Avançar para o conteúdo principal

"Paseio de moto pela Serra do Açor"

"A natureza é sempre bela, mesmo escondendo abismos"  (Juahrez Alves)

Chuva e vento dias seguidos e até semanas, criam algum stress a quem não é muito fã de ficar agarrado ao sofá, ou passar as manhãs no tépido vale dos lençóis.
Com o sol radioso previsto para hoje, não poderia ficar em casa de forma alguma.
Peguei na minha NC e fui em busca de estradinhas panorâmicas, paisagens com encanto, lugarejos meio perdidos, revigorar a alma e descarregar o stress com um pouco de adrenalina.
Escolhi a bonita e magnânima Serra do Açor para o meu passeio de mota de hoje e pelas 09h00 já estava a sair da garagem. Fiz a N18 até ao Fundão e pela N.238, fui até à Barroca do Zêzere, onde me encostei ao Rio Zêzere até Dornelas do Zêzere, desfrutando de bonitas paisagens.
Subi à Portela de Unhais e virei à esquerda em direção ao Casal da Lapa desfrutando da soberba panorâmica sobre a Barragem de Santa Luzia.
Desci ao paredão para ver a barragem num outro angulo e depois ao miradouro para uma paisagem mais vasta sobre aquela belíssima albufeira. Nesta altura e quase na sua cota máxima é de uma beleza impressionante.
De alma cheia, segui para o Fajão, uma aldeia de contos, que convive com as escarpas quartzíticas dos Penedos de Fajão e com o Rio Ceira.
Os últimos fogos que assolaram a região roubaram grande parte da beleza daqueles profundos vales e recortadas montanhas. Ainda assim, vale bem uma visita.
Arganil foi a minha próxima meta, rolando por bonitas estradinhas panorâmicas acompanhadas por cristalinos cursos de água, passando por Cartamil, Relvas, Teixeira, Torrozelas e Folques.
Não parei em Arganil e fui até Góis pela N.342, com passagem por Casal de São José, Bordeiro e Regateira.
Uma pequena paragem junto à Praia Fluvial da Peneda para relaxar um pouco e apreciar a paisagem envolvente ao Rio Ceira que cruza aquela vila com as suas águas límpidas.
Já na N.2, subi ao Alto do Alvém, já com a barriguinha a dar horas e a pensar no recatado e castiço restaurante no Esporão, uma pequena aldeola que ladeia a N2 e onde se come à antiga . . .bem e barato.
Já com a barriguinha cheia, voltei à N2 e segui para um trecho recheado de boas estradinhas panorâmicas, solitárias e de rara beleza que ladeia a Ribeira do Sinhel.
Passada a povoação de Cantoneiros, ainda na N.2, virei à direita e desci a Serra do Sinhel, ladeando a ribeira com o mesmo nome e cruzando as pequenas aldeolas de Casal Novo, Roda Fundeira, relva da Mó, Amiosinho e Álvares, uma bonita vila cruzada pela ribeira do Sinhel. Um local de beleza impar e paisagens únicas.
Saí da vila cruzando a lindíssima ponte filipina sobre a ribeira e subi de novo à N.2, para logo à frente virar á esquerda para a N.344, que me levou até Pampilhosa da Serra com passagem pela Portela do Fôjo.
Já estava satisfeito com o passeio de hoje. Revisitei belos locais onde já há muito tempo não passava e desfrutei da condução da minha NC por estradas curvilíneas e desafiantes.
Depois da Pampilhosa da Serra, segui sempre pelas N.112 até Castelo Branco, de alma cheia e mente limpa. São estes momentos que recarregam e fazem viver com mais intensidade, lembrando James Dean, com uma das suas célebres frases . . ."Sonhe como se fosse viver para sempre, viva como se fosse morrer amanhã.

Fiquem Bem.
Beijos, Abraços e Apertos de Mão
Inté.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pela Beira Alta e Beira Litoral.

"Aqueles que não fazem nada estão sempre dispostos a criticar os que fazem algo" (Oscar Wilde)
Na companhia dos amigos Francisco Mendes e Dª. Zarita, José Paulo e Carla Paulo e Nuno Silva, fomos dar um belo passeio de mota pela Beira Alta e Beira Litoral. Com o ponto de encontro no parque de estacionamento do Hipermercado Continente, lá nos juntamos pelas 06h00 para mais uma aventura mototuristica. Partimos em direção a Valhelhas, onde viramos á direita e serpenteando o bonito Vale da Estrela, fomos até à barragem do Caldeirão, onde paramos para apreciar aquela imponente bacia hidrográfica.
Fomos depois entrar na velhinha N.16 por onde rolamos até Aveiro. É uma estrada pouco movimentada mas com um razoável interesse turístico, onde destaco a passagem que contorna a Serra do Alvendre pelo Vale do Rio Mondego e a passagem entre Paçô e Sernada do Vouga, ladeando o bonito Rio Vouga. Passamos por muitas aldeias, vilas e algumas cidades, onde destaco Celorico da Beira, Mangualde, …