Avançar para o conteúdo principal

"Transpirenaica"


TRANSPIRENAICA, um sonho antigo, ainda não realizado por falta de companhia, pois para uma aventura deste tipo, seria ideal ter um parceiro, no mínimo, com companheiro nesta duríssima jornada, repartida por seis etapas.

Mas sou um indivíduo obstinado nestas coisas de aventuras, para mais tarde recordar e quando as pernas se começarem a negar, restarão as boas recordações das muitas e belas aventuras que consegui concretizar, a solo e na companhia de amigos, ou de companheiros ocasionais.

A uma conclusão já cheguei . . . a esta rapaziada cá do sítio, não é facil sacudir-lhes a areia das praias lá dos Algarves, ou outras, e isto, porque boas férias, só em duas posições . . . de papo ou de rabo para o ar . . . bem untado com um bronzeador com um nível 40 ou 50 e umas bjecas lá para a tardinha acompanhando uma boa lambujinha.

Mas a verdade, verdadinha, é que já não me contento com isso e para mim, pegar numa das minhas bikes e fazer um raid, uma maratona (à minha moda), uma ligação ou uma travessia, faz-me sentir vivo e que os anos vão passando e que eu continuo a alhear-me desse facto, buscando aventura e adrenalina em longas viagens, controlada, e no final do dia reviver as horas passadas na companhia da bike, neste caso da minha asfáltica, pois vai ser ela a minha fiel companheira nestas centenas de kms.

Vou iniciar esta aventura na próxima terça feira às primeiras horas da manhã, em viagem para Argelés-Sur-Mer, junto ao Mar Mediterrânio, onde chegarei na quarta feira, pois vou ficar lá para a zona de Calatayud, ou LLeida e retomar a viagem no dia seguinte, esperando chegar ao destino ao início da tarde.

Dia 3 inicio esta bonita travessia pedalando a solo, na companhia das minhas duas filhas, que serão o meu apoio, com partida de Argelés-Sur-Mér, junto às praias e com destino a Mont Louis, final da primeira tapa,.

Dia 4 será a segunda etapa, que ligará Mont Louis a Tarascon-Sur Ariége, seguindo-se no dia 5 a terceira etapa que finalizará em Bagnéres de Luchon. No dia 6 partirei para a quarta etapa, talvez a mais dificil, com a transposição do Col D'Aspin e do terrorifíco Col du Tourmalet pela sua pior vertente, a de La Mongie, terminando em Luz Saint Sauveur. Para a penúltima etapa, no dia 7 a longuíssima e bastante dura subida ao Col D'Aubisque, em continuação do Col du Soulor, vão certamente exigir de mim um espírito de sacrifício que espero estar à altura de suportar, para finalmente chegar a Montory, final desta duríssima etapa. A última etapa será a mais longa e terá apenas o Col D'Osquich como principal dificuldade, mas o desgaste acumulado torná-lo-á certamente bem mais difícil e a chegada a St Jean de Luz já a cheirar a maresia do Cantábrico, porá fim a esta minha aventura, que espero estar à altura de concluir.

Conhecendo-me como conheço, sei que só uma grande anormalidade me impedirá de concretizar mais esta obstinação da travessia de toda a Cordilheira Pirenaica a solo, transpondo as 21 passagens de montanha que completam o percurso seleccionado.
Quando chegar, lá para o dia 10 postarei aqui o relato desta minha aventura.

Até lá,
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Silvério disse…
Grande António
Bem que gostava de ser o tal amigo que te falta nessa maravilhosa aventura. Neste momento de uma coisa estou certo, que tudo farei para participar numa próxima aventura deste calibre.
Tudo de bom e um grande abraço.
FORÇA
Silvério
disse…
Sr. Cabaço,

Só hoje dia 4 é que vi este post. É uma grande aventura a que está a fazer. Espero que tudo corra pelo melhor. Fico à espera, muito curiosa, pelos relatos dessas longas e maravilhosas jornadas.

Até breve.
Teresa Martins
Unknown disse…
Caro AC,
Bem, fiquei "de rastos" só de ler! Espero que corra bem e ficamos todos a aguardar o relato dessa grande aventura.
Boa sorte!
LR
(BikesTrilhoseTralhos)

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…