domingo, 16 de janeiro de 2011

"Malpica do Tejo"

Bela manhã para a prática deste belo desporto, pese embora o nevoeiro que se fez sentir, sensívelmente até meio da manhã.
Juntámo-nos hoje para dar um bom par de pedaladas, eu, o Silvério, o Nuno Eusébio, o João Afonso e o Pedro Barroca.
Já era nossa intenção, desde a transacta semana, irmos hoje até Malpica do Tejo desgustar um par de chouriças assadas, acompanhadas com um belo tintinho. Estas pequenas iguarias, têm que se abandonar lentamente, afim de evitar os danos colaterais, eh eh eh!!!
Logo pela manhã, e como saímos um pouco atrazados, relativamente à hora normal, pensou-se em ir ao encontro da rapaziada das "Docas", presumindo que os encontraríamos nos trilhos. Nada mais errado, pois acabámos por escolher os trilhos em sentido inverso ao feito por eles.
Nada de grave! Saímos da cidade pela Sra de Sant'Ana em direcção ao Forninho do Bispo e descemos ao Rio Ponsul pelo Monte da Ponte.
Subimos o Monte do Pardal e continuámos pelo Monte do Picado de Baixo, até junto ao cruzamento para Lentiscais. Passámos o pontão do Ribeiro da Farropa e logo após o pontão do Ribeiro do Flores. Aí virámos à direita para o Monte dos Judeus, onde chegámos, bem divertidos com as variadas peripécias, derivado ao estado do trilho.
Entrámos no Vale das Vacas, pedalando entre olivais, até que cruzámos a EN.18.8 para apanharmos o estradão que nos levou ao Covão.
Passado o cruzamento do Couto e Meio, chegámos à capela de S. Bento, mesmo à entrada de Malpica, assentando arraiais no Café Sacul.
Passado pouco tempo, duas estaladiças chouricinhas assadas, ornamentaram durante algum tempo, a nossa mesa. Acompanharam-nas uma garrafinha de Tinto das Moiras (Alentejo), uma malga de belas azeitonas retalhadas e o repectivo pão. Numa tertúlia, bem à nossa moda, comemos bebemos e confraternizámos, enquanto esperávamos que a rapaziada das "Docas" por ali aparecesse a qualquer momento, para com ele partilharmos o momento e conviver um pouco.
Bebemos o cafézinho e aguardámos mais um pouco, até que resolvemos regressar á cidade.
Eu já ía quase ao S. Bento, quando me avisaram que a malta tinha chegado. Voltei atrás para cumprimentar a rapaziada e voltámos aos trilhos.
Saímos de novo pelo S.Bento e pedalámos pelo Monte do Couto, Malhapão e Farropa até à estrada que liga a Monforte da Beira.

Aí optámos por fazer umas centenas de metros em alcatrão, para virarmos depois à direita para o Monte do Negrete, que contornámos pelos Montes do Escrivão e Sortes, descendo à Malhada do Sordo, onde apanhámos o estradão que ladeia a margem esquerda do Rio Ponsul, pelas Malhadas da Várzea, até à Ponte Medieval.


Cruzado o rio, seguimos pelo Monte do Chaveiro até à Lixeira Nova e rodeando os Cagavaios, Rumámos aos Montes do Vedulho e S. Martinho, voltando a entrar na cidade pela quelha de Sant'Ana.

Foram 63 kms bem divertidos, numa manhã amena e com um cheirinho a gastronomia.
<>
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . .ou fora deles.
AC
Filme

Malpica do Tejo from actrilhos on Vimeo.

1 comentário:

BTT-ALBI disse...

Olá AC. Foi um belo passeio com belas chouriças e respectivo acompanhamento. Parabéns pelas fotos e principalmente o vídeo, está muito bom (5*****)
1 abraÇo.