Avançar para o conteúdo principal

"GR22 # Castelo Novo - Piódão"

Já há algum tempo que andava a planear efectuar em Btt a Grande Rota das Aldeias Históricas - GR22.
Passou-se o 1º. ano, o segundo e apesar de alguns convites, a ideia mantinha-se viva, mas faltava-me a companhia, até que este ano decidi que iria mesmo fazer a travessia, nem que fosse sózinho.
Tal não foi necessário, pois novos amigos apareceram e com eles o espírito de aventura e vontade de comigo partilhar estas "maluqueiras", pois 0s meus 30 anos já lá vão à quase outros tantos, mas o espírito, esse sim, mantêm ainda alguma juventude.
Fiz o convite ao Carlos Sales e ao Silvério, que logo se intusiasmaram com o projecto. Juntaram-se ainda o meu irmão Luís Cabaço e o João Valente para esta aventura, que não é mais do que isso mesmo, uma aventura.
Inicialmente tinha estabelecido apenas um grupo de três, por uma questão de logística, em todos os aspectos, pois a experiência diz-me que quantos mais, mais problemas, mais divergências e mais dificuldade em gerir tempos e andamentos.
Criou-se um grupo de 5 e logo à partida, alguma dificuldade em disponibilizar transporte para toda a malta, pois é claro que duas ou três viaturas, com outros tantos motoristas para nos irem levar ao local de partida e irem-nos buscar ao local de chegada, não é fácil de conciliar em todas as etapas.
Desta vez, foi o Silvério que fez uso dos seus conhecimentos e amizades e pediu emprestada uma viatura de seis lugares que nos transportou, assim como as nossas bikes.
O Micaelo foi desta vez o nosso motorista, a quem agradeço a sua disponibilidade, sabendo à partida que iria apanhar uma "seca". Desculpa lá Mike, pode ser que para a próxima vás a pedalar!!!
Partimos de Castelo Branco pelas 08h em direcção a Castelo Novo, onde após descarregar as bikes e restante material nos juntámos para a foto da praxe e aí vão eles cheios de adrenalina e vontade de galgar serras e cabeços em direcção â bonita Aldeia de Piódão.
Depois de passar a zona dos pomares de Castelo Novo, apanhámos o estradão que nos levou a S. Vicente da Beira, com passagem no Louriçal do Campo.
Alí parámos para uma adenda ao pequeno almoço, à laia de reforço, pois até então tudo ía ainda muito cauteloso.
Passámos os Pereiros e chegámos à Partida sem grandes dificuldades.
Mas que partida nos pregou a Partida, pois foi a partir dali que o pessoal ficou todo partido com uma rampa contínua de cerca de 5 kms até às eólicas.
A malta torcia-se retorcia-se nesta dura conquista do primeiro parque eólico, mas atingímos a glória e depois foi o êxtase com as fabulosas paisagens que dalí se desfrutavam num ângulo de 360 graus. Simplesmente fabuloso.
Dalí pedalámos quase sempre na companhia das enormes eólicas, transpondo as Serras do Candal e da Maunça, onde começámos a descer para o Alqueidão e Dornelas do Zêzere, ode chegámos após atravessarmos o Rio.
Alí resolvemos almoçar, pois já passava das 13h e após mais uma dura rampa, lá chegámos ao Restaurante "Os Amigos", onde assentámos arraial.
A ementa não era muito vasta e optámos por mandar vir duas doses de carne assada com batata frita, arroz e salada, esquecendo-nos momentâneamente do que ainda nos esperava.
A dureza do percurso até alí fazia antever o que ainda nos esperava, mas nem isso nos demoveu de beber umas bjecas frequinhas e umas mousses de chocolate, que tão bem nos aconchegaram o corpinho.
Depois do farto almoço, começou uma das grandes durezas do percurso, uma subida de mais de 10 kms que foi um autêntico teste a resistência e espírito de sacrifíco da rapaziada e devo dizer que fiquei impressionado com a força de vontade e a capacidade de sofrimento da malta que superaram todas as dificuldades como verdadeiros betêtistas, onde não estava em causa as classificações, nem o bonito dorsal para a colecção, mas sim a superação pessoal, sempre compensada com as soberbas e brutais paisagens com que fomos priveligiados.
E como há bem pouco tempo disse um amigo meu num post no seu blog . . ." já vi os corvos pelas costas." eh eh eh!!!
Já quase sempre a descer chegámos à Aldeia de Meâs, onde pretendíamos parar para beber algo, mas a tasca ficava lá tão alta, que decidímos não subir mais.
Continuámos em direcção à Covanca, onde também não parámos, pois era apenas um lugarejo, bem bonito pos sinal.
Seguiu-se a Fornea, onde ao perguntarmos a uma habitante se por alí havia uma tasca ou café, nos apontou lá para o alto da aldeia, quebrando-nos logo a vontade de ali nos deslocarmos.
Porém pedimos água à simpática senhora que de pronto nos deu água e indicando-nos uma pequena bica num canto da sua residência que brotava água duma nascente.
Depois de saciados seguimos em direcção a última aldeia e aquela que era o nosso objectivo, mas para lá chegar . . . ai Jesus. . .tantas e longas subidas!!!
Lá fomos galgando lentamente, arfando e sofrendo até chegarmos finalmente ao último "caramoço", aquele que nos sedparava da bonita Aldeia de Piódão que tanta canseira nos deu para a conseguirmos alcançar.
Mas para compensar, alguns kms em adrenalínica descida, fizeram-nos delirar e todas as dores e cansaço desapareceram como que por magia, ao darmos de caras com aquele aglomerado de casas xistosas, acantonadas lá bem no vale profundo, onde depressa chegámos.
Logo de caras, aquela bonita igreja, toda branquinha e debruada a azul, foi um regalo para os olhos.
O Mike, lá estava ele como prometera, esperando-nos e deseperando, que estas alminhas chegassem, pois a noite já vinha a caminho.
Houve ainda tempo para tragar uma bela chouriça assada e bebericar umas bjecas, provar e comprar uns licores, de tudo e mais alguma coisa, menos o de "merda" que esse é originário lá das bandas de Cantanhede.
Até licor afrodisíaco havia. . . e esta, heim!!!
Depois de acomodarmos as bikes e aliviar o corpinho do material de apoio, seguimos viagem guiados pelo nosso excepcional motorista e só não passámos pelas "brasas" porque a "gralha" do Silvério tinha certamente metido pilhas novas e não se calou um bocadinho. eh eh eh!!!
Foi talvez a etapa mais dura de toda a travessia e que me deu um prazer tremendo concluí-la, sobretudo porque consegui ultrapassar a minha própria expectativa.
Venha a próxima, que no próximo domingo, dia 7, ligará Piódão a Linhares da Beira, numa extensão de 80 kms.
Quero agradecer aos meus amigos que me acompanharam nesta dura aventura, a disponiblidade e o espirito de camaradagem que evidenciaram, provando mais uma vez que a amizade e companheirismo, não é um "desporto" de esplanada, mas um sentimento que nos une, sem que tenhamos que dar nada em troca.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Fotos

Vídeo

Comentários

CARLOS SALES disse…
caro amigo Cabaço quero dizer que foi das minhas maiores etapas de betetista da minha vida foi espetacular memoravel e tenho também de agradeçer ao Luis Cabaço por ter ajudado a começar e a terminar porque aquele cabo foi ouro que apareceu naquele momento onde seria uma grande desilusão se não acabasse por motivos mecanicos.. Um BEM HAJA A TODOS OS AMIGOS E COMPANHEIROS DESTA AVENTURA
Fico é com pena de não poder fazer a próxima etapa devido a compromissos profissionais a voces todos boa sorte e espero fazer mais algumas etapas consigo e com mais alguns amigos
CARLOS SALES

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…