Avançar para o conteúdo principal

"Serra da Lousã"

"Não há nada mais emocionante do que a aventura de viver"
(Hayrã Felipe Martins)
Andar de bicicleta, conviver com amigos e desfrutar de uma boa aventura, é um dos meus hobbys preferidos.
Na companhia do Nuno Eusébio, Luís Lourenço, Nuno Maia, Jorge Palma e Jorge Varetas Verde fomos aventurar-nos num bonito passeio velocipédico pelas Serras da Lousã, Sinhel e Castanheira de Pera.
Partimos do parque de estacionamento da Praia das Rocas, em Castanheira de Pera pelas 08h00 rumo à primeira dificuldade do dia que se iniciava na Palheira e terminava no alto da Mega.
Um "ossinho" para aquecer o "caparro" para os "carocinhos" que nos aguardavam lá mais para a frente.
Logo à saída de Castanheira de Pera fomos em busca da matinal dose de cafeína num café, mas a senhora tinha-se esquecido de ligar a máquina, pelo que seguimos viagem.
Aproveitamos a passagem e demos um saltinho à Praia Fluvial do Poço da Corga, um belo recanto para umas horinhas de relaxamento e um par de mergulhos nas suas águas cristalinas.
Subimos então ao alto da Mega e descemos para a Mega Cimeira, para mais uma pequena dose até ao alto de Obrais.
Pouco depois de iniciarmos esta ascensão, o Nuno Maia foi protagonista do azar do dia ao partir o desviador da sua KTM, de tal forma que não tinha reparação possível.
Nada havia a fazer e teve de recorrer à assistência privada para regressar a casa.
Continuamos a nossa aventura e seguimos para Álvares, uma bonita vila beirã.
Entramos na vila cruzando a sua bela ponte filipina e paramos no café da vila no aprazível local do Soito, onde vegetam frondosos álamos.
Depois duma merecida "sandocha" de bacon e queijo e uma bjeca fresquinha, saímos para enfrentar os contornos da Serra de Sinhel, ladeando o seu bonito vale e cruzando as bonitas aldeias de Amiosimnho, Relva da Mó e Roda Fundeira e Cimeira.
Logo à saída, e depois de cruzar a ribeira por um velho pontão, enfrentamos a curta e exigente subida que ladeia a velha fábrica de lanifícios, movida a energia hidráulica,  já há muitos anos desativada e abandonada, onde entre outros,  se fazia o velho burel.
Um percurso bonito de paisagens cativantes até à aldeia de Roda Cimeira, onde enfrentamos um dos duros "caroços" do dia, com a longa subida ao tanque florestal e antiga casa do guarda.
A partir daqui a "coisa" acalmou, com a entrada na N.2, sempre em descida até ao Cimo do Alvém com passagem por Cantoneiros, Esporão e Ladeiras.
No Cimo do Alvém abandonamos a N.2 e seguimos pela panorâmica estradinha que nos conduziu à Lousã, passando por Alegria, Pontão do Seladinho, Codeçais, Golpilhares e Vilarinho.
Mal entramos na Lousã e com uns barulhinhos esquisitos na zona estomacal, paramos no Restaurante "Manjar de Deus" e ali estivemos entretidos com uma bela sopinha, umas bifanas, umas bjecas bem fresquinhas e até uma sobremesa bem adocicada valeram, em modo preparatório à subida da sempre bela Serra da Lousã, caracterizada pela sua magnitude e simplicidade, com especial destaque para as suas belíssimas aldeias serranas e percursos naturais.
Demos inicio a esta fantástica subira pela Alfocheira e paramos na bonita aldeia de Candal, com uma pequena visita ao seu largo principal onde apreciamos a natural beleza daquele local único.
Desfrutando da idílica panorâmica montanhosa desta magnífica serra, fomos até ao Catarredor, a aldeia menos recuperada, mas ainda assim com o seu encanto.
Mais à frente, foi a vez da visita à aldeia de Talasnal, para mim a mais bela e bem recuperada de todas elas, a par de Gondramaz, que não teve a nossa visita por estar fora de roteiro.
A descida da serra rumo a Cacilhas foi feita a boa velocidade, seguindo depois por Vale Maceira, Portela, Cova do Lobo, Espinho, Cadaixo e Pereira, onde enfrentamos a maior dificuldade do dia com a duríssima subida ao Casalinho, pelo Torno.
A partir daqui a dureza abrandou e seguimos pela cumeada da serra, passando Supegal e Fetais até chegarmos a um bonito recanto do percurso, a Praia Fluvial da Louçainha, que não pudemos desfrutar pelo adiantado da hora, pois ainda estávamos a uma vintena de kms do final.
Até Castanheira de Pera já não houve grande dificuldade e depois da passagem pela Ribeira Velha, foi desfrutar da boa descida a Castanheira.
Já junto das viaturas, arrumamos as bicicletas, trocamos a licra por roupa mais informal e fomos até ao Restaurante Santo Amaro, na Sertã, em busca da afamada sopa de peixe e dum belo prego, bem regadinho com par de canequinhas loiras.
Foi um belo dia de pedalada com amigos, numa bonita aventura lúdica, com alguma dureza, mas é disto que a malta gosta e nos faz sentir ativos e com vontade de viver, pois ao contrário de quem diz . . . . só se morre uma vez, eu digo: errado, só se vive uma vez, por isso . . .usem e abusem da vida, porque só se morre mesmo uma vez.
Fiquem bem.
Vemo-nos na estrada, ou fora dela.
Beijos, abraços e apertos de mão.
Inté
AC


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…