domingo, 23 de novembro de 2008

"SS - o culto da dor!!!

Pois é meus amigos, como se já não tivesse pancada que chegasse, resolvi montar uma Single Speed e aderir ao movimento "purista" das bikes de um só pedaleiro, um só carreto e sem qualquer tipo de supensão.
No meu quadro "Seven" montei um garfo rígido, um pedaleiro Truvativ Isoflow de 33 dentes e um carreto de 17 dentes atrás e lá vou eu para os trilhos.
Inicialmente montei com 19, mas resolvi hoje sair com 17 dentes à experiência, mas acho que vou voltar aos 19 dentes. A subir aquilo até dobra a espinha. Uffa!!!
A minha primeira impressão foi bastante positiva.
Gostei sobretudo de ser eu o "patrão", de necessitar de mais concentração em percursos mais pedregosos e técnicos, se bem que o percuso de hoje fosse essencialmente plano e sem grande técnica, com excepção dum bocadinho na Marateca, onde deliberadamente escolhi algumas pequenas passagens mais exigentes, mas pouco, para me ir adaptando com calma.
Agora que a SS dá pica, lá isso dá, é como voltar aos tempos em que comecei a andar de bike mais a sério, com uma Òrbita completamente rígida.
As sensações, bem, as sensações foram no primeiro dia "as nalgas (nádegas) amassadas e os braçinhos tremelicantes, mas gostei, tanto mais que gosto de aventura e desafios e este, é sem dúvida um belo desafio.
Por isso, deliberei que a partir de hoje, a SS passará a ser a minha companheira domingueira, quer vá só, ou acompanhando os amigos, desde que não seja para percursos tipo extreme.
Mas hoje foi assim!!!
Pelas 08h juntaram-se na Pires Marques, eu AC, Filipe, Álvaro, Marcelo, Fidalgo, Nuno Dias e Jorge Palma.
Após alguma indecisão sobre o percurso de hoje, acabámos por ir até à Lardosa, onde parámos no Café "Tá-se Bem" para o cafézinho matinal.
seguidamente voltou-se à indecisão sobre o vamos à Gardunha, não vamos à Gardunha e eu fiquei convencido que não íamos hoje à Gardunha, mas no próximo Domingo, tanto mais que de SS e logo na primeira vez era um contra senso e por outro lado, queria estar em casa por volta das 13h.
Rumámos então em direcção à Soalheira e junto ao Colégio de S. Fiel é que soube que efectivamente a malta queria subir à Serra, ficando sem saber o percurso exacto, pois disse que não ía.
O restante pessoal, na maioria mais "pardabaixo" do que "pardacima" não aderiu e acabaram por ir só três, o Álvaro, o Fidalgo e o Jorge Palma e nós, os restantes quatro, seguímos até à Marateca, onde nos divertí-mos um pouco a pedalar junto à água, ainda bastante baixa nesta altura do ano.
Tirámos umas fotos para mais tarde recordar e rumámos a Castelo Branco pela Quinta da Marateca.
No paredão da Barragem o Marcelo foi atacado pelas cãimbras musculares e após alguns alongamentos e um cubo de marmelada lá continuámos.
Após cruzarmos a N.18 e como a malta vinha um pouco lenta, tive que me despedir e adiantar-me pra tentar chegar a casa a horas.
Cheguei à cidade pelas 13h05 com 78 kms percorridos de SS à média horária de 18 kms/h, uma surpresa para mim.
GOSTEI!!!

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

1 comentário:

MANECAS.BIKES disse...

os meus parabens.. nao e facil andar nessa bike