Avançar para o conteúdo principal

"Convívio no Vale do Souto"

Mais um ano estive presente no já famoso convívio no Vale do Souto, onde decorreu a festa do harmónio e da concertina "Harmonvaso".
A malta do btt faz já parte da festa que todos os anos se realiza naquela pacata aldeia.
Por convite, reúnem-se umas poucas dezenas de amigos, sob a batutra do meu irmão Luís, que prepara toda a logística para que tudo corra da melhor forma.
A malta, vinda dos mais variados locais, junta-se pelas 08h00 na Avenida da Carvalha, na Sertã, para este "terrível" dia de btt, companheirismo e divertimento.
Já com saída tardia, a partida para os trilhos deu-se já depois das 09h00. Malta animada e comunicativa, esqueceu por completo a parte competitiva do btt e utilizou a bike como meio de transporte para a Aldeia do Vale do Souto, onde um belo manjar de porco no espeto nos esperava e a animação era garantida, ou não fosse este um grupo animado.
Após cerca de 25 kms, dáva-mos entrada no recinto onde corria a festa e as "mines" logo começaram a jorrar, após largamos as bikes.
Em grande cavaqueira, lá almoçamos e alguns não resistiram a uma boa sestinha . . . mas esta iria durar pouco tempo.
O Rui (da Rodoviária) apareceu por alí com um harmónio na mão, acompanhado doutro colega, para surpresa minha, e logo foi requisitado para a zona exclusiva da rapaziada.
Foi o início duma grande tarde de farra e divertimento com o desabrochar de novos valores artísticos, como se verá mais adiante, num pequeno vídeo.
O regresso foi um pouco mais complicado, pois a adrenalina misturou-se com a cerveja, criando uma mistura expolsiva.
Regressei a Castelo Branco na companhia do Nuno Eusébio, que me fez companhia, assim como o João Afonso, pela primeira vez nestas andanças, mas que decerto ficou fã.
O Silvério, que veio a mostrar-se um dos principais animadores da festa com a sua famosa dança do pisa-ovos, deixou a mulherengada toda de olhos em bico e de costas viradas para o palco.
Pouco depois das 19h00 regressei a casa e parte da rapaziada ficou ainda em ambiente festivo até às tantas.
Para o ano lá estarei de novo, para mais uma aventura animada e divertida.
Vejam os vídeos deste maravilhoso dia na companhia de amigos.

Untitled from actrilhos on Vimeo.

Fiquem bem.

Vêmo-nos nos trilhos,

ou fora deles.

AC

Comentários

Anónimo disse…
Não ficaria bem comigo próprio se não deixasse aqui o meu testemunho sobre um dos mais bem conseguidos passeios de BTT em que já participei.
Este, para além do PPP (PURO PRAZER de PEDALAR) e do incondicional espírito de camaradagem e são convívio, tem o mérito acrescido de ser integrado numa grande festa, que facilmente contagia os BêTêTistas, os quais de uma forma natural e espontânea, rapidamente passam a ser participantes activos, para não dizer protagonistas da mesma, durante o pequeno período em que permanecemos entre tão simpáticas e acolhedoras gentes.
Também quero elogiar a parte gastronómica da coisa, desde as "mines" de entrada até ao famoso medronho daquela região, passando pelo porco no espeto e respectivo acompanhamento.
Parabéns também ao António pela reportagem escrita e filmada, como sempre impec.
At last but not least, um GRANDE OBRIGADO ao Luis Cabaço pelo convite, que espero se repita e a todos que com ele realizaram esta excelente organização.
Um abraço para todos
Silvério

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…