Avançar para o conteúdo principal

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata.
Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido.
Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa.
Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal.
Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó.
Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos.
Tive que mostrar aquele lugar o Jorge, que também ele ficou fã daquele cantinho.
Dali partimos em direção ao nó da IP5 para entrarmos na N.16, rumo a Castelo Bom, desfrutando dum troço de estrada bonito, curvilíneo e de paisagens de encher o olho, rasgadas pelo Rio Côa, que com fraco caudal nesta altura do ano lá seguia o seu caminho vale abaixo rumo à sua foz, em Vila Nova de Foz Coa.
Depois da amena subida a Castelo Bom, entramos naquela castiça aldeia, que por pouco não chegou a ser considerada aldeia histórica, mas que não deixa de ser autêntica e bonita.
Passeamo-nos pelas bonitas ruelas de pedra, estreitas e sinuosas, daquele lugar calmo e desertificado.
Depois de algumas fotos para mais tarde recordar, voltamos à N.16 e fomos até Vilar Formoso a maior fronteira terrestre do país.
Paramos num pequeno café ali "mastigamos" uma sandocha e bebemos uma bjeca fresquinha para repor um pouco as calorias despendidas.
Depois de cruzar a vila, entramos na parte do percurso mais incómoda, as longas retas ondulantes até ao Soito, com passagem por Nave de Haver, Aldeia da Ponte e Alfaiates, com uma forte ventania frontal, que nos fez sofrer um bocadito.
No Soito fomos até ao Restaurante Nabeiro, famoso pela sua especialidade, a Sopa de Corno, mas mal se cabia lá dentro, com tanta gente a gostar de "chifre" e ficamo-nos pelo restaurante Copus Bar, logo ali ao lado, onde comemos uma bela bifana e bebemos um fresquinho par de bjecas.
Bem atestadinhos e com o conta quilómetros a indicar que já só faltavam cerca de 25 kms para o final, rumamos a Quadrazais e de novo ao encontro do Rio Coa.
Cruzamos aquela antiga aldeia de contrabandistas e por uma bela estradinha panorâmica, que durante alguns kms é ladeada pelo Rio Coa, fomos até à Aldeia da Malcata, uma pitoresca lugar em plena Serra da Malcata.
O final estava próximo e em pouco tempo voltamos ao Sabugal, de onde tínhamos partido algumas horas antes.
Depois de arrumadas as bicicletas e restante material trocamos a licra por uma roupinha mais informal e fomos até ao Café do Tó, para o petisquinho de consagração, e bem merecido por sinal.
A sandocha de patanisca não faltou, tendo o Jorge optado pelas chamuças. 
Na bjeca fomos unânimes e bem fresquinha, foi o culminar de mais uma volta vadia, desta vez por Terras de Ribacoa.
Fiquem bem.
Vêmo-nos na estrada, ou fora dela.
Beijos, abraços e apertos de mão.
Inté
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…