Avançar para o conteúdo principal

"Lamiré sobre a Maratona de Castelo Branco # Parte II"

Pensamento:
"Eu não desejava a vitória, mas a luta"
"August Strindberg"

.o0o.


Percurso no Google




Altimetria

.o0o.

2 dias antes, éramos 12.
Hoje, à partida, 5.
Conclusão: 7 virtuais, 5 reais.
Como alguém comentou hoje durante o trajecto e que me abstenho de nomear: "Poucos mas bons".
A manhã adivinhava-se límpida e solarenga"
Pelas 08h, lá comparecemos junto à sede da ACCB, aos Buenos Aires, eu (AC), o Nuno Maia, o Filipe, o Mário Benjamim e o José Maria, hoje um pouco adoentado, o que o obrigou a um esforço mais intenso. Uma atitude pouco prudente, talvez, mas que mereceu o nosso respeito.
Agregámos o reboque à carrinha, carregámos as "biclas" e lá fomos até Monforte, nomeadamente, até às bombas de combustível na Devesa. Estacionámos a carrinha e fomos tomar um cafézinho no bar das bombas, conversámos um pouco e demos início ao que ali nos levou. A preparação da última parte do percurso da II Maratona de Castelo Branco.
Tudo pronto, rodas colocadas e apertadas e toca a pedalar em direcção à bonita igreja de Nossa Senhora da Ajuda, Padroeira de Monforte da Beira e em cujas traseiras será efectuado o 3º. abastecimento. Dalí partimos por uma longa rua de empedrado típico que dá acesso à serra por trilhos entre muros e pedra granítica e soalheiros olivais, para depois descermos por um outro trilho entre matagal composto essencialmente por estêva, giesta, carqueija e urze, onde a velocidade deve ser moderada, até ao eucaliptal que começaremos por circundar por um estradão corta fogo em subida suave e não muito longa até nos depararmos, após curva à direita , com uma descida inclinada de cerca de cem metros com nova curva à esquerda a 90 graus, que nos aconselha a chegar o "rabinho" para trás.
Entrados no eucaliptal sempre em descida suave, deixámo-lo com nova descida com graduação negativa, quanto baste, para nos encostarmos à ribeira e que nos proporcionou alguns dos melhores kms do percurso, pelo menos na parte que me toca, onde os trilhos são pouco definidos e requerem um pouco da nossa imaginação e cuja mãe natureza nos criou mais umas dificuldadezitas, com a última intempérie, daquelas que a gente até gosta, para treinarmos um pouco mais os nossos dotes técnicos, tornando assim o "albitrack" mais interessante.
Seguidamente entrámos em estradão que nos levou até até à Ponte Medieval do Rio Ponsul" com algumas passagens que requerem um pouco da nossa atenção e talvez umas meiazinhas "Sealkinz", aconselhadas nesta época do ano.
A nível paisagístico, uma surpresa agradável. Após deixarmos azinhais de montado da zona de Malpica e os eucaliptais e olivais de Monforte em cuja serra, ao olharmos para trás, deparamos com a aldeia no fundo da encosta, que parece contemplar todo o vale, desde a Deveza até para os lados do Ladoeiro.
Em frente, ao longe, a colina que parece abraçada pela cidade de Castelo Branco, antecedida pelo verdejante Vale do Ponsul, cujo rio serpenteia, qual ébrio caminhando, até encontrar a sua foz lá para os lados do Monte Fidalgo, onde despeja as suas águas, ainda não poluídas, no Tejo Internacional.
O rio, esse acompanhámo-lo durante alguns kms até à ponte medieval, onde com pena nossa o abandonámos, para nos dirigir-mos até à cidade, nosso ponto final.
Contudo, no casario, junto à ponte, outrora bastante movimentado por pescadores ,caçadores, veraneantes e mais recentemente por bttistas e motoqueiros, onde fomos beber uma "bjeca" à tasca da "Ti Amélia", última resistente daqueles tempos áureos de convívios em "grupetas" que ali se juntavam para saborearem a "Miga de Peixe" à moda da "Ti Amélia" e o respectivo "barbo" frito com azeitona do lavrado e nesta altura do ano, o "Buxo de Porco" à moda de Malpica e enchidos a condizer. Enfim, antiguidades.
Como estas iguarias, para alguns, já pertencem ao passado naquele local, atacámos então a bem adulta "sandocha de presunto" gentilmente cedida pelo "Nuno Maia" (já te deves ter arrependido, mas enfim, um terço já cá canta).
Baterias carregadas, dois dedos de conversa com a Ti Amélia e retomámos então a nossa jornada, naquele que, será certamente um dos troços mais esforçados pela subida que los leva até ao Forninho do Bispo.
E foi por aí, que a minha "MAV" deu a nega, afocinhando num charco de lama bem pegajoza e disfarçado, vulgo "lapacheiro", aventando-me pela "crina". Já em pé, com o orgulho ferido pelo "espojanço" que pior ainda, foi presenciado por alguns, cujos lábios se "escarrapacharam" em largo sorriso. GRRRRRRRR.!!!!!!, tentava deseperadamente puxá-la do seu "acame", tendo mesmo de recorrer às duas mãos e uma boa dose de força muscular. Não deve ter gostado da subida. Mas não havia necessidade, hoje nem levava "esporas".
Posto isto, devorámos os últimos kms e na Sra de Mércules derivado ao adiantado da hora, optámos por concluir em alcatrão, desagrupando na Boa Esperança, onde cada um seguiu o seu destino.
Esta última parte tem 31 kms e um acumulado positivo de 683m, que concluímos cerca das 14h.
Bom, meus amigos, tirando estes "divagandos", foi uma jornada espectacular que juntando as restantes, gostaria de partilhar convosco no dia 31 de Março.
Quem vier, vai certamente ficar com vontade de cá voltar. Uma coisa vos garanto. Não tendo o "plafond" dum "Portalegre" ou dum "Grândola 100" entre outros, nem grandes parcerias, nem abundância de subsídios, que possam colmatar tudo aquilo que gostaríamos de vos oferecer, temos sim, trilhos loucos para desfrutarem e disparar os vossos níveis de adrenalina, paisagens grandiosas para uns, apenas bonitas para outros, camaradagem para vos acompanhar, o essencial para vos garantir segurança e estabilidade durante a vossa prova/passeio e qualidade quanto baste nos abastecimentos e em todas as situações, mesmo inopinadas durante o percurso e mesmo fora dele, basta contactarem-nos e sobretudo, vão seguramente enriquecer o vosso album de amizades e eu pessoalmente, serei um forte candidato.
No fundo todos nós pertencemos à irmandade do "crank" e o BTT é o nosso elo de ligação.
Para ajudar a digerir esta "seca" aqui vão umas quantas foto do nosso percurso de hoje.
AC


.o0o.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…