Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2012

"Subida à Sra da Graça > Monte Farinha"

Organizado pelo amigo José Cavaca, decorreu ontem a subida ao Monte Farinha, vulgo Sra da Graça, em Mondim de Basto. 21 entusiastas deste salutar desporto aderiram de pronto a esta bonita aventura, tendo eu e o Silvério Correia ido de Castelo Branco. A concentração foi em Orjais, na residência do Sr. Fernando Prata, de onde partimos já depois das 07h. Distribuidos por várias viaturas e as bikes acomodadas numa viatura comercial, rumámos a Amarante, onde demos início a esta explêndida aventura. Os bombeiros locais acolheram-nos, facilitaram-nos o parqueamento das viaturas e disponibilizaram o balneário para que tomássemos banho com água quentinha no final. O meu obrigado aos Bombeiros de Amarante. A chegada a Amarante deu-se cerca das 10h30 e depois de preparadas as bikes e restante material, lá partimos em direção ao alto do mítico Monte Farinha. Sempre em alegre cavaqueira, lá fomos conquistando km após kms em direção a Fermil de Basto, localidade de viragem para Mondim

"Orca"

Quando pela manhã dei uma espreitadela pela janela da cozinha, não gostei! Parecia qua a chuva iria começar a cair a qualquer momento. Seguiu-se a indecisão do vais, não vais, mas, acabei msmo por ir. Ia mesmo convencido de que desta vez não escapava . . . ia mesmo apanhar uma "molha"!!! Eram 09h quando dei as primeiras pedaladas em direção à Orca, aldeia cuja designação atesta a importância do lugar desde os primeiros tempos de povoamento na Península Ibérica. De fato, Orca é designação para um Dólmen bastante peculiar. Um monumento megalítico formado por uma anta de câmara poligonal e um corredor envolvido por uma mamoa. Mas já chega de história!!! Agora a pedalar, passei pelos Escalos de Baixo e de Cima e desci a S. Gens, onde afrontei a primeira subida do dia, a S. Miguel D'Acha. Fugindo um pouco a velhos hábitos, não parei desta vez no Café da Dona Maria, mas sim na Pastelaria "Flor do Outeiro" ao cruzamento para Vale de Prazeres. Ía com

"Rota das Barragens"

Hoje, como préviamente planeado, fui vadiar com minha asfaltina pelas barragens da Pracana e do Fratel. Acompanharam-me neste bonito dia de pedaladas, os amigos José Luís e Vasco. Juntámo-nos pelas 08h e partimos à aventura, cruzando a cidade pelos suburbios e variante ao IP2. Passámos Sarnadas de Rodão, Alvaiade e Perdigão e parámos no Vale da Mua, para a matinal dose de cafeína. Se até aqui, o trânsito nos apoquentou um pouco, a partir daqui fomos quase sempre reis e senhores das bonitas estradas panorâmicas e observadores previlegiados de toda aquela panorâmica, em constante sobe e desce por vales e serras de imensa beleza. Depois do cafézinho no vale da Mua, virámos à esquerda e o Peral era logo ali. Continuámos a nossa pedalada de hoje passando o Monte Rodigo, Lameira do Martins e chegámos a S. Pedro do Esteval, onde avivei a memória de antigas pedaladas, nos caminhos de Fátima e subida à eólica do Castelo Velho, também conhecida pela viúva. Passámos pela Ladeira

"III Clássica da Primavera 2012"

11 Colinas. 11 Secções de Pavé. 144 kms de puro divertimento e sã camaradagem. Foi assim que comecei o primeiro dia deste fim de semana algo atípico, no que ao tempo diz respeito, com a minha participação na "III Clássica da Primavera pela Cova da Beira", delineada pelo amigo José Cavaca, para partilhar com os amigos e com quem quisesse aparecer. Saí de Castelo Branco cerca das 07h15 e rumei ao ponto de encontro. O Bar Periferia, junto ao Refúgio. O José Luís, ainda a "ressacar" do dia passado na Sra de Mércules, também apareceu, mas, acabou por abandonar em Peraboa. O grupo inicialmente composto por 11 elementos, aos quais se juntaram mais 3 nas proximidades do Fundão e outro nos 3 Povos, perfazendo um bonito pelotão de 15 elementos, preencheram algumas das panorâmicas estradas do concelho, com a sua alegria de pedalar e bem conviver espalhando um bonito colorido, neste sui generis pelotão de amigos. A partida, foi pouco depois das 08h30 e descemos ao Fund

"Calvos, Vilares e Palvarinho"

Na companhia do Carlos Sales, fomos hoje efetuar uma voltinha mais curta, pois havia que estar em casa mais cedo. Saímos já perto das 08h30 e fomos em direção às Benquerenças, com passagem pela Piscina-Praia, Talagueira e Baixo da Maria, descendo seguidamente à Ribeira da Canabichosa para subir uma rampinha que acabou de vez com o frio matinal. A passagem pelas Benquerenças foi fugaz e virámos o azimute à Azinheira, entretendo-nos nalguns dos imensos carreirinhos que por ali abundam, para, após passar o VG do Canto Redondo, descermos à Foz da Líria. Passámos esta Ribeira e o Rio Ocreza e subimos aos Calvos, continuando agora em direção à Nave. Virámos à direita nesta aldeia e por diversos estradões, chegámos aos Vilares de Baixo e logo depois Vilares de Cima, onde parámos no Café junto à estrada, para a matinal dose de cafeína. Por ali nos entretivemos um pouco na conversa com a proprietária do café, até que voltámos a carregar os camelbags, que já era hora de regressar. Cruzámos

"Maratona SelindaBtt"

Neste Domingo, fui até à Sertã na companhia do Carlos Sales, para participarmos na Maratona da SelindaBtt. Uma zona que conheço e onde já passei bons momentos de convívio e pedaladas. Este ano, este grupo de amigos abraçou o formato maratona de um só dia, abandonando o anterior XL, a que estávamos habituados, a dois explêndidos dias de convívio. Mas a experiência e a capacidade de bem servir e organizar mantêm-se e a prova, foi este belo dia passado pelos trilhos da Sertã e que culminou com o já habitual super almoço no Restaurante Ponte Velha. Eu e o Carlos saímos de Castelo Branco pouco depois das 07h e rumámos à Carvalha, na Sertã, onde o meu irmão Luís já nos esperava, para em conjunto participarmos na maratona. Fomos tomar o cafézinho da praxe e pôr a conversa em dia. Entretanto o Carlos Farinha juntou-se a nós e foi este quarteto que pedalou e conviveu durante os 65 kms do evento. Sempre animados e na cauda do pelotão, fomos convivendo, registando paisagens com as nossas dig

"Cascata da Fraga da Água D'Alta"

Hoje, saí de casa pelas 08h45 e rumei ao Orvalho, com intenção de efetuar uma visita à Cascata da Fraga da Água D'Alta. O ano passado fiz por ali uma "brincadeira" em Btt com um grupo de rapaziada e hoje, fui com a minha asfaltina em solitário. A manhã apresentava-se radiante e com bastante sol, apenas manchada pelo forte vento que se fez sentir e que me fez sofrer durante dois terços da jornada. Passei pelo Salgueiro do Campo e na Reta do Esteval mais uma vez olhei para aquele enorme empreendimento em olival a perder de vista e que certamente irá ser uma mais valia para a região. Depois foi subir até à Foz do Giraldo, com passagem pela Lameirinha. O vento frontal, aliado ao recente corte da mata de eucaliptos, tornou a subida um pouco mais penosa. No alto da Foz do Giraldo recordei alguns bons momentos do café junto à paragem, quando até ali pedalávamos e confraternizávamos com a sua proprietária, cujo nome agora não recordo e que era uma excelente contadora de histó