Avançar para o conteúdo principal

"VII Trilhos da Raia"

Decorreu este domingo a VII Edição dos Trilhos da Raia.
Um evento que logo cedo começou a ganhar adeptos e que hoje é um caso sério em popularidade.
Com o cunho da ACIN, os Trilhos da Raia, é hoje, em minha opinião, uma das melhores organizações a nível nacional.
Basta saber, que é organizado por quem pratica Btt, na sua verdadeira essência e o faz por gosto.
E está tudo dito.
Este ano, e eu, que até ando por aí e conheço uns quantos "carreirinhos" e uns trilhos "porreiros", fico surpreendido com a capacidade desta rapaziada, que pôe muito empenho naquilo que faz e, sabendo de antemão o que a malta que se desloca a estas manifestações de bikes, quer, pois também é o que eles procuram quando vão pedalar em eventos de outras organizações.
E, aqui está uma prova pura, de que, numa mesma área e durante sete anos consecutivos, se podem encontrar e mesmo criar novos percursos, respeitando os pontos chave e passagens obrigatórias.
Parabéns, já me soa a pouco e continuo à procura duma palavra, que possa dirigir aos meus amigos da ACIN e que possa exprimir o seu excelente trabalho. Entretanto, vou aparecendo, sempre que possa nos vossos eventos.
Este ano, fui até Idanha-a-Nova com o Nuno Eusébio.
Fui buscá-lo com a minha "ramona" à Pastelaria do Montalvão, junto à sua residência e ai, tomámos o cafézinho matinal e demos dois dedos de conversa.
Chegámos ao recinto, em Idanha e, depois de estacionar a "ramona", fomos ao secretariado levantar os dorsais e preparámos as bikes para nos fazermos aos trilhos.
Uma grande azáfama,com o pessoal junto ao pórtico de partida, bem apertadinho, quase como sardinha em lata, em posição para o tiro de partida.
Foi chegarmos junto da malta e a partida a ser dada. Deixámos passar toda a gente e já com a companhia do Sérgio Marujo, que se nos juntou, lá fomos os três para mais uns Trilhos da Raia.
Desta vez, "cavalgava" numa 29er. Queria sentir o seu comportamento nos trilhos mais técnicos e, sobretudo, nas calçadas de Monsanto.
Tanto se diz sobre o comportamento das 29ers, que as nossas roda 26 já são quase Bikes em via de extinção. Manobras de marketing. Digo eu!!!
Já tinha feito com a 29er, 4 dezenas de kms e francamente gostei, apesar de sentir algumas diferenças de adaptação, nos kms iniciais.
Centenas de participantes e pó com fartura, foi a minha visão dos primeiros kms.
Depois, a malta começou a estender-se e pude então, juntamente com os meus companheiros, pedalar mais descontraído e dedicar-me ao "feeling" da 29er.
A descer e a rolar, é inquestionável a melhoria em relação às roda 26, mas, a surpresa viria a transpor obstáculos de alguma envergadura e a subir a calçada de Monsanto.
Normalmente consigo subir aquela calçada com a minha 26, mas com a 29er, foi simplesmente "pedalada redonda". Um pouco mais cuidadoso de início, mas depressa me apercebi que aquela roda enorme galgava tudo. Bastava pedalar de forma mais fluida e com pedalada redonda e aí vai ela, comigo em cima, claro.
Sempre fui um pouco "medricas" a descer os degraus, naquelas ruas estreitinhas, em Monsanto, mas, fiquei de tal modo confiante, que até desci "aquilo" com à vontade. Espetáculo!!!
Mudei radicalmente a minha opinião sobre as 29er. De tal forma, que até tenho medo de pensar nisso!!!
Agora, a questão, na parte que me diz respeito, apenas se pode colocar na parte estética, nada mais.
As 29ers vêm para ficar, mas as 26, jamais vão acabar. Tenho a certeza!!!
Pelos divertidos trilhos e pelos adrenalinicos singles dos Trilhos da Raia, eu, o Nuno e o Sérgio, fomo-nos divertindo, despreocupados, falando aqui e ali com algum companheiro mais atrazado, como nós e aproveitando cada centímetro deste espetacular trajeto.
Tudo seria cinco estrelas, não fosse o malfadado furo na enorme roda da frente da minha bike.
E o engraçado disto tudo, é que eu trazia de prevenção uma câmara de roda 26.
Foi quase hilariante, eu e o Nuno a esticarmos a câmara de ar e a tentar metê-la no enorme aro.
mais parecíamos dois pasteleiros a esticar massa para uma "piza".
Mas ficou lá e trouxe-me para o final e sem mais problemas!!!
O almoço do costume e com a qualidade já conhecida e mais que badalada, mais uns amigos à chegada, umas imperiais, que não faltaram na nossa mesa e tudo terminou, já pelas 18h, no Café do Espanhol, ainda em Idanha, mas já a beber umas frize de limão. Baahhh!!!
Regresso a casa e mais um domingo passado em pleno, com umas boas pedaladas, um bom lote de amigos e a vontade de voltar a Idanha, mas agora, para pedalar com os amigos que trabalharam e organizaram este bonito evento.
Até breve!!!
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . . ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
António, que te assentava bem já não tinha duvidas, mas agora, com esta tua apreciação, atrevo-me a dizer que tu também de assentas muito bem nela. Já me estou a ver brevemente a pedalar "agarrado" a, quero dizer atrás, de uma "camoneta".
Parabens aos três protagonistas deste post por mais uma participação exemplar nos trilhos da raia e também à organização, por confiar plenamente nas palvras do narrador.
Um abraço
Silvério

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…