Avançar para o conteúdo principal

"Volta vadia pelo Parque Natural das Arribas do Douro"

"O homem é infeliz porque não conhece a natureza."
(Demócrito)
Com a sempre agradável e disponível companhia do meu irmão Luís, planeei uma das minhas voltas vadias pelo lindíssimo parque Natural das Arribas do Douro.
É um parque natural privilegiado, onde destaco a beleza agreste da paisagem granítica e uma rica e variada fauna e flora.
É conhecido por "Arribas" aquela erosão originada pelos rios Douro, Huesla, Hebra, Tormes e Uces.
Um local fantástico de paisagens estonteantes e miradouros com panorâmicas de cortar a respiração.
Abandonamos Castelo Branco pelas 06h00 rumo a Lumbrales, onde demos início a esta nossa pequena aventura velocipédica.
Depois de preparadas as bicicletas e restante material, abandonamos aquela  localidade salamantina.
Rumamos ao espetacular Puerto de la Molinera e fizemos a nossa primeira paragem no fantástico "Mirador del Cachón de Camaces" de onde se pode ver uma magnífica panorâmica do imponente salto de água do Rio Camaces que desemboca mais à frente no Rio Huebra.
Depois de desfrutarmos daquele idílico local de paisagens inóspitas, descemos mais um pouco até à ponte sobre o Rio Huebra, para darmos à subida do "puerto", uns bons kms de ascensão suave e de paisagens arrebatadoras.
Chegados ao cruzamento de Saucelle, viramos à esquerda para un dos pontos altos do dia, a descida ao paredão da Barragem do Salto de Saucelle.
Simplesmente brutal. As paragens eram constantes para apreciar aquela idílica panorâmica sobre o Rio Douro e a zona das "Arribes". Senti-me feliz por não ter ficado em casa. São momentos destes que nos tornam felizes e limpam a alma das agruras da vida e do stress do quotidiano.
Não há desculpa que me faça ficar em casa e perder estes momentos de comunhão com a natureza.
A paragem no "Mirador del Picón del Moro" era inevitável, pois não poderia perder a beleza da brutal panorâmica sobre o "Salto", a norte pela represa da barragem e a sul sobre o rio a perder de vista, quase até Barca d'Alva.
Acabamos a adrenalínica descida no paredão da barragem e enfrentamos um "ossinho duro de roer, com a subida á N.221, que sempre  ligeira ascensão nos levou ao cruzamento para Ligares, nas proximidades de Figueira de Castelo Rodrigo.
Numa viragem à esquerda, entramos numa estrada de bela panorâmica, contornamos o Penedo Durão e entramos seguidamente, o ponto alto do dia, a estrada do Candedo, que cruza a serra com o mesmo nome. Estreita, linda, brutal, adrenalínica.
Uma estradinha de montanha com paisagens de encher o olho, a rasgar montanha. Simplesmente fenomenal.
De novo na N.221, onde termina a estrada do Candedo, a rasgar o Parque Natural das Arribas do Douro, onde destaco a passagem pela zona da calçada de Sant'Ana e de Alpajares, seguimos o curso do Rio Douro até chegarmos de novo ao Salto de Saucelle, cruzando o paredão da barragem para nos entranharmos numa outra estradinha de montanha, que sempre em subida entre os 6 e 8%, nos levou até ao Puerto da Peña de la Vela, já á entrada de Hinojosa de Duero, com paragem obrigatória no panorâmico "Mirador del Contrabando".
Em Hinojosa de Duero, paramos para comer algo e seguimos para Sobradillo, outro bonito "pueblo salamantino" onde fizemos um bonito troço de "Sterratto" ou Strade Bianca", se fosse algum granfondo, uma italianice da moda, ou algum skyroad, outra inglesice esquisita. Nós por cá, em Portugal, chamamos-lhe estradão ou terra batida.
E foi pura diversão os cerca de 3,5 kms de estradão que fizeram a ligação a La Redonda, a ultima povoação que cruzámos antes de chegar novamente a Lumbrales.
Uma aventura que adorei. mais ainda pela presença do meu irmão caçula, que comigo partilha este gosto lúdico de andar de bicicleta, sempre em busca de novos recantos e aventuras cicloturisticas.
Depois de arrumadas as bicicletas, fomos beber uma "caña" e comer um "pincho", regressando a casa com o corpinho um pouco sofrido mas com a  alma cheia de bons momentos, paisagens de encantar e estradinhas, onde pedalar nos faz sentir diferentes e felizes, por podermos desfrutar destes soberbos locais, praticando o desporto que gostamos.

Fiquem bem.
Vêmo-nos na estrada, ou fora dela.
Beijos, abraços e apertos de mão.

Inté
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…