Avançar para o conteúdo principal

"Betêtices"

Esta semana foi repleta de bom Btt, nomeadamente com a preparação do meu Raid AC-Trilhos e Aventuras, para pedalar em autonomia e na companhia de amigos, para quem me dei ao trabalho de preparar este Raid, assim como os anteriores e presumívelmente os posteriores. A ver vamos!!!
Assim foi a minha semana:-
Domingo, 02
Nove companheiros, AC, Filipe, Carlos Salles, Jorge Palma, Nuno Maia, Sérgio Marujo, Agnelo Quelhas, Joaquim Cabarrão e Nuno Eusébio, juntaram-se mais uma vez para dar umas pedaladas domingueiras, desta vez até às proximidades da Atalaia, em terrenos mais planos, com uma ou outra "ondulação" aqui e ali.
A primeira parte do percurso, até ao Vale da Torre, foi feita em ritmo bastante moderado, por trilhos já sobejamente conhecidos e maioritáriamente estradões.
Paragem no Vale da Torre para o cafézinho matinal, gentilmente oferecido pelo Agnelo Quelhas, que se esforça sempre por chegar sempre um pouco atrazado, pois adora pagar os cafézinhos à malta. eh eh eh!!!
Dalí rumámos à Ponte Romana, ou Medieval, não sei bem e alí nos entretivemos um pouco a dar ao "gatilho" das digitais, pois é um bonito local e bastante acolhedor.
Seguimos depois em direcção à Soalheira, mas a proximidade do alcatrão, fez recordar a dois companheiros, o Nuno Maia e o Agnelo, a necessidade de chegar a casa mais cedo e lá foram eles com um simples adeus.
Os restantes continuaram o percurso previamente definido e acabámos por parar no Bar dos Bombeiros da Soalheira para apagar o fogo nas gargantas com uma bebida reconfortante.
Até Castelo Branco apanhámos o "TGV", tal a velocidade imposta, acabando por chegar à cidade pelas 13h com uma média horária a rondar os 20 kms/hora em 78 kms percorridos e já com alguns companheiros agarrados ao "elástico".
Foi uma bela voltinha de Btt, onde o terreno era propício para a velocidade, nomeadamente na segunda parte.

Segunda, 03
Ainda havia muito trabalho para fazer, nomeadamente a triagem de trilhos para o Raid AC e como sempre, pude contar com a preciosa ajuda do meu amigo Filipe que mais uma vez me acompanhou nesta tarefa, bastante nostálgica quando feita a solo.
Era meu objectivo seleccionar os trilhos na mancha florestal dos Montes da Baliza até à Foz do Rio Ponsul e posteriormente até Malpica do Tejo.
Fomos de carro até à Ponte Medieval do Ponsul e daí já nas nossas bikes, rolámos em alcatrão até aos Lentiscais.
A partir daí foi o gozo total!!!
Uma bela trialeira até à Barroca do Lobo, este ano a puxar um pouco mais pelos dotes técnicos, seguindo-se umas dezenas de metros a empurrar a bicla por uma vereda criada pelos animais selvagens até ao alto, onde começa o eucaliptal.
Na sua travessia sempre pela cumeada e por belos estradões, fomos brindados por três vezes pelo avistamento de belos veados, machos e fêmeas que nos deliciaram.
A natureza no seu melhor e em estado selvagem, sem pagar bilhete!!!
Entretanto chegámos à foz do Rio Ponsul ficando rendidos áquela imensa beleza proporcionada por paisagens inóspitas rasgadas pela serpenteante mancha aquática que divide o território nacional da nossa vizinha Espanha. Soberbo!!!
Retrocedemos cerca de 3 kms pelo mesmo percurso, seguindo depois em direcção ao Monte dos Andrés e Hortas da Boidade que nos dão acesso à bonita Aldeia de Malpica do Tejo, onde assim a malta que participe o deseje e o stress da chegada os não incomode, poderemos "triturar" umas carnudas Chouriças "energéticas", acompanhadas duma qualquer pinga "proteica". eh eh eh!!!
Seguidamente faremos um teste, não com o balão, mas sim com umas bem condimentadas trialeiras e uns carreirinhos à maneira, para manter a bike bem estabilizada.
A chegada ao recinto da capela da Sra das Neves irá alterar os trilhos e a envolvente paisagística e foi mesmo aí que acabou o nosso trabalhinho de segunda feira, pois o Filipe tinha de regressar para ir trabalhar.
Sempre em alcatrão, rumámos rápidamente até à Ponte do Rio Ponsul, onde tinha a viatura e após arrumarmos as bikes rumámos à cidade.
Uma bela e revigorante manhã de Btt, em locais só para priveligiados.
Quarta feira, 04
Faltava o terço final e eu não tinha combinado nada com ningém e já estava na eminência de ir preparar a parte final sózinho.
Estava a preparar-me para o "embate", quando chega o Filipe à minha garagem e lá lhe lancei a escada mais uma vez.
O Filipe apesar de andar a precisar dum descansozinho, mais uma vez me ajudou, mas pelo sim pelo não, passámos pela Pires Marques, não fosse por lá estar alguém.
Eis então que chega o Pedro da "Danone", companheiro com quem já não pedalava há inúmeros meses e que agora, segundo disse, vai voltar às lides betêtistas".
Propus-lhe acompanhar-nos e ele prontamente acedeu. Porreiro!!!
Fizemos um aquecimento de 20 kms em asfalto até Malpica do Tejo, onde tomámos o cafézinho no Café Sacul e rumámos ao Santuário de Nossa Senhora das Neves, ainda em alcatrão.
Após um primeiro reforço com uma barrinha energética entrámos nos trilhos pelo Monte de S. Domingos e Monte Novo que nos proporcionaram belos momentos de Btt.
Descemos seguidamente para o Vale de Paio e após cruzarmos o arraial subimos para a estrada que liga Malpica a Monforte, cruzando-a para entrar de novo nos trilhos pelo Monte do Caldeireiro, onde fomos recebidos por uma enorme e bem tratada vara de porcos que por ali andava alegremente em busca da bolota caída das azinheiras.
Passámos depois os Montes do Grifo e do Malha Pão, pelas suas extremidades para rumarmos ao Monte dos Marmelos, onde em trilhos entre azinhal descemos ao RioPonsul que ladeámos pelo Monte do Escrivão até à Ponte Medieval.
Efectuamos a subida pelo Monte do Chaveiro e após passarmos o Cagavaio entramos no nosso território o sobejamente conhecido Monte de S. Martinho.
Concluida esta última parte ficou desde logo delineado e marcado em GPS o percurso do "IV Raid AC - Trilhos e Aventuras", o qual terei o prazer de partilhar com os meus amigos, ou quem queira participar, bastando apenas ser portador duma bike, boa disposição, espírito de aventura, autonomia na alimentação, hidratação e manutenção da sua bike e sobretudo, não ter que estar em casa pelas 12h.
Até Domingo pelas 08h na Pires Marques.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…