Avançar para o conteúdo principal

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos.
Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos".
Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar.
Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem.
Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada.
Saímos para a estrada ainda não eram 08h30 e depois de alguns kms planos e passagem por Valhelhas, demos início à primeira e suave subida do dia pelo Vale da Famalicão rumo à barragem do Caldeirão.
Logo no início da subida, esperavam-nos o Alexandre Guilhoto da Garbike, que veio ao nosso encontro com alguns amigos, que engrossaram ainda mais o colorido pelotão de amigos, participantes neste lúdico passeio.
Antes passamos Fernão Joanes e Meios, onde paramos para um cafezinho, gentilmente oferecido pelo Alexandre Guilhoto.
Depois da aldeia de Trinta, descemos então à barragem do Caldeirão, depois da passagem pela Corujeira.
No paredão da Barragem, a Sandra Tapadas furou a roda traseira da sua bike, pequeno problema rapidamente resolvido.
Sempre em alegre cavaqueira, descemos para Pero Soares e Mizarela  para darmos início à segunda subida do dia, na Aldeia Viçosa, com pouco mais de 2 kms e pendente média acima dos dois dígitos até ao alto da Rapa.
Uma breve paragem lá no alto para respirar e apreciar a bela panorâmica que dali se avistava e descemos à aldeia, onde o Alexandre e amigos se despediram e seguiram rumo à Guarda.
O restante grupo, tinha ainda pela frente um osso bem duro de roer, com a subida à Portela do Folgosinho, pouco mais de 9 kms com pendente média superior a 7%. Mas esta malta é brava e gosta de arfar!
Da Rapa seguimos para Cadafaz, uma outra subida, mas um pouco mais amena, passamos os Prados e as Assanhas para subirmos, um pouco mais à frente à bela e histórica aldeia de Linhares da Beira.
Foi este belo local o escolhido para retemperar forças, no Restaurante "Cova da Loba" . . . esta malta não fica por menos e, neste caso, o menos foi mais, com umas belas sopas, tipo gourmet, mas de qualidade excelente e paladar requintado, a preparar o estômago para as belas bifanas que se seguiram em pão centeio torrado e regado com um azeite esquisito de cor esverdeado, que lhes dava um sabor sublime.
A Cerveja Bohemia, de modo artesanal, foi a bebida escolhida para empurrar aqueles belos nacos de fino sabor, em tertúlia bem animada, bem à nossa moda, onde a bicicleta é apenas o veículo que nos transporta nestes lúdicos e sempre animados passeios cicloturisticos, onde por vezes também surgem uma animaçãozita a imitar os prós, os pseudos e os outros, a dar "canha" até os "bofes" começarem a dificultar a entrada de ar aos pulmões.
Mas não foi necessário dar esse tipo de "canha" para que isso acontecesse, pelo menos à maioria da malta, na subida à Portela . . . chiça, que aquilo era um pouco violento para a malta da voltinha domingueira.
Estas voltinhas não dão para por a "chapa" do display do garmin no face, senão a rapaziada pensa que somos uns meninos a andar de bike, com médias que nem aos 20 por hora chegam. Há que manter o ego em alta!!
A passagem por Figueiró da Serra e Freixo da Serra proporcionaram belas panorâmicas e a primeira parte da subida até ao Folgosinho, uma bela dor de pernas.
A descida a Covão da Ponte foi feita debaixo de algum nevoeiro, que se foi dissipando consoante íamos chegando ao vale. A descida a Manteigas foi adrenalínica e depois de Manteigas, alguns companheiros devem certamente sido picados pela "abelha asiática", que "aquilo" até deitava fumo em direção ao Vale da Amoreira após cruzar a última povoação do dia, o Sameiro.
Depois das bikes arrumadas, seguiu-se a parte, onde de fato somos dos melhores, o belo petisco, a bela tertúlia e a animação constante, com risadas e historietas e conversas da treta.
Posto isto, chegou a hora de regressar. Feitas as despedidas, com beijinhos abraços e apertos de mão, lá regressamos a casa, uns à espera da próxima aventura e outros, quiçá, a garantirem que não os tornam a meter numa destas tão cedo. lol.
A próxima aventura será certamente a visitar a sempre bela e mítica Serra da Lousã, onde uma boa descida procede sempre uma boa subida.

Fiquem bem.
Vemo-nos por aí, na estrada ou fora dela.
Beijos abraços e apertos de mão.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Mototurismo por "tierras de nuestros hermanos""

"A imaginação é a primeira fonte da felicidade humana"
(Giacomo Leopardi)
Hoje fui fazer um passeio de mototurismo com a agradável companhia do João e da Marta, que vieram do Fundão aos comandos duma bonita e bem cativante Benelli  TRK502.
O ponto de encontro foi nas bombas da Repsol do Lanço Grande, onde atestamos as máquinas e ingerimos a primeira dose matinal de cafeína.
Cerca das 07h30 fizemo-nos à estrada, por Ladoeiro e Zebreira, entrando em Espanha pela pequena fonteira que cruza o Rio Erges junto a Salvaterra do Extremo.
Depois duma pequena paragem para tirar uma foto ao Castillo de Peñafiel, que se ergue altaneiro no cimo de um monte formado por negra e musgosa penedia de abruptos rochedos inacessíveis.
Entramos em Espanha e, à entrada de Zarza la Mayor, viramos à esquerda ao encontro da Ex-A1, em Moraleja, que seguimos até à cidade de Plasencia.
Pelo panorâmico Vale de Jerte fomos até Valdastillas e subimos ao Piornal, pela Sierra de Tormantos, com uma paragem na C…

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…