Avançar para o conteúdo principal

"Pelos Vales de Mendares e Pousafoles"

Nesta quarta feira algo cinzenta com previsões de chuva, lá me decidi ir até à Pires Marques para a voltinha semanal de Btt.
Hoje apenas saí porque sabia que o Filipe estaria por lá á minha espera, pois a vontade era pouca e estava um pouco dorido e sentia-me cansado.
Mas nada melhor que o contacto com a natureza para apaziguar esta "maleitas".
Assim, pelas 08h lá estava eu a chegar ao local de encontro e dou com o Filipe a olhar para o novo instrumento montado na sua bike, um gps emprestado por um amigo, tentando desvendar o mistério daqueles risquinhos que preenchem o ecrã do dito.
Dois dedos de conversa e quando já nos aprestávamos para partir, eis que aparece outro companheiro, também ele useiro e vezeiro deste vício "beteteiro" . . . o Mike, montado na sua alva "trekinha".
Com o Filipe tinhamos apalavrado ir dar uma volta lá para os lados da Marateca, em percursos menos sinuosos, mas com a chegada do Mike, deu-me na gana de ir em busca de outros trilhos e outros lugares.
Saímos em direcção à Tapada das Figueiras e Monte da Maçana, onde apontámos os guiadores ao Rouxinol para descermos seguidamente para a Ponte de Ferro.
Seguiu-se a magana daquela subida à Capela de Sto António e eu hoje com pneus mais estreitos e com câmara de ar, logo com mais psi's, com a bike rígida e hoje com pouca garra, custou-me um pouco, aliás como todo o percurso.
Como quase sempre, levámos "tampa" no café junto à igreja no Palvarinho e onde pretendíamos beber a dose matinal de cafeína, ficando esta adiada para mais tarde.
Dalí rumámos ao açude do Vare Jorge, agora sem água e com passagem facilitada, mas para lá chegar a coisa complicou-se um pouco com o corte dos eucaliptos que me baralharam momentâneamente numa passagem agora desaparecida, mas a situiação foi prontamente resolvida, recorrendo ao gps encefálico com ecrã visual.
A descida para o açude encontra-se bastante perigosa, com regos e madeira deixada nos trilhos aquando do corte das árvores . . . assim se encontrasse a subida para os Pereiros, pois havia desculpa para empurrar a bike naquela parede de duas centenas de metros, com continuação mais suave até à aldeia.
Passámos ao lado dos Pereiros e com passagem na Mendares pedalámos ziguezagueando o vale até à Malhada do Servo, onde chegámos por um sombreado pinhal, mas vencendo outra arfante subida.
Cruzando a aldeia pela rua principal, descemos à ribeira e novamente subímos um pouco para o vale onde se situam as aldeias da Grade, Pousafoles e Vale Ferradas e passando esta última, rumámos ao Chão da Vâ, onde pretendíamos efactuar uma paragem no café local para abastecimento sólido e líquido, bem fresquinho.
Mas hoje era dia de "tampas" e o café estava também fechado, pelo que continuámos e parámos nas passadouras do Rio Tripeiro onde comemos algo mais sólido e tirámos a foto da praxe.
Já mais aconchegadinhos continuámos por trilhos diversificados em direcção ao Juncal que ladeámos pela zona das hortas e subimos ao Freixial por outra "penante" subida, com a ajuda da incansável "avózinha".
Já em terrenos mais rolantes chegámos a Caféde, onde parámos no Café da simpática D. Júlia, onde nos refrescámos finalmente com um par de bebidas frescas.
Com a travessia bonita passagem nas passadouras da Rabaça passámos para a outra banda e com a chegada a Alcains, estava quase concluída a nossa manhã de Btt de hoje.
Em asfalto desde Sta Apolónia até à Atacanha, serviu para moderar um pouco os abanicos dos duros trilhos de hoje.
Após 74 kms de bonitos trilhos e um excelente enquadramento paisagístico, aliado à passagem por algumas tranquílas aldeias cá bem do nosso interior, chegámos à cidade, onde nos despedímos com a promessa de novas aventuras.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…