Avançar para o conteúdo principal

"Malpica do Tejo"

Hoje fui até às Docas ter com a rapaziada da roda grossa.
Compareceram, além de mim, o Vasco Soares, Pedro Roxo, Abílio Fidalgo, Nuno Eusébio e Luís Lourenço.
Resolvemos hoje ir até Malpica do Tejo, aldeia há muito a "desejar" uma nossa visita.
Saímos da cidade pelo single do Quinteiro e pela base do Cabeço de S. Martinho, descemos à N.18-8 para cruzar a Ribeira da Sapateira em direção à Lomba da Velha.
Voltámos à Ribeira da Sapateira, depois de passarmos o Revelhinho e lacompanhámo-la um pouco até ao Monte do Chaveiro, onde de novo a transpusemos, continuando até à ponte sobre o Rio Ponsul.
Subimos ao Monte do Pardal e já na sua extrema, seguimos pela M554 até ao Monte da Farropa.
Entrámos de novo nos trilhos e por estradões entre azinhais, passámos pelo Monte do Malha Pão e Monte do Couto, antes de entrar em Malpica do Tejo, por S. Bento.
Encostámos as bikes junto à porta do Café Sacul e entrámos para degustarmos um petiscozito em "modos" de reposição das calorias já gastas na primeira metade do percurso.
Não necessitámos do "cardápio" e escolhemos chouriça e morcela fritinha, pois para assar demorava um pouco mais de tempo e umas tapas de queijo. E que bom que ele era!
Tudo acompanhadinho com uma litrada de tinto da "box", que até nem era mau, fez-nos esquecer durante um bom bocado, as bikes acantonadas à porta do café
Depois dum bom momento de convívio gastronómico, era tempo de regressar.
Deixámos aldeia e seguimos em direção aos Montes da Balisa, passando pela Boidade e Sarangonheira.
Depois de passar o VG da Balisa descemos à Ribeira da Farropinha, entrando no Monte do Neo.
Ladeámos os Lentiscais e descemos ao Rio Ponsul. Passámos a ponte e um pouco mais à frente, andei em busca dum antigo single track onde já não passava há alguns anos e que cruza o Monte dos Inventos até ao Pereiral.
Ele de fato ainda lá está, mas já não é praticamente ciclável. O mato cresceu e não sendo percorrido por ninguém, já quase desapareceu.
Mas ainda assim, valeu a pena a passagem pelo single, para perceber que já não tem utilidade.
Era uma passagem espetacular, quando ciclável!
Aqui o Pedro Roxo resolveu seguir por alcatrão para tentar chegar um pouco mais cedo a casa.
Do Pereiral descemos ao Ribeiro do Barco e seguimos para o Cabeço do Pico, continuando até à Escudeira. Um bom caroço para digerir bem o petisco.
Depois da passagem pelo Monte do Valongo, entrámos no bairro do mesmo nome, onde me despedi dos companheiros, com exceção do Fidalgo que acompanhei até à Boa Esperança.
Foi um bela jornada de btt com a malta do costume, sempre alegre e divertida, proporcionando sempre animadas manhãs de pedalada.
No final, acabámos a aventura de hoje com 63 kms de btt e com um belo petisco a separar as duas partes do passeio, fazendo com que hoje chegássemos a casa um pouco fora da hora habitual.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Um passeio de BTT com estes "ingredientes" e da forma como foi confeccionado, só podia resultar num prato pleno de "sabor" e de fazer crescer água na boca.
É com bastante ansiedade que espero fazer parte dum "prato" destes!
Abraço para Todos
Silvério
Sou fã dos irmãos Cabaço
um Castelo Branco outro na Sertã presenteiam me regularmente com imagens extraordinárias através dos seus passeios BTT.
não comento mas passo por aqui sempre que há uma nova postagem, para me deliciar com os belos recantos que vcs percorrem
abraço

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…