Avançar para o conteúdo principal

"Transpirenaica"


TRANSPIRENAICA, um sonho antigo, ainda não realizado por falta de companhia, pois para uma aventura deste tipo, seria ideal ter um parceiro, no mínimo, com companheiro nesta duríssima jornada, repartida por seis etapas.

Mas sou um indivíduo obstinado nestas coisas de aventuras, para mais tarde recordar e quando as pernas se começarem a negar, restarão as boas recordações das muitas e belas aventuras que consegui concretizar, a solo e na companhia de amigos, ou de companheiros ocasionais.

A uma conclusão já cheguei . . . a esta rapaziada cá do sítio, não é facil sacudir-lhes a areia das praias lá dos Algarves, ou outras, e isto, porque boas férias, só em duas posições . . . de papo ou de rabo para o ar . . . bem untado com um bronzeador com um nível 40 ou 50 e umas bjecas lá para a tardinha acompanhando uma boa lambujinha.

Mas a verdade, verdadinha, é que já não me contento com isso e para mim, pegar numa das minhas bikes e fazer um raid, uma maratona (à minha moda), uma ligação ou uma travessia, faz-me sentir vivo e que os anos vão passando e que eu continuo a alhear-me desse facto, buscando aventura e adrenalina em longas viagens, controlada, e no final do dia reviver as horas passadas na companhia da bike, neste caso da minha asfáltica, pois vai ser ela a minha fiel companheira nestas centenas de kms.

Vou iniciar esta aventura na próxima terça feira às primeiras horas da manhã, em viagem para Argelés-Sur-Mer, junto ao Mar Mediterrânio, onde chegarei na quarta feira, pois vou ficar lá para a zona de Calatayud, ou LLeida e retomar a viagem no dia seguinte, esperando chegar ao destino ao início da tarde.

Dia 3 inicio esta bonita travessia pedalando a solo, na companhia das minhas duas filhas, que serão o meu apoio, com partida de Argelés-Sur-Mér, junto às praias e com destino a Mont Louis, final da primeira tapa,.

Dia 4 será a segunda etapa, que ligará Mont Louis a Tarascon-Sur Ariége, seguindo-se no dia 5 a terceira etapa que finalizará em Bagnéres de Luchon. No dia 6 partirei para a quarta etapa, talvez a mais dificil, com a transposição do Col D'Aspin e do terrorifíco Col du Tourmalet pela sua pior vertente, a de La Mongie, terminando em Luz Saint Sauveur. Para a penúltima etapa, no dia 7 a longuíssima e bastante dura subida ao Col D'Aubisque, em continuação do Col du Soulor, vão certamente exigir de mim um espírito de sacrifício que espero estar à altura de suportar, para finalmente chegar a Montory, final desta duríssima etapa. A última etapa será a mais longa e terá apenas o Col D'Osquich como principal dificuldade, mas o desgaste acumulado torná-lo-á certamente bem mais difícil e a chegada a St Jean de Luz já a cheirar a maresia do Cantábrico, porá fim a esta minha aventura, que espero estar à altura de concluir.

Conhecendo-me como conheço, sei que só uma grande anormalidade me impedirá de concretizar mais esta obstinação da travessia de toda a Cordilheira Pirenaica a solo, transpondo as 21 passagens de montanha que completam o percurso seleccionado.
Quando chegar, lá para o dia 10 postarei aqui o relato desta minha aventura.

Até lá,
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Silvério disse…
Grande António
Bem que gostava de ser o tal amigo que te falta nessa maravilhosa aventura. Neste momento de uma coisa estou certo, que tudo farei para participar numa próxima aventura deste calibre.
Tudo de bom e um grande abraço.
FORÇA
Silvério
disse…
Sr. Cabaço,

Só hoje dia 4 é que vi este post. É uma grande aventura a que está a fazer. Espero que tudo corra pelo melhor. Fico à espera, muito curiosa, pelos relatos dessas longas e maravilhosas jornadas.

Até breve.
Teresa Martins
L disse…
Caro AC,
Bem, fiquei "de rastos" só de ler! Espero que corra bem e ficamos todos a aguardar o relato dessa grande aventura.
Boa sorte!
LR
(BikesTrilhoseTralhos)

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…