Avançar para o conteúdo principal

"Passeio de mota pelo Parque Natural de las Hurdes"

"Quatro rodas movem o corpo, duas rodas movem a alma"
(desconhecido)
Hoje apeteceu-me ir dar uma voltinha de mota, escolhendo como itinerário o belo Parque Natural de las Hurdes.
A sua paisagem é um labirinto de montanhas, florestas rios e quedas de água, que não deixa ninguém indiferente: umas vezes selvagem e áspero, outras vezes exuberante e colorido.
Abandonei a cidade por volta das 10h30 em direção a Penamacor, onde virei o azimute a Valverde del Fresno, a minha entrada em Espanha.
Continuei por Hoyos, Villasbuenas de Gata, Torrecilla de los Angeles e Pinofranqueado, já em pleno parque natural, onde virei à esquerda para subir o fantástico Puerto de Esperaban, que segue o Vale de Las Erias e que, a partir do pequeno "poblado" de Castillo, inclina em direção ao céu, com uma sequência de curvas e contracurvas, algumas bem fechadas, que nos levam ao cume, onde termina o asfalto e começa  comarca de Castilla y Leon.
As paisagens lá no alto são incríveis e, por ali me detive um pouco a apreciar aquela agreste paisagem, aproveitando para mastigar algo, pois apetecia ficar ali, no meio de nenhures, envolto em tanta beleza.
Passado algum tempo desci de novo a Pinofranqueado e segui para Caminomorisco, onde virei à direita para me embrenhar em estradinhas de encantar e pequenas aldeias, como Casar de Palomero e Ribera de Oveja, com as suas bonitas Praias Fluviais.
Quase sempre á vista de um dos braços do "Embalse de Grabriel y Galan, cheguei a La Pesga, onde entrei na CCV-64, que durante alguns kms, até Mohedas de Granadilla, me ofereceram paisagens deslumbrantes sobre toda a plenitude daquele famoso "embalse", com os seus ilhéus e ilhotas, a perder de vista.
A partir daqui, tomei o rumo a Azabal, Pedro Muñoz e algum estradão até El Bronco, onde entrei na EX-205 para Villanueva de la Sierra.
O dia estava a ser maravilhoso, desfrutando dum belo dia primaveril, da sensação e prazer de conduzir a minha Honda NC e apreciar belas panorâmicas, algumas mesmo idílicas, entre serras, vales e "dehezas" do bonito Parque Natural de Las Hurdes.
Estava na hora de regressar, pelo que, me propus ainda fazer uma passagem pelo "Embalse de Borbollon, cruzando Pozuelo de Zarzón e Guijo de Cória e parando no paredão da barragem para apreciar toda aquela beleza aquífera.
Desci a Moraleja, com passagem por La Moheda e segui para as Termas de Monfortinho, já em Portugal, rumando a casa por Zebreira e Ladoeiro.
Foi um dia bem passado, em plena comunhão com a natureza, como eu gosto, desfrutando de um dos meus singelos hobbys: andar de mota por locais remotos e inóspitos, fugindo ao cimento, ao palreio da treta e barulheira citadina, refrescando a "cuca" e rejuvenescendo a alma, deste mundo cada vez mais sem conteúdo.

Fiquem bem.
Vemo-nos na estrada, ou fora dela.
Beijos, Abraços e apertos de mão.

Inté
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…