Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2012

"Idanha-a-Nova"

Depois de uns diazitos de férias, já tinha vontade de dar umas pedaladas com a minha asfáltica. Na companhia do António Leandro e do Jorge Palma, fomos hoje dar uma volta, num percurso circular com passagem em Idanha-a-Nova, onde pretendía-mos tomar o cafézinho matinal. Saímos da cidade pelas 07h e rumámos a Olêdo, com passagem por Escalos de Baixo, Escalos de Cima e S. Gens. A manhã estava bem fresca e com uma neblina que se manteve até à passagem por Idanha. Como ainda era cedo, o bar do supermercado ainda estava fechado. Descemos então à Sra da Graça e parámos no café, onde tomámos a habitual dose cafeínica. Já um pouco mais compostos com o cafézinho tomado, rumámos à Rotunda junto ao Rio Aravil, onde voltámos à esquerda em direção ao Ladoeiro. Entrámos na variante, evitando a passagem pelos trepidantes paralelos e seguimos até Monforte da Beira, onde efetuámos nova paragem, no café do Joaquim Padeiro e ali tomámos uma bebida fresca e atestámos os bidons. Rumámos de

"IV Passeio de Btt de Olêdo"

Mais um belo passeio de Btt  na nossa região. Idealizado e criado por betêtistas, para betêtistas. Bonitos trilhos com alguns single tracks e passagens singulares, preencheram a edição deste ano, onde a "mão de obra" estava bem presente na limpeza de alguns trilhos. Trabalho de uns, para divertimento de outros. Quero com isto dizer, que esta rapaziada ao assumir o compromisso de organizar este passeio, fê-lo com sentido de responsabilidade, com saber e com mestria. Simples e acessível à maioria dos participantes. Levantei-me cedo, preparei a bike, meti-a na mala do carro e rumei a Olêdo. Eram 07h15. Sabia que o pequeno almoço ali por aquelas bandas era apetecível. Eu diria mesmo que foi mais um banquete, que um pequeno almoço. Já almoçei muito menos e com menos qualidade, em eventos onde o preço por participação era bem mais elevado. Chegado a Olêdo, fui cumprimentando alguns amigos e por ali me entretive na conversa. Preparei a bike e quando me dirigia para o lo

"Mata da Rainha"

Em virtude das altas temperaturas que se têm feito sentir, eu e o Jorge Palma, resolvemos sair hoje a dar umas pedaladas pelas 07h. Juntou-se-nos o António Leandro, que nos acompanhou até ao cruzamento para a Orca, pois tinha compromissos e teria que estar mais cedo na cidade. Partimos em direção aos Escalos de Baixo, passámos por Escalos de Cima e S. Gens, onde afrontámos a primeira dificuldade do dia, na subida a S. Miguel d'Acha, onde acabámos por efetuar a primeira paragem, no Café da D. Maria, para abastecermos de cafeína. Alguns momentos de conversa e retomámos as nossas pedaladas, agora em direção à Mata da Rainha. O Leandro despediu-se ao cruzamento seguinte, rumando à Orca, e nós continuámos conforme previsto, passando ainda pela Aldeia de Santa Margarida. Voltámos a parar na Mata da Rainha, para nos refrescarmos com uma bebida fresca, no café local. O calor já abrasava, aconselhando-nos a andamentos moderados, sem esquecer a hidratação, pois o "homem da

Transpirenaica - "Etxalar - Hondarríbia"

Dia 14 - "Etxalar - Hondarríbia" 56 Kms Chegara finalmente o último dia desta grande aventura pirenaica. Esta última etapa, a mais curta de todas, contemplava ainda assim, umas duras subidas até atingir Hondarríbia. Pela manhã, o pessoal, como sempre, apresentou-se alegre e bem disposto na sala de "desayuno", para o último pequeno almoço em terras de "nuestros hermanos". Fomos buscar as bikes à arrecadação onde tinham ficado e pela última vez, lubrificámos correntes, montámos alforges e demos um último olhar preventivo. Saímos do Hotel e rumámos à povoação de Etxalar, onde demos início a uma muito dura subida ao Collado de Lizarreta, valendo-nos o espetacular entorno, com belas e únicas paisagens. Parámos na Venta Yasola, no limite da fronteira espanhola e hidratámo-nos com um par de "aquarius" bem fresquinhas enquanto descansávamos um pouco. Seguiu-se um bonito trilho sempre em subida até às proximidades do "Cumbre de Subizia

"Passeio até à Raia"

Acompanhado pelo António Leandro, fomos hoje dar um passeio com as nossas asfálticas até à zona da Raia. Saímos da cidade pelas 07h30, para fugir um pouco ao calor previsto para hoje e fomos tomar o cafézinho matinal ao Ladoeiro, com passagem por Escalos de Baixo. Tarefa cumprida e era hora de continuar. Fomos até à Rotunda nas proximidades da Velha Ponte Medieval sobre o Rio Aravil e rumámos à Sra da Graça, no sopé do cabeço onde lá no alto, se situa Idanha-a-Nova. Desta vez não subimos a Idanha e rumámos de novo ao Ladoeiro, continuando até Monforte da Beira, onde efetuámos nova paragem no Café do Joaquim Padeiro para beber algo fresco, que o calor já fazia mossa. Um pouco mais hidratados, virámos entáo o azimute à cidade, para enfrentar práticamente a única dificuldade montanhosa do dia . . . a Subida dos Enfestos e a da Sapateira, debaixo duma temperatura já muito acima dos 30 graus. Já na cidade, onde chegámos cedo, após 94 kms a pedalar, parámos no Café Golfinho e por

"Ratinhos e Vale de Pousadas"

Hoje fui ter com a rapaziada às "Docas" para uma voltinha de Btt. Compareceram também o Fidalgo, o Nuno Eusébio, o Álvaro, o Pedro Antunes e o Dário. Como e expetativa neste domingo era para os lados do Tostão e Serrasqueira,  fomos abastecer de cafeína a Vale de Pousadas. Saímos já pelas 08h15 e fomos até à Serra das Olelas, com passagemn pelo Monte do Rei e Vales da Dona e das Quedas. Cruzámos os subúrbios do Retxo e pelo Vale do Gamão fomos até á Barragem das Sarnadas, onde tomámos o rumo ao Monte dos Ratinhos. Chegámos a Vale Pousadas acompanhando a Ribeira dos Tamujais e parámos no Café, no largo principal da aldeia, para o cafézinho da praxe. Já recuperados, continuámos o nosso passeio de hoje, saindo da aldeia pela Vidigueira, em direção a Alfrívida, com passagem pela Vinha do Torão. Fizemos um pouco de asfalto e entrámos no trilho para o Monte da Macarra e, um pouco antes do arraial, subimos por um engraçado trilho, seguindo uma curva de nível até ao Ch

"Fundão"

Como é habitual, sábado é dia de pedaladas asfálticas. Assim, na companhia do amigo Paulo Jalles, fomos hoje tomar a matinal dose de cafeína à cidade do Fundão. Saímos da cidade pelas 08h e com passagem pela zona Industrial de Alcains e Alpedrinha, chegámos ao Fundão e parámos na Pastelaria Arte e Tradição, onde bebi a malguinha cafeínica e o Paulo, a sua habitual água das pedras. Dois dedos de conversa e seguimos o nosso passeio de hoje, rumando ao Vale d'Urso, com passagem por Souto da Casa e Vale Mendinho. Aqui, atestámos os bidons de água na fonte local, a debitar bastante nesta altura do ano e continuámos a nossa ascensão ao alto da Paradanta, com uma bela panorâmica sobre a Serra do Açor. Estávamos a contornar a Serra da Gardunha e, no cruzamento para o Casal da Fraga, virámos à direita para Almaceda, com passagem pelas aldeias de Pereiros e Partida. A partir daqui o vento aumentou substancialmente, causando-nos bastante dificuldade na progressão. Em Almaceda p

"Sobrainho da Ribeira"

Hoje, na companhia do Jorge Palma, fomos efetuar um passeio com as nossas asfálticas. Saímos da cidade pelas 08h00 e rumámos a Vila Velha de Rodão, com passagem por Sarnadas e Coxerro. Parámos na Bolaria Rodense, na zona industrial onde tomámos calmamente o cafézinho matinal. Subimos ao Gavião de Rodão e Tavila e descemos ao Rio Ocreza, com passagem por Alvaiade e Sarnadinha. Aqui parámos para absorver um pouco daquela bonita panorâmica e após um par de fotos, subimos em direção aos Bugios. Não entrámos na povoação e virámos à esquerda para o Gaviãozinho, continuando para a Fonte Longa, Sopegal e Cabeça Gorda, onde entrámos na N.233 até à Ponte Medieval sobre a Ribeira do Alvito. Acompanhámos a Ribeira até à Cerejeira, dando uma mirada na Praia Fluvial da Couca. Não descemos à praia, por o piso não estar alcatroado e nós estarmos de asfálticas. Continuámos em ascensão até ao Sobrainho da Ribeira, onde entrámos na estradinha que faz ligação a Sarzedas, onde efetuámos no

Transpirenaica - "Roncesvalles - Etxalar"

Dia 13 - "Ronvescalles - Etxalar" - 75 kms. Um bom "desayuno" no "comedor" da Posada, foi o início para mais uma dura etapa da travessia pirenaica, a penúltima, para atingir os longos areais de Hondaríbia e o "Tren Sud Express", em Irun, que nos traria de retorno a casa. Começámos logo com a suave ascensão ao Puerto Ibañeta, que tão gratas recordações me trouxe da minha aventura de asfáltica de Castelo Branco a Lourdes (França) em 2002, recordando a lindíssma e adrenalínica descida do puerto a Arnéguy, a pequena povoação fronteiriça com ligação a S. Jean Pied Port, onde terminei essa já longínqua etapa. Chegados ao alto de Ibañeta, o primeiro de referência para os peregrinos de Santiago, virámos à esquerda, sempre em ascensão, pedalando numa das mais importantes zonas de passagem de aves migratórias entre a Península Ibérica e o Norte da Europa. Tinhamos já entrado em território Francês. Seguiu-se uma longa e suave descida entre bonito

"Trilhos Beirões"

A convite do amigo Abílio Fidalgo, desloquei-me ontem até à Aldeia de Pomares, no Distrito da Guarda, para mais um convívio de btt. Acompanharam-me o Nuno Eusébio e o Pinto Infante. Saí de Castelo Branco pelas 06h30, com o Nuno Eusébio e passei pela Lardosa a buscar o Pinto Infante. Chegámos a Pomares ainda antes das 08h e reunímo-nos ao pessoal que já por ali se encontrava de volta da mesa com algumas iguarias, para que a rapaziada não se fosse abaixo nas "canetas". A partida foi dada pelas 08h30 com os 13 amigos que se juntaram para este dia de convívio. À saída de Pomares, entrámos logos numa excelente seção de trilhos, que se iriam extender por toda a manhã. A primeira povoação que cruzámos foi Penhaforte e trilhos entre quelhas, bonitos single tracks e algumas seções um pouco mais fechadas, derivado ao avanço do mato, foram uma constante. Passámos ao lado do Salgueiral e lá mais à frente chegámos a Cheiras, onde o pessoal já andava com o nariz no ar a ver se

Transpirenaica - "Ansó - Roncesvalles"

Dia 12 - Ansó - Roncesvalles" - 105 kms Tinha gerado alguma espetativa relativamente a esta etapa, pois iria cruzar a famosa Selva de Irati, um paraiso da natureza, localizado nos Vales de Aezkoa e Salazar. Saímos de Ansó para esta longa etapa, percorrendo inicialmente o vale com o mesmo nome e ladeando o Rio Veral. À saída do Vale de Ansó, vislumbrava-se já as aprazíveis pradarias do vale de Zuriza e Bosque de Archibri, enquanto íamos ascendendo ao Puerto de los Navarros. Pedalávamos já pelo Vale de Zuriza e Barranco de Belabarce. Foi um desfrutar de magníficas paisagens até chegarmos a Isaba, através de um dificil "sendero", muito pouco ciclável. Tinhamos ultrapassado já a placa indicativa de que estávamos em território Navarro. Em Isaba entrámos num mini-mercado, onde nos abastecemos e fomos comer para um bonito jardim no centro da localidade. Após este frugal almoço, retomámos as nossas pedaladas, adentrando-nos na parte superior do Vale do Roncal, lad