Avançar para o conteúdo principal

"Por Terras de Ribacoa"

Hoje dei início a um périplo de pequenas aventuras, que denominei de "voltas vadias", com um bonito percurso por terras de Ribacoa.
Fiz o convite a alguns amigos para me acompanharem, tendo respondido à chamada o meu irmão Luís, o Hugo Martins e o Luís Pedro.
Saímos de Castelo Branco pelas 07h00 rumo ao Sabugal, onde estacionamos as viaturas.
Preparamos as bicicletas e o restante material e fizémo-nos à estrada pelas 08h30, rumo a Almeida.
A manhã bastante fria, entre o 1 grau negativo e 1 grau positivo, não nos demoveu e pedalamos alegremente, passando pela Quinta de S. Bartolomeu, Rapoula do Coa, Termas do Cró, Peroficó e Cerdeira onde paramos para tirar umas fotos à ponte sobre o Rio Noémi. Um local aprazível.
Continuamos o percurso e mais à frente cruzamos o Rio Coa, para subirmos à fortificada vila de Almeida.
Entramos na fortaleza pela Porta de Santo António e percorremos as pitorescas ruelas da vila, registando, aqui e ali, a nossa passagem com algumas fotos.

A hora de almoço chegou entretanto e, nada melhor que uma bela refeição no Restaurante Granitus, onde se come bem e a preços bem comedidos.
O rancho e a posta foram as nossas opções, um pouco agigantadas para atletas, mas nós somos apenas cicloturistas e gostamos de gozar a vida com umas boas pedaladas lúdicas, divertidas e gastronómicas, de preferência em boa companhia!
Visita feita e barriguinha cheia e estava na hora de regressar ao Sabugal.
Como os meus percursos são sempre circulares, regressamos por Vilar Formoso, nave de haver e Aldeia da Ponte, onde nos divertimos um pouco com um par de peripécias fotográficas, seguindo depois por Alfaiates, Soito e Quadrazais, onde paramos à saída para a Serra da Malcata, para um par de fotos ao bonito Rio Coa.
Cruzamos a Serra por uma lindíssima estradinha panorâmica até á aldeia de Malcata que cruzamos e depois de cruzar a ponte sobre a Barragem, completamos os derradeiros 8 kms até ao Sabugal, uma das bonitas vilas portuguesas que nos desafia a uma dança de sentidos A natureza aqui é deslumbrante . . .tão delicada e frágil, como agreste e poderosa.

Depois de arrumadas as bicicletas e vestirmos uma roupa sequinha, fomos em busca dum lanchinho para acomodar a "coisa" e passar uns momentos em alegre tertúlia.
O Bar do Tó, o meu preferido, pelos seus belos petiscos bem à nossa moda já fechou e a pizzaria só abria às 17h00. Contentamo-nos com umas tostas no café Girassol, onde acabamos de por a conversa em dia.
Depois das despedidas regressamos à cidade, satisfeitos com a primeira volta vadia de 2018 e já a pensar na segunda, planeada para breve, pelas faldas da nossa bela Serra da Estrela, com visita a algumas das suas míticas aldeias.



Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, na estrada, ou fora deles.
Beijos abraços e apertos de mão.
AC





Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…