Avançar para o conteúdo principal

PPS PR1 e PR2 - Caminho de Xisto do Fajão e Ponte de Cartamil,"

"Eu escolho viver, não apenas existir." (James Hetfield)
Em dia de mais uma das minhas caminhadas, sempre na companhia da minha cara metade e excelente companheira nestas minhas passeatas pela natureza, fomos até à bonita Aldeia de Xisto de Fajão.
Fajão, é uma aldeia de contos, que convive com as escarpas quartzíticas dos Penedos de Fajão, encaixada numa pitoresca concha da serra, alcandorada sobre  o Rio Ceira, perto da sua nascente, cuja configuração faz lembrar antigos castelo naturais.
Chegamos à aldeia pouco depois das 08h30, sob intenso nevoeiro, que nos criou alguma apreensão sobre se daríamos, ou não, inicio à caminhada.
Mas a impressão era de que a neblina estava a levantar e o sol começaria a iluminar o bonito Vale sobre o Rio Ceira, rodeado pelos impressionantes Penedos de Fajão e pela Bela Serra do Açor.
A beleza que ainda não à muito tempo caracterizava aquela zona, era agora um pouco mais cinzenta, depois da devastação causada pelos fogos de Outubro passado.
Ainda assim, vale a pena palmilhar aqueles trilhos, que circundam o Rio Ceira e enfrentar a dura transposição dos Penedos de Fajão.
Concordamos iniciar a caminhada e depois da passagem por algumas das castiças ruelas da aldeia, seguimos até à Capela de São Salvador e da Sra da Guia, descendo depois à pequena aldeia de Ponte de Fajão, situada no fundo do vale, rodeada de montanhas, fazendo lembrar uma aldeia suiça perdida nos Alpes.
Depois de cruzar a ponte sobre o Rio Ceira, junto à Praia Fluvial, subimos à aldeia, que cruzamos por algumas das suas estreitas e calcetadas ruelas até junto à Torre da Capela.
Descemos depois aos terrenos agrícolas de encontro à margem do rio, que ladeamos por um trilho estreito, muito bonito e com passagem por alguns moinhos e azenhas, até à Ponte de Cartamil, com os seus bonitos arcos e com os Penedos de Fajão como pano de fundo.
Aqui voltamos a cruzar o rio, para a sua margem esquerda e apreciamos os interessantes bonecos junto a uma casa junto à ponte, que nos divertiu um pouco.
A parte mais fácil já estava ultrapassada com a passagem pelo bonito trilho que ladeia o Rio Ceira e o seu bonito Vale.
Agora era transpor os penedos, rumo à Aldeia de Fajão.
Começamos a subir a impressionante Calçada das Voltinhas, que percorre em balcão a encosta escarpada sobre o vale, com belas vistas sobre o Rio Ceira e o seu verdejante vale.
Chegamos à  interseção com o PR1 e seguimos por este, para a Capela dos Mouros e Penedos de Penalva, o ponto mais alto do percurso, de onde se obtêm uma bela vista sobre a Serra do Açor e a Aldeia de Fajão.
É uma subida algo difícil, pelas escarpas entre grandes blocos de quartzito, com algumas passagens onde mais se parecia a uma subida de alpinismo, que de caminhada.
O incêndio que assolou aquelas bonitas escarpas, dificultou bastante a ascensão, queimando a sinalização e apagando muitas vezes o traçado, já de si difícil e, em algumas zonas, pouco percetível.
Valeu-me o velhinho Oregon, que sempre me aponta o local de passagem, quando a dúvida me assola.
Já no alto e depois de transpor os Penedos de Penalva, descemos à aldeia por um já pouco simulado trilho que ladeia a encosta, mas que nos proporciona vistas deslumbrantes sobre o Vale do Ceira e Serra do Açor.
Chegados à aldeia, abancámos no Restaurante "O Pascoal", antigo "Juíz de Fajão".
Pequeno, rústico, regional e de ótima comida, afavelmente servida pelos Sr Carlos e Dª. Lucília, com doses generosas e preço simpático.
Com o "bandulho" bem carregado e as pernitas algo cansadas, respondi ao apelo do meu velho sofá e regressei a casa, para um banhinho retemperador e uma merecida sestinha.
Fiquem bem.
Vemo-nos na estrada, ou fora dela.
Beijos abraços e apertos de mão.
Inté
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…