Avançar para o conteúdo principal

"Malpica do Tejo"

Hoje fui até às Docas ter com a rapaziada da roda grossa.
Compareceram, além de mim, o Vasco Soares, Pedro Roxo, Abílio Fidalgo, Nuno Eusébio e Luís Lourenço.
Resolvemos hoje ir até Malpica do Tejo, aldeia há muito a "desejar" uma nossa visita.
Saímos da cidade pelo single do Quinteiro e pela base do Cabeço de S. Martinho, descemos à N.18-8 para cruzar a Ribeira da Sapateira em direção à Lomba da Velha.
Voltámos à Ribeira da Sapateira, depois de passarmos o Revelhinho e lacompanhámo-la um pouco até ao Monte do Chaveiro, onde de novo a transpusemos, continuando até à ponte sobre o Rio Ponsul.
Subimos ao Monte do Pardal e já na sua extrema, seguimos pela M554 até ao Monte da Farropa.
Entrámos de novo nos trilhos e por estradões entre azinhais, passámos pelo Monte do Malha Pão e Monte do Couto, antes de entrar em Malpica do Tejo, por S. Bento.
Encostámos as bikes junto à porta do Café Sacul e entrámos para degustarmos um petiscozito em "modos" de reposição das calorias já gastas na primeira metade do percurso.
Não necessitámos do "cardápio" e escolhemos chouriça e morcela fritinha, pois para assar demorava um pouco mais de tempo e umas tapas de queijo. E que bom que ele era!
Tudo acompanhadinho com uma litrada de tinto da "box", que até nem era mau, fez-nos esquecer durante um bom bocado, as bikes acantonadas à porta do café
Depois dum bom momento de convívio gastronómico, era tempo de regressar.
Deixámos aldeia e seguimos em direção aos Montes da Balisa, passando pela Boidade e Sarangonheira.
Depois de passar o VG da Balisa descemos à Ribeira da Farropinha, entrando no Monte do Neo.
Ladeámos os Lentiscais e descemos ao Rio Ponsul. Passámos a ponte e um pouco mais à frente, andei em busca dum antigo single track onde já não passava há alguns anos e que cruza o Monte dos Inventos até ao Pereiral.
Ele de fato ainda lá está, mas já não é praticamente ciclável. O mato cresceu e não sendo percorrido por ninguém, já quase desapareceu.
Mas ainda assim, valeu a pena a passagem pelo single, para perceber que já não tem utilidade.
Era uma passagem espetacular, quando ciclável!
Aqui o Pedro Roxo resolveu seguir por alcatrão para tentar chegar um pouco mais cedo a casa.
Do Pereiral descemos ao Ribeiro do Barco e seguimos para o Cabeço do Pico, continuando até à Escudeira. Um bom caroço para digerir bem o petisco.
Depois da passagem pelo Monte do Valongo, entrámos no bairro do mesmo nome, onde me despedi dos companheiros, com exceção do Fidalgo que acompanhei até à Boa Esperança.
Foi um bela jornada de btt com a malta do costume, sempre alegre e divertida, proporcionando sempre animadas manhãs de pedalada.
No final, acabámos a aventura de hoje com 63 kms de btt e com um belo petisco a separar as duas partes do passeio, fazendo com que hoje chegássemos a casa um pouco fora da hora habitual.
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Silvério disse…
Um passeio de BTT com estes "ingredientes" e da forma como foi confeccionado, só podia resultar num prato pleno de "sabor" e de fazer crescer água na boca.
É com bastante ansiedade que espero fazer parte dum "prato" destes!
Abraço para Todos
Silvério
Sou fã dos irmãos Cabaço
um Castelo Branco outro na Sertã presenteiam me regularmente com imagens extraordinárias através dos seus passeios BTT.
não comento mas passo por aqui sempre que há uma nova postagem, para me deliciar com os belos recantos que vcs percorrem
abraço

Mensagens populares deste blogue

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…