a adrenalina quase substituiu o suor e a emoção quase nos faz esquecer o "perigo" de pedalar naqueles esguios trilhos, à beira do abismo, com algumas seções de pedra que se pode apresentar escorregadia e imprevisível.
Foi cá uma "pica" Ufff!!!
Chegados à Pampilhosa, após 55 kms percorridos por belos trilhos e fantásticas paisagens, voltámos a colocar as bikes nos suportes no tejadilho do carro, arrecadámos o restante material e fomos a uma das melhores partes daquele belo dia de aventura . . . o almoço!
Um espetacular cabrito assado, feito pela mãe do Vasco, como já há muito tempo não comia, ou não sei mesmo se alguma vez comi. Que belo momento gastronómico!
Foi a cereja no topo do bolo.
Por ali passámos o resto da tarde, enquanto o Vasco preparava as coisas para regressar, e foi o que fizemos já no final do dia . . . e que dia!
Obrigado Vasco pelo maravilhoso dia de pedaladas e gastronomia.
Quando lá quiseres voltar . . . conta comigo!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC
 
Vídeo em edição.