Avançar para o conteúdo principal

"Passeio classe 6"

Antes de mais . . .esclarecer o que é a classe 6!
Ora bem, a classe 6 é mais ou menos isto:
"A vantagem de ter nascido nos anos 50 é que o século XX estará sempre correndo atrás de nós, em vez de sermos nós a correr atrás dele!" . . . ou como diz Bernard Baruch . . . nunca serei velho. Para mim, a velhice começa 15 anos depois da idade em que estiver.

Por isso, malta, A classe 6 é sempre "aquela máquina" . . .aquela que não tem nada que provar, mas que tem a real consciência que ainda muito para aprender, partilhar e desfrutar. Por isso, animem-se e siga a "Marinha!!!"

.o0//0o.

Depois de quase um mês arredado do pedal, fui hoje dar uma voltinha de bike com a malta amiga, que habitualmente se reune junto à rotunda do Continente.
Pouco depois das 08h30, na agradável companhia do Tó Pinto, João Salavessa, Fernando "Caraíbas" e Bernardino Caldeira, fomos dar uma voltinha asfáltica até à aldeia do Casal das Águas de Verão, onde paramos para tomar a matinal dose de cafeína no café "O Pinta".

Abandonamos a cidade pela Milhã em direção ao Salgueiro do Campo, continuando até à ponte sobre a Ribeira do Tripeiro, onde fletimos à esquerda para o Chão da Vã.
Cruzamos a aldeia e à entrada da aldeia de Camões, cruzamos a ribeira e seguimos para Sarzedas, descendo depois para o Casal das Águas de Verão.
Depois do cafézinho tomado nesta pacata aldeia, tomámos o rumo ao Pereiro, vindo a entroncar na M.546, onde viramos à esquerda para o Cabeço do Infante.
Já com o azimute virado à cidade, passamos os Vilares, descemos ao Rio Ocreza e enfrentamos a dificuldade do dia com a subida à Taberna Seca.
Pelas 11h00 estavamos a entrar na cidade, com uns simpáticos 57 kms, bem animados e descontraídos, na boa companhia desta "rapaziada" já com alguma antiguidade, mas de espírito jovem, que bem sabe que, "na juventude se acumula o saber e na velhice se faz uso dele."
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…