Avançar para o conteúdo principal

"Uma aventura até à Serra do Muradal"

Conforme combinado préviamente com o Nuno Eusébio, hoje, caso o tempo o permitisse, a volta seria um uma espécie de treino para o SRP160.
O Pedro Barroca também se uniu a nós, mas acompanhando-nos até à Serrasqueira, pois tinha compromissos e tinha que estar em casa cedo e a volta de hoje ía-se alongar um pouco derivado à altimetria e quilometragem.
Saímos os três da Pires Marques com intenção de ir tomar a dose matinal de cafeína no Palvarinho, o que aconteceu, depois daquela sempre difícil subida à Capela de Santo António, agora agravado com estado do terreno com muitos regos e alguma lama.
Seguimos depois em direcção à Praia Fluvial do Muro e subímos à Serrasqueira, onde nos despedímos do Pedro Barroca, que nos acompanhou até alí e a quem agradeço a companhia.
Contornámos a aldeia e pedalámos pelos Vales do Estacal e Olho Calhão até cruzarmos a Rapoula, onde pouco depois acompanhámos a Ribeira da Magueija durante alguns kms, passando ainda pelas Gatas, Monte Goula, Azenha de Cima e Magueija, seguindo um dos trilhos de xisto.
Subimos ao Pé da Serra e Lameira, descendo seguidamente para a bonita Barragem da Cardosa, um recanto de imensa beleza.
Ali parámos um pouco a apreciar a paisagem, olhando para as antenas eólicas da Serra do Moradal, dissimuladas pela neblina, tomando coragem para as duras e longas rampas que nos esperavam em direcção às ditas antenas.
Já quase no topo, virámos à direita para uma adrenalínica descida entre pinhal que nos levou ao Vale do Curral e logo de seguida à bonita aldeia da Cardosa, onde nos divertimos pedalando nuns singles entre xisto simplesmente espectaculares.
Dalí ladeámos a Ribeira da Silvosa e logo depois a Ribeira da Paiágua, até esta última aldeia, entrando seguidamente na imponente Serra da Pedragueira, onde após algumas pequenas dificuldades a transpor uns quantos pinheiros caídos no trilho, provávelmente derivado à neve, apanhámos caminho livre para descer em alta velocidade até à estrada para Almaceda.
Entrámos depois num bonito single track que nos levou até às Rochas de Baixo, onde efectuámos nova paragem para abastecimento.
Depois foi seguir ladeando a linda ribeira de Almaceda até ao Martin Branco, onde contornámos a Barragem da Várzea do Porto do Conde, seguindo depois o Tripeiro até ao Barbaído.
Já com a cidade no horizonte, com um belo acumulado e umas boas dezenas de kms, continuámos a nossa aventura passando entre as aldeia do Freixial e Juncal em direcção a Santa Catarina e Valverde, entrando na cidade pelo lado da Tapada das Figueiras e Parque de Campismo.
Um belíssimo treino para o SRP160, mas apenas de pouco mais de metade do que compõe a prova, mas ainda faltam dois meses e até lá, certamente conseguirei melhor performance.
Foram 92 kms de bastante dificuldade, com muitos e bonitos trilhos, soberbos single tracks, umas quantas paredes, bem "sacaninhas" onde a avózinha se fartou de "serrar", umas adrenalínicas descidas e a passagem por 14 bonitas aldeias, prencheram hoje a minha alongada manhã de btt, acompanhado pelo amigo Nuno Eusébio, que também ele adora este tipo de aventuras e na parte inicial, pelo Pedro, que com pena nossa não nos pôde acompanhar.
Outras aventuras virão, assim as pernitas o permitam e o espírito de aventura não me abandone.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos,
ou, fora deles!!!
AC
Clica na foto

Entre Serras

Comentários

Carlos Gaspar disse…
que formidável e saudável espírito bttista e que belos trilhos ... estivesse eu mais perto e por certo seria mais um a fazer companhia!!!
Um abraço e vamos seguindo as suas e as vossas aventuras aqui desde TOMAR, inté !!!
Carlos Gaspar - BTT100Stress
AC disse…
Olá Carlos.
Obg pelo comentário.
Quando quiserem, terei muito prazer em os guiar nalguns dos belos trilhos da região.
Apareçam!!! Também tenho seguido as aventuras da "rapaziada" de Tomar.
Abraço
AC

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…