Avançar para o conteúdo principal

"Aventura dos cinco na senda dos pasteis de nata"

Pensamento:
"O talento educa-se na calma, o carácter no tumulto da vida"
(Goethe)



.o0o.

Mais um convite do Roberto e mais uma volta pelos belos Trilhos de Xisto.
Desta vez o grupo foi mais numeroso.
Fomos cinco no total. Eu, Roberto,Fidalgo, Marcelo e João Paulo.
Uma coisa estava já garantida. Diversão!!!
Esta malta não deixa os seus créditos em mãos alheias.
Reunimo-nos frente à Câmara Municipal cá da urbe pelas 08h30 com as bikes já carregadas nas viaturas e nós de boa disposição.
Rumámos a Santo André das Tojeiras e estacionámos junto às Piscinas, local de concentração e onde será dada a partida deste "II Trilhos de Xisto".
Preparámos as bikes e as primeiras pedaladas foram exactamente em sentido contrário ao percurso, ou seja, em direcção ao café mais próximo.
Alí descobrimos uns deliciosos pasteis de nata e não resistimos, atacámo-los com devoção a acompanhar o cafézinho da manhã.
Deixámos ainda 3 pastéis para o regresso.
Já aconchegadinhos e prontos para a aventura, fizémo-nos aos trilhos.
O meu comentário sobre os trilhos em geral e zonas de passagem, vai ser um pouco superficial, por questões óbvias.
O passeio está agendado para o dia 2 de Dezembro e com inscrições limitadas, por questões de logística.
Porém, uma coisa posso eu posso assegurar a quem decidir participar neste passeio!!! Vai ficar "babado" com a beleza que envolve as zonas de passagem e com os trilhos onde vamos pedalar.
Estradões onde a visão se perde no horizonte; Trilhos estreitos, com passagens que nos vão ficar na memória; Single tracks na medida certa, entre muros e hortas, que vão dar um gozo tremendo; Descidas sempre a abrir; subidas cicláveis e uns apontamentos técnicos, aqui e acolá, bem doseados, para mantermos vivo o verdadeiro expírito do btt e não nos deixarmos adormecer; Passagens por inúmeras e algumas pequenas aldeias, onde a construção em xisto ainda prevalece na sua maioria e durante todo o trajecto, deparamos com construções já abandonadas em puro xisto; O belo aglomerado já em estado de degradação, que compõe o antiquíssimo Lagar do Carril, situado no meio de nenhures, onde ainda assim nos mostra a imponência dos seus tempos áureos.
Tive o previlégio de pedalar mais uma vez por estes inebriantes trilhos e no dia 2 de Dezembro lá estarei novamente. Pedalar nestes trilhos não cansa a mente nem o espírito e a parte física é secundária.
Mas avancemos:
Nesta minha segunda ida aos Trilhos de Xisto, foram adicionados ao percurso inicialmente delineado, 2 novos troços; Um single track com início numa das aldeias por onde vamos passar e uma passagem nas faldas da serra da ...?... e cujos trilhos vão deixar o pessoal encantado, com algumas passagens técnicas, mas acessíveis à maioria dos praticantes.
Vale a pena parar lá no alto e perder alguns minutos observando os extensos vales pejados de pequenas aldeias cravadas, ora nos cumes, ou nas encostas abrigadas.
É lindo de ver!!!
Isto, sem esquecer as "Tabornas", um petisco tradicional na nossa gastronomia e degustada pelos lagareiros nos velhos lagares de azeite de que a nossa região ainda é rica e que consta de pão torrado nas brasas da caldeira que aquece a água para a filtragem do azeite puro saído das prensas e barrada com esse mesmo azeite. (purinho da silva!!!)
Uma ideia do Roberto e uma forma bastante válida de utilizar a bike em eventos onde o prazer de pedalar se alia à tradição.
Um à parte..!!!
Neste passeio só não está contemplado a visitinha à Adega do "Ti Manel Ribeiro" na aldeia do...
(porra.. não posso dizer!!!), onde mamámos umas "jeribitas", vulgo geropiga e entre pipos e garrafões estava exposta uma autêntica galeria de quadros de "arte nua e de belo espécime", que o "Ti Manel" orgulhosamente fez honra em nos mostrar.eheheh!!!
Com a alma a fumegar e a coragem aumentada artificialmente, mandámo-nos de forma aguerrida aos kms restantes, onde o Fidalgo ganhou terreno, mantendo uns bem contados 5 ou 6 kms na cabeça do pelotão onde de forma distraída nem reparava nas subidas e só se apercebia das descidas porque começava a ver a pala do capacete.
Nas passagens aquáticas, foi a nossa surpresa, era "práfentex", nem sei se chegava a tocar na água.
Mas depois, algo aconteceu, talvez o efeito tivesse passado, pois na próxima passagem aquática foi vê-lo para tràs e para a frente, sem se decidir se havia de passar a pedalar, ou com a dita no lombo.
Mas depois dumas bocas e dumas "vaias", irritou-se, digo eu, tomou balanço alguns metros atrás e aí vai ele!!! À sua passagem, parecia a Fonte Luminosa em Lisboa, tal o efeito provocado na água.eheheh
Em resumo!!!
Malta divertida; Trilhos divertidos; A Adega do "Ti Manel"; Pasteis de Nata; Batata Frita e umas "bjecas" no final, foram os ingredientes que aliados a uma explêndida manhã de sol, somaram mais um dia que fica registado na minha memória, no meu álbum de boas recordações.
Encontramo-nos nos trilhos!!!
Fiquem bem
AC

1º. Vídeo

2º. Vídeo

Comentários

Marcello Silva disse…
Boas,

Este sem duvida que vai ser um Passeio com uma boa organização, á que o Roberto já nos habitou, eu só não vou, se não poder e depois com uma ementa destas, tou lá de certeza, um abraço aos companheiros do pedal e vivam os passeios divertidos e com paisagens que nos ficam na memoria por muito tempo,

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…