Avançar para o conteúdo principal

"Camões, Martim Branco e Barbaído.

Hoje, apesar do céu bastante nublado e a ameaçar umas pingas, fui mais o Carlos Sales dar umas pedaladas.
Num lamento, o Carlos lá disse que nunca tinha ido à bonita Aldeia de Xisto de Martim Branco.
Claro! Já nem dormia descansado se o não levasse lá!!! eh eh eh!!!
Combinámos juntar-nos pelas 08h30 na Pastelaria "A Ministra" e foi por essa hora que nos encontrámos.
Após o cafézinho da manhã lá rumámos aos trilhos.
Passámos a Piscina Praia, contornámos a barragem da Talagueira e tomámos o rumo do Monte da Barreira, com passagem na Abeceira e Casas do Formigo.
Mais à frente virámos para a Casa do Rouxinol. Ía com ideia de nos divertirmos pela trialeira utilizada pela malta do TT, mas vi logo que hoje estava impossível. A malta tinha lá andado no dia anterior, ou no fim de semana passado e estava tudo revoltado. Descemos pelo trilho normal.
Passada a Ponte de Ferro, junto à Azenha do Santo, subimos ao Palvarinho onde efetuámos a primeira paragem para beber uma coca e comer algo. (hoje não houve bjecas para ninguém . . . aderi temporáriamente à greve da restauração pela redução dos 23% do IVA. eh eh eh!!! )
Depois dum bom momento de conversa, cujo tema foi a caça e o associativismo, voltámos aos trilhos, agora em direção ao Rio Tripeiro e Praia Fluvial do Muro (já foi!!).
Um local sempre aprazível e mais ainda, nesta altura do ano.
Lá molhámos o pézinho na larga travessia do caudal e subimos à Serrasqueira, que ladeámos em direção aos olivais da Bedaneira.
 
Abdicámos do recém alcatroado estradão para a Aldeia de Camões e fomos por trilhos até às Alagoas, onde descemos à néo ponte para subir à aldeia.
Já na cumeada, entrámos num antigo trilho, bastante enlameado, que nos levou até às proximidades do Vale de Ferradas, mas, logo após a travessia da Ribeira do Goulo, voltámos à direita e fomos até ao cruzamento da N.112, com a Estrada de Santa Clara, que vem da Azenha de Cima até ao Padrão.
Cruzámos a N.112 e por estradões, fomos até ao Martim Branco, onde nos entretivemos numa visita mais pormenorizada. Foi catita!!! Btt cultural.
Visita feita e estava na hora do regresso.
Divertimo-nos um pouco numa scção de singles de um dos PR'S locais e descemos à Várzea do Porto do Conde, onde de novo cruzámos o Rio Tripeiro, mas desta vez, pelo pontão.
Passámos pela Várzea Fundeira e seguimos pelo estradão que segue para o Barbaído, aldeia conhecida como o "centro do mundo". Parámos na castiça tasquinha local, não para os braquinhos traçados da última vez, mas sim  para uma nova coca e algo mais sólido. (aqui, ainda estava em greve dos 23% do IVA na restauração)
Saímos da aldeia por uma bonita quelha e entrámos no asfalto para contornarmos a Serra de S. Brás.
Já na reta final, antes do cruzamento com a N.112, entrámos de novo nos trilhos.
Passámos a Ribeira do Vale Santo e contornando a Serra do Lobo, chegámos ao Vale da Zebreira Grande, que antecede a subida ao Juncal do Campo.
Passada a aldeia, cruzámos a M.550 para a Fonte do Ferro seguindo depois pelo Escorregadoiro, Lameiro do Velho e Quinta de Valverde até entrarmos na M.551, que seguimos até virarmos para a Tapada das Figueiras.
Dali à cidade, foi um instantinho.
71 kms, uma manhã divertida e a animada companhia do Carlos Sales, preencheram esta cinzenta, mas muito gozada manhã de pedaladas.

Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…