Avançar para o conteúdo principal

"Augas Blancas - Rabacallos"

"Dia após dia os erros do passado perdem força e os desejos do futuro ganham corpo"
Após um primeiro dia fantástico com uma boa caminhada pelas "Pasarelas del Rio Mao", eu e a minha "Maria" resolvemos manter-nos por mais um dia na região e fazer-mos outro passeio pelas encostas do Rio Sil.
Saímos da pousada após um calmo e tranquilo pequeno almoço e fomos até Chandrexa, já nas proximidades de Parada de Sil para efetuarmos mais um passeio pedestre pelas "Augas Blancas y Rabacallos".
Estacionamos a viatura num parque defronte da igreja de Santa Maria de Chandrexa e ai demos inicio ao percurso que tinha preparado com alguma antecedência.
Por uma estreitinha estradinha "vecinal" passamos A Caseta, A Peña e Purdeus, entre bonitos bosques de castanheiros e chegamos a Calvos, um pitoresco lugarejo com situação priveligiada e panorâmica fantástica sobre o Rio Sil.
Sempre em sentido descendente e por um belo "sendero" rodeado de castanheiros e zonas de vinhedo, descemos ao rio, na zona em que forma o espetacular Encoro de Santo Estevo".
A partir daqui entramos num lugar simplesmente idílico, por um fantástico trilho sempre com as águas do Rio Sil aos nossos pés, com pequenas enseadas e locais de pura magia.
Mais à frente, passamos por um dos recantos mais bonitos de Parada de Sil, as Augas Blancas.
É um pequeno manancial de águas sulfurosas, noutros tempos conhecidas pelas suas propriedades medicinais e hoje quase esquecidas, completamente abandonadas e escondidas num local simplesmente magico.
Sempre envolvidos por belos e antigos castanheiros e carvalhos ladeando o Encoro de Santo Estevo, chegamos a Rabacallos, uma pitoresca aldeia e um miradouro priveligiado sobre o "encoro" e as suas escarpadas encostas, vestidas de  bonitos vinhedos, num axadrezado colorido.
Depois de cruzarmos a ponte sobre o Regato do Batán, entramos noutro bonito "sendero" em direção a "Entrambosrios"
Estávamos já nos 3 últimos quilómetros e como que a cereja no topo do bolo, fomos brindados com algo maravilhoso.
Uma trilha frondosa seguindo o" Ribero de Batán" repleto de pequenos saltos de água, passarelas e pontes de madeira, além de diversos moinhos, fruto da antigua atividade naquela zona.
Sempre em sentido ascendente, chegamos ao entoncamento para Entrambosrios e Chandrexa, seguindo para esta última.
Agora entre velhas hortas e velhos castanheiros, chegamos de novo a Chandrexa, de onde algumas horas antes tínhamos saído, para usufruir de um dos mais belos passeios pedestres que já fiz. . . e já fiz alguns.
Aquela zona ficou-me gravada na memória e a vontade de lá voltar vai de certeza criar essa oportunidade.
Depois deste belo passeio pedestre, resolvemos ir agora de carro, até La Pobra de Trives e subir à Cabeza de Manzaneda, descendo depois até ao Encoro de Montefurado por uma estreita estradinha particular, pertencente ao Grupo Iberdrola, bem curvilínea e com paisagens de encher o olho.
Estou já a preparar "qualquer coisa" para voltar aquelas paragens.
Chegamos à pousada um pouco cansaditos mas satisfeitos com o belo dia de passeio, quer pedestre, quer de carro.
Era agora altura de descansar um pouco e começar a preparar o dia seguinte, já noutras paragens.
Fiquem bem.
Vemo-nos na estrada, ou fora dela.
Beijos, abraços e apertos de mão.
Inté
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…