Avançar para o conteúdo principal

"Lá para os lados das Sarzedas"

Nesta quarta feira e aproveitando a embalagem da primeira etapa do GR22 entre Castelo Novo e Piodão, apeteceu-me continuar a ver paisagens diversas das que têm sido as das últimas saídas de Btt, onde quase sempre estou condicionado aos compromissos dos meus amigos, que ainda "labutam" para o patronato, não tendo ainda atingido a idade para a aposentação, como é o meu caso, que me permite gerir o meu tempo da forma como me dá na gana, ou não seja eu, como costumo dizer quando me perguntarm o que faço agora . . . um gestor de tempos livres!!!
Na companhia do Nuno Eusébio, a gozar umas muito mini férias, aproveitámos para pintar a manta por aí, sem horários nem compromissos, só pedalar por onde nos desse na gana.
E assim, fui redescobrir uns velhos trilhos, para mim, onde já há uma "catrefada" de anos não circulava e que até duvidava se alguns deles ainda estavam cicláveis.
Saímos da nossa bonita e ajardinada sala de espera na Pires Marques . . . ainda se lembram! . . . e rumámos às Benquerenças, onde logo procurámos e pedalámos por uns quantos singles que por ali "pululam" à esperam que alguém os descubra e lhes dê alguma dignidade, por eles pedalando e arfando de alegria.
Descemos depois para a Foz Líria, onde a beleza na junção daqueles dois caudais, agora como que "hibernados" em multiplas "péguias", não deixam de nos deslumbrar com as suas paisagens algo agrestes.
Como depois duma boa descida se segue quase sempre uma arfante subida, desta vez também não fugiu à regra e assim chegámos à pacata aldeia de Calvos.
Após umas centenas de metros em asfalto saímos para a direita, onde nos embrenhámos em frescos e sombrios pinhais, pedalando por trilhos atapetados pela caruma do pinheiro, até que entrámos no lugarejo da Nave, cruzando a sua única e principal artéria, onde efectuámos uma breve paragem para admirar o seu castiço fontanário e dar dois dedos de conversa com um habitante local.
Seguímos depois pelo Espadanal, Vinhas da Tapada, Estacal, Valejo, Rapesão e Alagoas até chegarmos às passadouras que dão acesso á Aldeia de Camões.
Subimos por alcatrão aquela "chicane" de curva e contracurva em inclinada subida, para logo nos desviarmos à esquerda e nos lançarmos em adrenalínica descida para o vale que nos levou à Esteveira de Baixo e Carvalheiras, atingindo depois a bonita Aldeia de Xisto de Martim Branco, onde efectuámos uma paragem junto à fonte para atestar os camelbacks e comer algo.
A partir dalí os trilhos já eram mais conhecidos e batidos pelos betêtistas e que nos conduziram pela Várzea Fundeira ao Barbaído, continuando depois pelo Juncal do Campo, Lameira do Velho e Caféde, onde hoje derivado ao adiantado da hora não efectuámos a habitual paragem no Café da Dª. Júlia e seguimos passando a Rabaça em direcção à Fábrica da Ração, entrando seguidamente em Alcains e logo depois Santa Apolónia chegando à cidade com 83 kms percorridos em trilhos bonitos e diversificados, em andamento calmo e descontraído, onde puz a conversa em dia com o amigo Nuno Eusébio, que também ele ficou bastante satisfeito com a nossa volta betêtista de hoje, tanto mais que nunca antes por ali tinha pedalado.
No próximo domingo segue-se a segunda etapa do GR22 entre Piodão e Linhares da Beira e na semana seguinte vou gozar umas merecidas mini férias, aproveitando os feriados.
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…