Avançar para o conteúdo principal

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos.
Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos.
Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem.
Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim
Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais.
Voltamos à estrada e subimos à Portela do Fojo e fomos brindados com paisagens soberbas banhadas pela Albufeira do Cabril salpicadas de aldeias típicas como Alvares e Trinhão.
Depois de cruzarmos a Ribeira da Mega, junto à sua bonita Praia Fluvial, tivemos que abandonar aquelas idílicas paisagens e virar á direita em direção a Castanheira, por uma estradinha estreita e bastante curvilínea.
Passamos Castanheira de Pêra e encetamos a subida ao cume da Serra da Lousã, por outra estada, onde as curvinhas também não nos deram descanso e descemos à Aldeia de Xisto de Talasnal, onde reina a natureza.
Descobrir esta aldeia, representa mergulhar no mundo mágico da Serra da lousã.
No largo, logo à entrada, a fonte e o tanque emitem a melodia que acompanha a nossa visita.
As casas decoram-se com os ramos das videiras.
A ruela principal acompanha o declive da encosta num percurso ingreme.
Dela derivam quelhas e becos, que criam um ambiente de descoberta que todos gostam de explorar à espera da surpresa de um novo recanto.
Não nos demoramos tempo suficiente para descobrir os mais escondidos recantos daquela mágica aldeia e contentámo-nos  com uma visita à castiça tasquinha do Curral, a ruela principal e eu e o Paulo ainda fomos espreitar o pequeno e típico restaurante da Ti Lena.
Com almoço marcado para as 13h00 noutro típico restaurante da serra, o " Sabores D'Aldeia" na bonita Aldeia de Xisto do Candal abandonamos aquele mágico local.
Seguiu-se o belo almoço em jeito de tertúlia, pois foi bem saboreado, regado e acompanhado com tudo o que tínhamos direito, como se ousa dizer e opinião geral, estava divinal.
A visita à aldeia pós almoço já não foi feita, pois a rapaziada deixou-se envolver pela preguiça, ou de subir aquelas íngremes ruelas, ou mesmo voltar a despir a artilharia motard.
Fosse o que fosse, ficou a impressão de que esta rapaziada é mais virada à almoçarada que ao turismo apeado.
Mas ficou o registo para que possam voltar e mais calmamente desfrutarem da magia da Serra da Lousã.
Descemos seguidamente à Lousã e seguimos para Miranda do Corvo que ladeamos rumo ao Rabaçal e Ansião, onde entramos no IC3 e IC8 rumos a Castelo Branco, com um desvio e uma derradeira paragem na Pedra do Altar para uma bebidinha relaxante.
Já na cidade, fomos até ao Restaurante do Paulo para a "abaladiça" e um até á próxima.
Foi um passeio já a saudar a primavera recém nascida neste ano de 2019, ou talvez mais um, na sempre agradável companhia de amigos.
Fiquem bem.
Vêmo-nos na estrada, ou fora dela.
Beijos abraços e apertos de mão.
Inté.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas" Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando. Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura. O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas. Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela &quo

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura." (Miguel Torga) Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro. A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais. Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal. A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas. Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quinta