Avançar para o conteúdo principal

"De volta à lama"



Gráfico de Setembro


.o0o.
Pensamento:
"No meio de qualquer dificuldade encontra-se a oportunidade"
(Albert Einstein)



Altimetria

.o0o.
Manhã bastante ameçadora de chuva e um augúrio para o inverno que se aproxima.
Ainda assim, levantei-me pelas 07h e preparei-me para ir dar uma volta de btt com os amigos, pois pelo menos o Micaelo, dissera que iria ter à Pires Marques na terça.
Saí de casa pelas 07h55 e logo à saída da garagem encontro o Filipe e fomos juntos.
Já na Pires Marques e quando falávamos na minha nova aquisição, uma Seven Denali em titanio, que a partir deste momento sou um orgulhoso proprietário, eis que chega o Micaelo.
Já éramos 3.
Quando nos aprestávamos para saír chega o Dino, mas que desta vez trocou a bike pelas sapatilhas para treinar corrida e ia ao encontro do Martim.
Pouco depois apareceram os dois, alegando que não íam connosco por terem compromissos ao meio da manhã.
Bom, lá seguimos eu, o Micaelo e o Filipe em direcção ao sempre bonito Vale do Ponsul, fazer uma visita ao rio.
Saímos da cidade pelo single das Palmeiras e rumámos à Rebouça, descendo seguidamente para o Monte Sordo, onde entrámos no estradão para o Monte do Pombal.
Hoje de HT Seven, foi uma experiência diferente, tanto mais que a lama já se apossou da maior parte dos trilhos, nomeadamente nas zonas baixas, ou pequenos declives e todos os ribeiros e barrocas já levam bastante água, dando origem a que, as até aqui passagens fáceis, se tornassem agora zonas mais tecnicistas e divertidas.
Foi uma brincadeira constante durante todo o percurso com as peripécias das biclas na lama.
Uma manhã deveras divertida e onde o stress ficou arredado destes três "marmanjos" que hoje resolveram sujar o "fatinho". O pior é ouvir as "Marias" quando chegamos a casa.
"Oh Filipe, não estou a falar de ti. Ok!!eheheh"
No Monte do Pombal, encostámos ao Rio Ponsul, cuja paisagem é agora diferente com a retorno das águas pluviais.
Por alí ziguezagueámos até rumarmos à Casa do Estrelo, zona onde ainda se encontra maquinaria no corte e carregamento de madeira de eucalipto vitimada pelos fogos de anos anteriores.
Subimos do Estrelo por um trilho fintando as "estêvas", até que chegámos ao estradão que vem de Belgais, que cruzámos e continuámos, tornando a subir pelos Montes dos Quintalréis, de Cima e de Baixo, a que a malta do BTT CTB baptizou de "Carrossel" e sempre em subida chegámos ao Monte da Capa Rota.
Como ainda era cedo, decidimos virar à direita para a Fonte Santa e daí ao Monte Brito, onde apanhámos o trilho para a Herdade do Curral do Prego, Alagão e entrámos na cidade pelas Fontainhas, cerca das 12h15, com 39 kms percorridos a baixa velocidade, que o piso hoje estava escorregadio e a malta já perdera um pouco a prática de "biclar" em terrenos enlameados.
Efectuámos ainda uma paragem, já quase obigatória, quando a entrada é por aquelas bandas, no Bar da Boa Esperança para abastecimento líquido.
Bjecas para mim e para o Micaelo e "Coca" para Filipe.
Dalí até casa já foi sempre debaixo de chuva, que nos poupou durante toda a manhã, apesar das constantes ameaças.
Um dia diferente de btt, com a lama a dificultar a progressão e a proporcionar diversão com as constantes peripécias do "ái que cais", ou, "ainda não foi desta", com excepção do Micaelo que embirrou que havia de cair só na "ervinha fofa". Menino esperto. Heim!!! Na próxima vê se cais na "charca qu'é p'ra malta se divertir" eheheh

Este fim de semana vou dar uma volta com a família e amigos à "tierra de nuestros hermanos".

Até à próxima terça.
Fiquem bem
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…