Avançar para o conteúdo principal

"GR22 - Linhares da Beira/Marialva"

Neste domingo, juntou-se de novo o grupo original, para concluir a terceira etapa da bonita "Rota das Aldeias Históricas" em BTT.
AC, Luís Cabaço, Silvério, Carlos Sales e João Valente, cedo se prepararam para mais esta aventura.

pouco passava das 07h quando partimos em direcção a Linhares, sob chuva, por vezes intensa, que nos iria certamente dificultar a progressão nesta bonita aventura.

Pouco depois das 08h30, chegámos então a Linhares da Beira, uma aldeia histórica situada nas faldas da Serra da Estrela a 810 m de altitude. O seu bonito Castelo, construido em 1291 durante o reinado de D. Dinis, desempenhou um importante papel na defesa da Beira Alta nos primórdios da nacionalidade. A colonização romana é ainda visível em alguns troços de estrada e do seu património histórico, destaca-se a calçada romana que ligava Linhares a Mangualde e por onde demos início à nossa aventura.

Depois duns valentes abanões pela técnica descida da calçada romana até quase ao Bairro da Ribeira, entrámos nos trilhos que por entre paisagens diferentes das etapas anteriores, mas não menos belas ,nos conduziram à bonita e altaneira aldeia histórica de Marialva.

O tempo até ajudou na primeira metade do percurso, com um sol que apesar de alguma timidez, até aquecia.

Com uma altimetria moderada e em trilhos enriquecidos aquí e alí com alguns single tracks lá fomos progredindo cruzando pequenas povoações e algumas aldeias.

Ladeámos Figueiró da Serra e cruzámos a Carrapichana a Mesquitela e Vila Soeiro e após a travessia do Rio Mondego pelo açude, num local algo paradisíaco, alí efectuámos a nossa primeira paragem para repor energias, desta vez reforçadas pela "angelica" que o meu irmão Luís trazia dissimulada num "garrafito" e com a qual pretendia apaziguar a "gula" por geropiga do Silvério, pois ainda não houve etapa alguma em que não evocasse aquele "néctar".
Foi uma surpresa que o deixou feliz !!!
Só que, a partir dalí, com uns goles de "angelica" e um toque na configuração das suspensões da sua bike, foi como se tivesse bebido "Red Bull". Deu-lhe asas . . . e a partir dalí, para o parar só quando o Carlos Sales lhe tapava o caminho, obrigando-o a travagens de emergência. eh eh eh!!!

Cruzado o Mondego, continuámos pedalando por bonitos e diversificados trilhos passando pela Aldeia da Muxagata e Aldeia Nova, onde a chuva nos começou a fazer companhia.

As negras nuvens que já algum tempo nos acompanhavam, começaram então a descarregar dificultando-nos na mais dura subida do dia, a que nos conduzia pelo Vale de Serapico e que para que a dificuldade fosse acrescida, tivemos ainda a companhia duns quantos "motoqueiros" de motorizadas e aceleras que nos poluiram o ar e os ouvidos durante algum tempo.

À chegada ao alto, a chuva aumentou de intensidade, parecendo quase um dilúvio, molhando-nos o "fatinho" por completo, com excepção do Silvério, cuja roupinha já tinha guardado hà bastante tempo e que conduzia já a sua "máquina" com os seus calçõezinhos à Ronaldo e de camelback às costas. Peculiar!!!

À chegada à Venda do Cepo a chuva já tinha abrandado um pouco e lá íamos progredindo, agora com paisagens ainda mais bonitas e passadas as aldeias das Moreirinhas e do Rabaçal, avistámos então o Castelo de Marialva, que se erguia lá no alto e onde seria o "términus" na nossa façanha de hoje.

Até à entrada da parte nova de Marialva, não foi difícil, mas para chegar ao Castelo, na parte antiga da aldeia, tivemos que vencer uma subida em calçada que valeu o esforço, pois a beleza do seu castelo é gratificante.

Marialva . . . situa-se na sua parte antiga numa vasta eminência rochosa a 580 m de altitude, sobranceira aos campos da Devesa. O seu bonito Castelo ergue-se num esporão a 613 m de altitude, sobranceiro ao extenso vale que constitui o rebordo mais ocidental da Meseta Ibérica. Foi ali que se situou o principal núcleo da comunidade dos Aravos, tribo Lusitana que se terá oposto com vigor à invasão romana.

Foi debaixo de chuva que arrumámos as nossas bikes e encetámos o caminho de regresso a Castelo Branco.

Paragem ainda no caminho num restaurante à beira da estrada para uma pequena refeição,para repor as calorias gastas.
Apesar do dia ser algo insípido, não arrefeceu a vontade e a procura de aventura deste quinteto de amigos e cujo próximo capítulo está já agendado para o próximo domingo, com a ligação de Marialva a Castelo Mendo, numa extenção que se aproximará dos 100 kms.
Deixo aqui também o meu "bem haja" ao João Afonso e esposa, pela disponibilidade e pelo apoio, gesto que que apreciámos e registámos com agrado.


Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC
Galeria Fotográfica
"clica na foto"



GR22 - Linhares da Beira/Marialva

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…