Avançar para o conteúdo principal

"De volta à lama"



Gráfico de Setembro


.o0o.
Pensamento:
"No meio de qualquer dificuldade encontra-se a oportunidade"
(Albert Einstein)



Altimetria

.o0o.
Manhã bastante ameçadora de chuva e um augúrio para o inverno que se aproxima.
Ainda assim, levantei-me pelas 07h e preparei-me para ir dar uma volta de btt com os amigos, pois pelo menos o Micaelo, dissera que iria ter à Pires Marques na terça.
Saí de casa pelas 07h55 e logo à saída da garagem encontro o Filipe e fomos juntos.
Já na Pires Marques e quando falávamos na minha nova aquisição, uma Seven Denali em titanio, que a partir deste momento sou um orgulhoso proprietário, eis que chega o Micaelo.
Já éramos 3.
Quando nos aprestávamos para saír chega o Dino, mas que desta vez trocou a bike pelas sapatilhas para treinar corrida e ia ao encontro do Martim.
Pouco depois apareceram os dois, alegando que não íam connosco por terem compromissos ao meio da manhã.
Bom, lá seguimos eu, o Micaelo e o Filipe em direcção ao sempre bonito Vale do Ponsul, fazer uma visita ao rio.
Saímos da cidade pelo single das Palmeiras e rumámos à Rebouça, descendo seguidamente para o Monte Sordo, onde entrámos no estradão para o Monte do Pombal.
Hoje de HT Seven, foi uma experiência diferente, tanto mais que a lama já se apossou da maior parte dos trilhos, nomeadamente nas zonas baixas, ou pequenos declives e todos os ribeiros e barrocas já levam bastante água, dando origem a que, as até aqui passagens fáceis, se tornassem agora zonas mais tecnicistas e divertidas.
Foi uma brincadeira constante durante todo o percurso com as peripécias das biclas na lama.
Uma manhã deveras divertida e onde o stress ficou arredado destes três "marmanjos" que hoje resolveram sujar o "fatinho". O pior é ouvir as "Marias" quando chegamos a casa.
"Oh Filipe, não estou a falar de ti. Ok!!eheheh"
No Monte do Pombal, encostámos ao Rio Ponsul, cuja paisagem é agora diferente com a retorno das águas pluviais.
Por alí ziguezagueámos até rumarmos à Casa do Estrelo, zona onde ainda se encontra maquinaria no corte e carregamento de madeira de eucalipto vitimada pelos fogos de anos anteriores.
Subimos do Estrelo por um trilho fintando as "estêvas", até que chegámos ao estradão que vem de Belgais, que cruzámos e continuámos, tornando a subir pelos Montes dos Quintalréis, de Cima e de Baixo, a que a malta do BTT CTB baptizou de "Carrossel" e sempre em subida chegámos ao Monte da Capa Rota.
Como ainda era cedo, decidimos virar à direita para a Fonte Santa e daí ao Monte Brito, onde apanhámos o trilho para a Herdade do Curral do Prego, Alagão e entrámos na cidade pelas Fontainhas, cerca das 12h15, com 39 kms percorridos a baixa velocidade, que o piso hoje estava escorregadio e a malta já perdera um pouco a prática de "biclar" em terrenos enlameados.
Efectuámos ainda uma paragem, já quase obigatória, quando a entrada é por aquelas bandas, no Bar da Boa Esperança para abastecimento líquido.
Bjecas para mim e para o Micaelo e "Coca" para Filipe.
Dalí até casa já foi sempre debaixo de chuva, que nos poupou durante toda a manhã, apesar das constantes ameaças.
Um dia diferente de btt, com a lama a dificultar a progressão e a proporcionar diversão com as constantes peripécias do "ái que cais", ou, "ainda não foi desta", com excepção do Micaelo que embirrou que havia de cair só na "ervinha fofa". Menino esperto. Heim!!! Na próxima vê se cais na "charca qu'é p'ra malta se divertir" eheheh

Este fim de semana vou dar uma volta com a família e amigos à "tierra de nuestros hermanos".

Até à próxima terça.
Fiquem bem
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…