domingo, 23 de janeiro de 2011

"Carapetosa"

Hoje, pela manhã e assim que assomei à rua, até as orelhas murcharam! Estava mesmo um frio de rachar e um vento gélido e bastante incomodativo.
Ainda assim, eu e o Pedro Barroca, fomos dar a voltinha matinal de fim de semana em Btt.
Saímos pelas 08h e planeámos ir hoje fazer uma passagem pela bonita Aldeia da Carapetosa, situada em local altaneiro e paralela à sua vizinha Ferrarias, na outra margem do Rio Ocreza.
Apontámos o azimute à Caseta dos Maxiais, onde cruzámos a estrada para o outro lado, encostando-nos à A23, até ao apeadeiro do Retaxo.
Passámos a ponte sobre a via férrea e dirigimo-nos ao Casal Farinheira, uma quintarola em tempos abandonada e por onde eu costumava passar para os eucaliptais, em direcção à Carapetosa.
Agora, a citada quinta já foi recuperada e toda aramada, com portões em todas as suas entradas/saídas, não sendo já possível efectuar aquele trajecto.
Ainda, duma forma sumária, eu e o Pedro demos por ali uma pedaladas, em busca duma passagem sobre o profundo vale, mas sem resultado. Lá irei noutra altura "vasculhar" a zona em busca dum trilho que dê acesso aos cabeços fronteiriços.
Voltámos então atrás e rumámos ao VG do Palheirão, virando à direita e pedalando numa pequena secção de trilhos, outrora engraçados, antes do corte dos eucaliptos.
Com uma pequena passagem pelos Amarelos, pois esquecera-me que aos domingos a padaria está fechada, voltámos de novo ao trilho para a Carapetosa.
Pedalámos quase sempre em descida, até ao cruzamento onde virámos á esquerda, para o ribeiro com o nome da aldeia.
Descida íngreme, onde a adrenalina quase chegou às orelhas, eh eh eh!!!
Seguiu-se a arfante subida à aldeia, que cruzámos na longitudinal, pois é assim que ela foi idealizada, com apenas uma rua, com casas dum lado e outro. Peculiar!
Encostámos depois à Estação das Sarnadas e após passagem nas traseiras da Serração, efectuámos a nossa paragem para o cafézinho matinal, nas Bombas de Combustível.
Já mais quentinhos, voltámos aos trilhos, agora com uma pequena passagem pelo Vale das Quedas, virando o azimute à Serra das Olelas, com passagem pelo Retaxo.
Subimos ao Complexo, lá bem no alto, e descemos pelo trilho do Campo de Tiro, agora um pouco mais complicado, na sua parte inicial, derivado à desmatação ali efectuada.
Cruzámos de novo o asfalto e voltámos ao estradão paralelo à A23, agora em sentido inverso e já em direcção a cidade, com passagem pelo Baixo da Maria, Talagueira e Lago.

Chegada pelas 12h, com 52 kms de divertidas pedaladas, calmamente e em trilhos pouco complicados.
Ainda só estamos em Janeiro!!!
<>
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . .ou fora deles.
AC

Sem comentários: