Avançar para o conteúdo principal

"GR22 - Monsanto/Castelo Novo"

Objectivo cumprido!!!
Foi neste passado domingo que conclui a Grande Rota das Aldeias Históricas, com o culminar da sétima e ultima etapa que ligou a mais portuguesa aldeia de Portugal . . . Monsanto, à lindíssima aldeia de Castelo Novo, aquela que serviu de lançamento para esta aventura de puro Btt.
Convidei para me acompanhar nesta GR os meus amigos Silvério, o grande animador desta aventura, o meu irmão Luís, que com este evento certamente subiu de escalão no Btt e o Carlos Sales, que por razões profissionais deixou por concluir práticamente metade da Grande Rota, mas a seu tempo e caso seja seu desejo, certamente que a concluirá e eu, de boa vontade o acompanharei.
Acompanhou-nos ainda o João Valente, que me contactou e mostrou grande interesse em fazer parte do grupo e claro, como não poderia deixar de ser, foi o quinto elemento e o último a compôr este quinteto de aventureiros ávidos de acção e emoção que com as nossas companheiras, metálicas ou carbónicas, isso não é importante, percorreram este percurso circular, conheceram e, ou recordaram, estas dez aldeias históricas e muitas outras, também elas bem bonitas e repletas de simplicidade e misticismo e nos engrandeceram com a sua história e enriqueceram na forma como nos proporcionaram este deambular por terras beirãs, pois a busca de aventura e conhecimento, reside na mente de cada um, em maior ou menor escala, mas ele existe, está lá, apenas é necessário abrir-lhe a porta de vez em quando e deixá-lo "pintar a manta" e sentir de novo a criança que há em nós.
Não somos por isso mais imaturos, ou menos zelosos dos nossos deveres, apenas mais ricos no conhecimento e no conteúdo.
Deixo aqui também uma palavra de apreço e agradecimento aos nossos motoristas de ligação, a que chamámos de "inter-aldeias", nomeadamente, à minha esposa, ao Fidalgo, ao Micaelo, ao Pinto Infante e ao Pedro, que com a sua disponibilidade e colaboração, contribuiram para que esta aventura se concretizasse sem sobressaltos. . . O MEU BEM HAJA!!!
Mas deixemo-nos de prosa!!!
Como sempre o nosso fiel motorista e animador, o Silvério, lá apareceu com a Old VW Transporter, para isso mesmo, para nos transportar para a derradeira etapa.
Carregámos as últimas bikes, a minha e a do meu irmão Luís e o resto da tralha e rumámos a Monsanto.
Depois da azáfama e da foto da praxe, demos início à primeira descida e após duas centenas de metros em asfalto, virámos à direita junto ao Posto da GNR, para entrarmos na calçada romana que nos levou até à Deveza.
Aí, o Silvério sentiu-se apertado e teve que ir rápidamente mandar um "fax" , entenda-se necessidade fisiológica, e como só costuma tirar a camisola em público, desapareceu e foi despir os calções atrás duma qualquer parede ou moita, sabe-se lá.
O que é certo é que já andava toda a gente em busca de tal personagem, que mais tarde lá acabou por aparecer, agora bastante mais aliviado.
Seguimos então até Idanha-a-Velha, antiga capital da Egitânea, onde parámos para comer algo sólido e sorver uns líquidos, pois a temperatura andava pelos 40 graus.
Ainda comecei a beber uns Ice Tea's, mas depressa mudei para bebida com nome nacional e feita à base de cereal e ainda mais, porque agora é uma das grandes patrocinadoras do Benfica, o tal, o dito cujo, o campeão (talvez este ano) eh eh eh!!!
Saímos de Idanha-a-Velha agora em direcção à Aldeia de Santa Margarida e foi nessa ligação que práticamente encontrámos a maior dificuldade do dia com uma subidita a fazer-nos inclinar a pala do capacete e sombrear o ciclómetro.
Depois foi quase sempre a rolar até aquela povoação, com mais uma paragem para arrefecer os radiadores.
A aldeia da Orca era o objectivo seguinte e foi nesse troço, por sinal um dos mais bonitos, para mim, claro, que o João Valente teve um desentendimento com a sua bike, acabando por ir cada um para seu lado, isto na descida para a estrada que liga S.Miguel D'Acha a Vale Prazeres.
Mas lá se entenderam de novo, voltando a juntar-se e ainda bem que assim foi, ficando o João mais mal tratado, com umas escoriações e o fatinho mais arejado. eh eh eh!!!
Mais um para a lista do Fidalgo, na aquisição da 2ª. via do equipamento do Btt Castelo Branco.
Com mais uma paragem na Orca e enquanto o João lavava as feridas, as exteriores claro, pois as interiores são lavadas com o tempo, os restantes abancámos num café mesmo defronte ao fontanário para manter o radiador a baixa temperatura.
Seguimos então para a Atalaia do Campo e Póvoa da Atalaia, com outra pequena paragem, onde desta vez, só eu e o meu irmão Luís traziamos temperatura anormal, os restantes contentaram-se com uns minutos de sombra.
Castelo Novo estava já a pouco mais de meia duzia de kms e já se vislumbrava acantonada nas faldas da Serra da Gardunha, animando-nos e fazendo-nos pensar já no almocinho que pretendíamos degustar no Restaurante o Lagarto, logo que alí chegássemos.
E assim foi, mas os últimos kms, não sei se por cansaço, ou se por pouca vontade de acabar já esta excelente aventura, foram bastante lentos, e isto, porque o meu irmãoi Luís já vinha mesmo na reserva e aqueles poucos kms que faltavam ainda por cima eram a subir.
Foi com alguma emoção que voltei a ver aquela fonte de água pura e cristalina que cai e respinga naquela antiga pia de granito e me fez recordar a saída e a adrenalina da partida para a primeira etapa.
Depois dum banhinho "à porco" naquela água bem fresquinha, mudei o fatinho e com os meus companheiros, tomei lugar à mesa do citado restaurante para uma reconfortante refeição bem regadinha com um tintinho Touriga Nacional que ajudou a empurrar o arrozinho de pato.
Muita conversa, um blá blá blá sobre novas aventuras, contas á moda do Porto e regressámos à nossa cidade, a também bonita cidade de Castelo Branco, onde nos despedimos com um até sempre e encontramo-nos por aí nos trilhos.


Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Passeio mototurístico ao Cú da Mula"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
No domingo, inserido num grupo de amigos, fomos fazer um passeio mototurístico ao "Cú da Mula", um pitoresco restaurante na Golegã. Assim, na companhia do Carlos Marques, Carla Paulo, José Paulo, Rafael Riscado, Paulo Santos, João Mendes e António Santos, rumamos à Golegã, uma bonita vila situada na lezíria ribatejana, numa área privilegiada pela natureza e atravessada pelos rios Tejo e Almonda. O Ponto de encontro foi na Padaria do Montalvão na zona industrial, pelas 08h00. Já com a malta reunida e com a primeira dose de cafeína no corpinho, fizemo-nos à estrada, pela N3 e IC8 até à Sertã, onde entramos na velhinha N2 até Vila de Rei. Aqui fizemos uma pequena visita ao Centro Geodésico de Portugal, situado no Pico da Melriça a 600 metros de altitude e que nos permite uma visão a 360 graus sobre um horizonte vastíssimo, onde se destaca a Serra da Lousã e com tempo limpo a Serra da Estrela. Neste local ex…