Avançar para o conteúdo principal

"Vêr a Gardunha de perto"

Pensamento:
"A juventude não é uma época da vida, é um estado de espírito"
(provérbio chinês)

Altimetria
.o0o.
Numa belíssima manhã de Outono, fomos cinco os que se juntaram na Pires Marques para mais uma voltinha das "terças". AC, Filipe, Micaelo, Dino e Martim.
Face à homogeneidade do grupo de hoje, resolvemos estender o vício de "rodar o crank" e fomos ver de perto a bonita Serra da Gardunha, pisando as suas faldas.


Saímos da cidade pelas 08h15 pelo portal do frigorífico e rumámos ao Vale da Torre, passando por Sta Apolónia, hortas de Escalos de Cima e cruzámos a N.18-7 para apanhar os estradões para a Ribeira do Vale do Freixo, que ladeámos para enconstar à Ribeira de Alpreade, onde deparámos com as primeiras dificuldades "humidificantes" na passagem de algumas ribeiras, já com água em abundância, provocando algumas cenas engraçadas e por vezes mesmo hilariantes nas travessias pouco elegantes, efectuadas por estes "singelos" protagonistas de hoje e não me refiro aos que não quiseram molhar o "sapatinho" e a "meinha"


Deixámos Alpreade e atacámos a primeira e principal subida do dia, sem nada de especial, apenas algo longa e acessível a qualquer betêtista que não pedale só nos dias de passeios e almoçaradas.
Mudando de posição, foi quase sempre a descer até ao Vale da Torre, onde entrámos por um trilho espectacular, que sendo estreito, entre muros e com bastante pedra solta, foi também muito divertido.


Na aldeia parámos no Café do Clube local para o cafézinho da praxe e dois dedos de conversa.
Dalí partimos em direcção à Póvoa da Atalaia por belos trilhos, alguns entre pomares de pessegueiros e não resistímos à paragem na ponte do Moinho, pela sua beleza e espectacularidade.
São entre outros motivos, estes pequenos paraísos existentes algures por aí, que me movem e me dão prazer em andar de "bike", em busca desses lugares, independentemente do local onde se encontrem, quer seja em zona de difícil acesso, ou mesmo alí à mão de semear.
Apenas quero desfrutá-lo enquanto não for descoberto pela maquinaria industrial.
Dalí até à Atalaia foi um saltinho, onde após passarmos a ponte, que creio ser de estilo romano, virámos à esquerda para o Louriçal do Campo.


Antes desta localidade, virámos novamente à esquerda para entrarmos no estradão que nos levou à Soalheira.
Atravessámos a povoação e entre hortas e pomares pedalámos até cruzarmos a N.18 para os trilhos em direcção à Lardosa seguindo depois em direcção a Alcains, que também cruzámos e onde entrámos no percurso com que inicámos a volta de hoje, até chegarmos à cidade, pelas 13h15, com 77 kms percorridos, hoje em bom ritmo.


Hoje levei a minha Seven HT de titânio, que apesar de mais absorvente que o alumínio, ainda assim me massacrou o "rabinho" e isto também porque o terreno por onde hoje pedalámos era um pouco árido e duro.
Em certos trechos do percurso, senti saudades da minha Trek Fuel Ex9.5, mas de vez em quando também gosto de abanar o cortiço para não amolecer, mas na próxima saída vou de Trek.
Fiquem bem
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…