Avançar para o conteúdo principal

"Dia de BTT invernal"

Pensamento:
"É um dom ser capaz de reconhecer de um só golpe de vista as possibiidades do terreno"
"Napoleão Bonaparte"
.o0o.

Altimetria
Percurso Google
.o0o.
Logo pela manhã, cerca das 08h, espreitei pela janela e deparei com um dia de chuva e nevoeiro nada convidativo à prática do BTT, dizendo para comigo, "hoje não aparece ninguém".
Puro engano. Logo de seguida um sms do Filipe a dizer que estava pronto para a luta. Logo após, um telefonema do Pedro a dizer que também ia. Não tive alternativa, já éramos 3. Papei a malga dos "Corn Flakes" num instantinho e fui ter com a malta. Entretanto chegou o Daniel, que também não é de desistências e acabámos por ser 4 guerreiros, cujo inimigo iria ser a lama e as pedras escorregadias.
Derivado ao dia estar chuvoso e instável, resolvemos efectuar um percurso moderado sem grandes zonas técnicas, pois a lama e a água já nos iriam dar divertimento que chegasse.
Saímos pelas 09h15 com rumo à Lardosa, passando pela Atacanha, Santa Apolónia, Estação Alcains, Casal do Verdelhão, Seixeira e parámos na Lardosa para escorrer a água e lama já acumulada no "fatinho" e aquecer o "cabedal" com um cafézinho.
Depois da sujeira que fizémos no café, derivado à lama já acumulada na roupa e no "camelback", tirámos uma foto de grupo e rumámos à Barragem da Marateca, passando pelo Tanque, cruzámos a E.N.18, em direcção ao Monte Satão, fizémos umas centenas de metros na Estrada para o Louriçal e virámos à esquerda para o pontão no Rio Ocreza, na nascente da Barragem, novamente à esquerda para o Vale Paviola, Carrapiço, Fonte Nova e entrámos na Póvoa de Rio de Moinhos, não parando e seguindo em direcção ao Penedo do Corvo, onde o Daniel que já vinha há algum tempo com problemas na transmissão da bike, teve a infelicidade de se lhe partir a corrente.
O Filipe e o Pedro que tinham que ir trabalhar de tarde, seguiram destino, ficando eu com o Daniel . Colocámos um link de ligação na corrente e o problema ficou aparentemente resolvido, mas aquilo continuava a fazer barulho nas passagens de corrente, dando esticões no desviador e chupões na corrente, mas lá continuámos, tentando chegar a Castelo Branco.
Já à entrada da cidade, a corrente num ressalto, puxou o desviador, torcendo-o assim como o "drop out", pondo fim à tentativa do Daniel de chegar a casa a pedalar. Não havia nada a fazer senão empurrar a bicicleta até a casa. O Daniel telefonou então ao Pai para o ir buscar e eu continuei de bicicleta até casa.
Apesar destes pequenos precalços, que fazem parte do dia a dia de quem anda de bicicleta, foi uma manhã espectacular. Nada nos fez arrepender de ter saído. Nem a chuva, o nevoeiro inicial, as poças de água, a lama, as pedras escorregadias, nada. Foi um gozo danado, fazer gincana durante todo o percurso, com a bicicleta a atravessar-se constantemente na água e lama e esperar a todo o momento o "espojanço". Toda a malta se aguentou em cima da máquina, foi giro.
Com todos estes contratempos, acabei por chegar a casa pelas 14h, com 63 kms percorridos e uns quilos de lama no fato. Ainda bem que a minha Maria não estava em casa. Se me visse naquele estado...???????????
Hoje, derivado ao dia chuvoso e estado dos terrenos, apenas tirei 2 ou 3 fotos logo no início, para não danificar a máquina, que tive que acondicionar e guardar.

.o0o.

Ribeira de S. Bartolomeu

A caminho da Lardosa

Quando m.... um português..!!!!!

Foto de grupo

bicla de serviço

.o0o.

"Terça feira, 20 há mais. Apareçam. Saída às 09h do P. Infantil na Pires Marques"

.o0o.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…