Avançar para o conteúdo principal

"Por terras da Celinda"

"Nada se compara ao simples prazer de andar de bicicleta"
(John F. Kennedy)
Ontem fui pedalar por terras da "Celinda", a jovem castelã que com uma sertã obrigou os romanos a recuar até á chegada de reforços, dando assim origem ao nome da vila . . .Sertã.
Numa iniciativa do meu irmão Luís, que juntou um pequeno grupeto de amigos para uma "volta ligeira e rolante", segundo as palavras dele!
É uma questão de interpretação do terreno, mas aqui na minha zona interpretamos o "ligeiro e rolante" de outra forma.
Humor à parte, foi de fato um excelente passeio por estradinhas de eleição, com umas belas ascensões e descidas a condizer.
Percurso bem escolhido para umas pedaladas matinais, que aliadas à bela manhã primaveril e ao excelente arrozinho de maranho, transportaram este dia para o album de boas recordações.
Depois da malta reunida, cujo encontro foi na Pastelaria Estrela Doce, na Sertã pelas 08h00, demos inicio ao passeio com o azimute virado à Cruz do Fundão com passagem pelo Casalinho de São Fagundo e Maxial.
Já na Cruz do Fundão, paramos no Café Andrade para uma ginjinha para aquecer as hostes.
Como não há uma sem duas, repetimos a dose, agora com chocolate, de que ficamos fãs. Uma paragem no regresso ficou prometida.
Dali saímos em suave ascendente em direção ao Porto do Troviscal, com passagem pelo Troviscal, Vale do Inferno e Troviscainho.
A partir daqui e como se diz na gíria, é que a porca torceu o rabo. Uma longa subida que levou os aparelhómetros a medir 17% de inclinação. Mas a malta era rija e foi apenas mais um assopro, antes de chegarmos à Cruz das Relvas, o merecido alívio para esta pequena tortura.
Oleiros era a próxima meta e por uma curvilínea descida de belas panorâmicas, cruzamos Fojos da Serra, Folga, Moutinhosa, Sardeiras de Cima e Carujo, antes de entramos em Oleiros, uma vila situada numa zona montanhosa de xisto e argila, de grande beleza natural, caracterizada por paisagens rurais de pinhais e abundantes cursos de água.
Ali fizemos uma pequena paragem no Bar JP para mastigar um rissol e beber uma "pretinha".
Saimos de Oleiros e entramos na velha estradinha panorâmica até Casal Novo, continuando, agora já em estrada mais larga e sempre em ligeira ascensão até ao Alto do Cavalo, sempre rodeados de paisagens impressionantes.
Como quando se sobre, também se desce, foi um gozo os 22 kms de descida até à Sertã , passando por, Selada da Lameira, Sardinheira e de novo pela Cruz do Fundão, onde, como prometido, fizemos nova paragem para umas ginginhas com chocolate, uma pequena delicia para final de um passeio de bicicleta, também ele delicioso.
Chegados ao Fundão, arrumamos as bikes, trocamos a licra por outra "farpela" e fomos até ao Café/Restaurante pré-combinado, onde nos deliciamos com um belo repasto de arrozinho de maranho que estava fabuloso.
Sempre em alegre camaradagem e são convívio, pusemos a conversa em dia e ajustamos novas aventuras, sempre que nos der na gana.

Fiquem bem.
Vemos-nos na estrada, ou fora dela.
Beijos, abraços e apertos de mão.
Inté

AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…