quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

" A última do ano."

Já é tradição. A última voltinha de bicicleta do ano que finda terminou hoje pelas 11h45.
Numa manhã bem cinzenta, com a estrada molhada e escorregadia, nalguns locais por onde hoje passei, um sol arreganhado e encoberto, mas isenta de chuva e daquele friozinho dos últimos dias, fiz-me à estrada, eram 08h30.
Tomei o rumo ao Salgueiro do Campo, onde parei no Café "Portas da Serra" para a matinal dose de cafeína.
Continuei até à Junceira, onde fleti à esquerda para a Azenha de Cima, com passagem pelo Vale de Ferradas, Grade e Vale de Maria Dona.
Depois de passar a ponte sobre a Ribeira da Magueija, virei à esquerda e pela estradinha panorâmica que cruza as pequenas aldeias de Monte Goula e Gatas, segui a Ribeira quase até ao cruzamento da M.548, virando de novo à esquerda para apanhar o cruzamento para o Vale da Lancinha.
Passei nas imediações da aldeia e sempre em sentido descendente, cheguei a já pouco povoada aldeia de Salgueiral, onde parei para visitar o amigo Zé, que prontamente me convidou para irmos "matar o bicho" à sua peculiar adega.

E assim foi. Fomos até à adega e bebemos uma "giribita", pois uma dose avantajada tornaria certamente a direção da minha "ézinha" muito levezinha.
Por ali estivemos um bom bocado na conversa, recordando alguns momentos de outrora e alguns amigos que já não vejo há muito tempo e residentes nas aldeias circundantes, até que chegou a hora de regressar a casa.
Depois das despedidas, fiz de novo à estrada e depois de ladear o Salgueirinho, subi a alto do Galvão, entroncando na N.233, um pouco mais à frente.
Subi às Sarzedas e parei no chafariz para comer umas bolachinhas que trazia no bolso do jersey, continuando depois até á cidade com passagem pelo Cabeço do Infante, Vilares e Taberna Seca.
Eram 11h45 quando entrei na cidade, satisfeito por ter terminado o ano fazendo aquilo de que gosto . . . dar uma boa voltinha de bicicleta, que culminou desta vez com 69 agradáveis kms, por algumas das bonitas e panorâmicas estradinhas cá do nosso condado.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
Um Bom Ano de 2016 repleto de desejos realizados.
AC

domingo, 27 de dezembro de 2015

"Por Perais, Alfrívida e Lentiscais"

E porque a manhã estava convidativa a um bom par de pedaladas, não me fiz rogado e fiz-me à estrada.
Sai de casa pelas 08h20 e pela zona industrial entrei no IP2 rumo aos Cebolais de Cima, onde parei na Pastelaria Dayana, para o cafézinho da manhã.
Desci depois aos Cebolais de Baixo e fleti à direita rumo às Sarnadas, onde entrei na N.18 até à Serrasqueira.
Virei à esquerda e com passagem por Perais e Alfrivida, cheguei à ponte sobre o Rio Ponsul, onde efetuei nova paragem e fui visitar o cais de embarque do "Balcon del Tajo", o barco que faz o passeio turístico até ao cais de Cedillo.
Subi aos Lentiscais e encetei o regresso à cidade, onde cheguei pelas 11h15, com 69 kms pedalados numa bela manhã de inverno, iluminada com um sol tímido, mas que fazia realçar as côres campestres, que mais se parecem à entrada da primavera.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

sábado, 26 de dezembro de 2015

"Um passeio à Varanda da Gardunha"

Após um par de dias de excessos gastronómicos, fui hoje dar uma passeata asfáltica com a minha "canic", agora de "sapatinhos de alcatrão".
Resolvi ir tomar o cafézinho matinal ao Louriçal do Campo e subir ao Casal da Serra, bonita aldeia serrana, também denominada varanda da gardunha.
Saí da cidade pelas 08h30. Na Avenida da Europa, cruzei-me com um grupo de malta a quem cumprimentei, levantando a mão e dizendo "Bom Dia", mas ninguém me passou "cartucho".
Iam todos cabisbaixos, a olhar para o alcatrão, para a roda da frente, a calibrar o strava, ou simplesmente . . . Já não se usa! A não ser que seja do mesmo clube!
Entrei na N.18 e segui até à rotunda da Lardosa, onde um par de centenas de metros mais à frente, fleti à esquerda para o Louriçal do Campo.
Parei no café "O Retiro dos Amigos" e ali tomei calmamente o minha dose matinal de cafeína e a bolachinha da praxe.
Se até aqui a coisa fora rolante, daqui para a frente, pelo menos até ao alto da serra, a coisa iria ser diferente.
Estava curioso em ver como a "canic" se iria comportar em subidas mais acentuadas, pois com o cardado e nos trilhos já estou devidamente elucidado.
Lá fui pedalando por ali acima e chegado ao alto, conclui, que afinal é como em todas as bicicletas. . . há que empurrar o crank com determinação!
parei na fonte para beber uma pouca de água que jorra daquele bonito fontanário e segui em direção ao alto, onde se pode avistar uma esplendorosa panorâmica sobre a Barragem do Pisco, S, Vicente da Beira e vales circundantes.
Na descida e na primeira curva, deparei-me com o novo miradouro, que ainda não conhecia e onde parei para apreciar a bonita paisagem e tirar uma foto.
Completei a descida até à aldeia e virei à esquerda, tomando  rumo a Tinalhas.
Já na base da subida a Tinalhas, parei para cumprimentar o meu amigo Dário Falcão, que andava entretido na sua nova "labuta", na exploração de framboesas, aproveitando para conversarmos um pouco.
Continuei até ao cruzamento, junto ao cemitério, fletindo à direita, em direção ao Salgueiro do campo, com passagem pelo Freixial e Juncal do Campo.
Virei à esquerda e apontei o azimute a Castelo Branco, onde cheguei pelas 11h45, uma boa hora para fazer ainda uma visitinha ao David Vila Boa, na loja FeelsBike, desencantado-o para uma bebida em jeito de abaladiça.
Uma bonita manhã de pedalada asfáltica, em solitário, que culminou com 67 kms bem agradáveis, pelas bonitas estradas cá do nosso condado.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

"Lardosa; Marateca e Tinalhas"

Sem o denso nevoeiro que ontem assolou a região, aproveitei hoje a manhãmenos enevoada para ir passear a minha "canic", pela primeira vez com "sapatinhos asfálticos".
Levantei-me a pensar que estaria nevoeiro, mas, ao encostar o nariz à janela, verifiquei que o dia estava com claridade suficiente para ir dar umas pedaladas.
Sai de casa pelas 09h30 e resolvi ir tomar o cafézinho matinal a Tinalhas.
Com passagem pelos Escalos de Baixo, cheguei aos Escalos de Cima, onde encontrei o Salavessa, que depois dos cumprimentos da praxe, me acompanhou neste passeio descontraido.
À saída da povoação, depois do cruzamento do alto da Lousa, encontramos um outro companheiro, que nos acompanhou até à Lardosa.
Com até á proxima, despedimo-nos e depois de cruzar a aldeia, seguimos parra a Marateca.
No paredão da barragem, passou por nós o Paulo Neves e o Luís Pedro, que nos fizeram companhia, pelo que tomamos o rumo a Tinalhas, onde paramos no café "Ginja", junto à igreja matriz, para a matinal dose de cafeína e dois dedos de conversa.
Descemos seguidamente à Povoa de Rio de Moinhos e seguimos para Alcains, onde o Paulo nos deixou, pois estava com o horário limitado e seguiu para a cidade pela N.18.
Nós continuamos até aos Escalos de Cima, onde fletimos à direita, já com o azimute apontado à cidade, onde chegamos pouco depois das 12h30, com 65 kms pedalados numa manhã que acabou por se tornar bem agradável para a prática deste ludico desporto.
Fiquem bem.
Vemo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

domingo, 20 de dezembro de 2015

"Rota dos Madeiros 2015"

2015 está no final e a Rota dos Madeiros, idealizada e organizada pela Loja Amieirobikes, cumpriu mais um ano.
Nem o dia que amanheceu bastante chuvoso, afugentou um bom magote de "malta", apesar de ter "assustado alguns", que compareceram junto à loja para a já tradicional volta aos madeiros de algumas das aldeias da região.
A concentração deu-se pelas 08h00 e pelas 08h30 partimos para os trilhos, com a manhã algo nebulosa, mas que com o passar das horas se mostrou mesmo algo soleada, sem que os participantes neste popular evento tivessem apanhado pingo de chuva.
A primeira aldeia que visitamos foi os Escalos de Baixo, com o madeiro já pronto para aquecer a malta na noite da consoada, colocado junto à igreja matriz.
Depois da foto de grupo, seguimos para a aldeia da Lousa, onde visitamos o madeiro, também ele colocado no largo fronteiriço à igreja.
Tiramos a foto de grupo, como é praxe e fomos até ao jardim tomar o cafézinho matinal no bar "Dezigual".
Fomos depois visitar o madeiro aos Escalos de Cima, onde também tiramos uma foto para mais tarde recordar e fomos até ao penúltimo madeiro, o de Alcains.
Depois da visita ao madeiro, fomos também fazer uma visita à esplanada do bar do jardim, onde bebemos uma bjecas, em animada cavaqueira.
Faltava visitar o último madeiro, o da Sé Catedral, já em Castelo Branco, para onde a malta se deslocou.
À entrada da cidade já não acompanhei a malta até ao último madeiro, regressando a casa para tomar banho e preparar-me para o almoço que se seguia, em continuação deste belo dia de convívio.
Mais um ano que finda e mais um evento promovido por uma das lojas que alimentam a nossa modalidade, o ciclismo, seja qual for a vertente escolhida.
Este ano, depois da animada volta dos madeiros, parte da malta terminou à mesa, na companhia dos familiares, com um lauto almoço, onde não faltou o bacalhau, ou não estivéssemos nós a 4 dias do Natal.
Muito bem servido e confecionado, este almoço festivo calhou este ano a ser servido no restaurante "Califa", a quem dou os parabéns pelo farto almoço, entradas, bebidas e sobremesas à descrição e a um preço simpático.
Felicito também o Rui Pires da AmieiroBikes. por dar continuidade a este pequeno evento, que pretende juntar e socializar a rapaziada do pedal, nesta quadra natalícia, com este passeio denominado "Rota dos Madeiros".
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

sábado, 19 de dezembro de 2015

"Ciclocross por Tinalhas e Marateca"

Hoje, era suposto ir dar uma bela passeata com a minha "ézinha"  pelas serranias do pinhal interior, na companhia do Jorge Palma.
Mas, atendendo à previsão meteorológica para a zona e temendo alguma chuva e fortes neblinas, que nos privassem da beleza daquelas brutais paisagens serranas, resolvemos adiar para uma próxima oportunidade.
Assim, resolvemos substituir as asfálticas pelas mistas, as nossas "ciclocrossianas", a canic e a jamis, que até se suportam bem uma à outra, sem birras, nem espasmos de protagonismo.
O ponto de encontro foi na Rotunda da Racha, o do costume e pelas 08h40, fizemo-nos aos trilhos pela Tapada das Figueiras.
Descemos à ponte sobre o Rio Ocreza, na estrada de Caféde e fomos até à Quinta de Valverde, onde tomamos o rumo a Tinalhas, ziguezagueando por trilhos entre vales e cabeços.
Já em Tinalhas, paramos no "Café Bar Ginja , junto à igreja matriz  onde bebemos o abatanado e comemos a bolachinha.
Com uma manhã agora radiante de sol, apetecia mesmo da umas pedaladas descontraídas, para "desopilar" as maleitas adquiridas com o stress acumulado ao longo da semana.
Viramos o azimute á zona do Ninho do Açor e fomos pedalando por bonitos trilhos, alguns bem catitas, até às proximidades do Ninho do Açor, onde não entramos e seguimos, agora para a zona do Sobral do Campo.
Já com a aldeia no nosso campo visual, viramos à direita e tomamos a direção da Barragem da Marateca, onde tínhamos planeado alguma diversão pelo seu terreno arenoso, junto ás suas margens.
Chegamos à barragem e contornamos parte da mesma, em pura diversão e envoltos numa soberba panorâmica.
Bela manhã de ciclocross. Estávamos a adorar o passeio de hoje!
Chegamos ao pequeno paredão junto à estrada que segue para o Louriçal e fomos até à Lardosa, onde encontramos o Pinto Infante, que nos acompanhou numa pequena tertúlia no "Tá-se Bem".
Depois de um bom bocado na conversa, despedimo-nos e rumamos a Castelo Branco, com passagem por Alcains e Atacanha.
Como hoje estávamos ambos de rédea solta, resolvemos ir até ao "João dos Frangos" mandar um "pito" abaixo e mamar um par de imperiais, enquanto punhamos a conversa em dia e lavavamos alguma roupa suja..
Uma explêndida manhã de pedaladas, em modo ciclocross, que culminou com 76 kms, num bonito percurso circular cá pelo nosso condado.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC