Avançar para o conteúdo principal

"Rota do Sesmo e Malhada do Servo"

Aproveitando a disponibilidade do Nuno Eusébio, o meu companheiro de equipa para o "Trip Trail", fomos neste passado sábado efectuar o penúltimo treino de longa distância e com uma altimetria um pouco mais "puxada", sendo o último, o meu Raid agendado para dia 30 deste mês, numa distância a rondar os 160 kms.
O Silvério acompanhou-nos em cerca de metade do percurso, deixando-nos na Azenha de Cima para continuar sózinho até às Sarnadas de S. Simão, onde a família o aguardava.
Saímos como habitualmente da Pires Marques, pelas 08h00 e rumámos à Talagueira, tomando depois o estradão que acompanha a A23 até à Represa.
Parámos nos Amarelos para degustarmos um panike de chocolate e beber algo fresco, seguido da dose habitual de cafeína.
Já mais aconchegadinhos tomámos o rumo das Ferrarias, passando pela Carapetosa, onde descemos à Ponte sobre o Rio Ocreza numa rápida e longa descida.
Depois da arfante subida, continuámos, agora em direcção ao Vale da Pereira, com passagem pelo bonito local do Lagar do Carril, subindo à povoação pela longa subida em boa velocidade.
Esta rapaziada está a ficar em forma!!!
Continuámos depois serpenteando entre matas de eucaliptos, pinhal e extenso matagal, passando pelas aldeias do Vale das Ovelhas, e Cabeça Gorda até chegarmos à Cerejeira, pela bonita Baía da Couca.
A partir daí acompanhámos a Ribeira do Alvito para montante até à Azenha de Cima, pedalando por bonitos trilhos e desfrutando de magníficas paisagens.
Na Azenha de Cima deu-se a separação, seguindo o Silvério para as Sarnadas de S. Simão, onde até lá chegar o esperava ainda a bastante exigente subida à Serra do Muradal pela Barragem da Cardosa, após cruzar as povoações da Magueija e Pé da Serra. A esta hora ainda deve estar a soro. eh eh eh!!!
A mim e ao Nuno Eusébio coube-nos a subida à Serra do Magarefe, onde lá no alto fomos compensados por explêndidas paisagens e posteriormente com a adrenalínica descida até uma povoação de xisto abandonada, pois ali não vimos vivalma.
Atravessámos a ribeira e chegámos á Rapoula, continuando até à Azenha de Baixo para nos embrenharmos numa sequência de bonitos trilhos completamente abandonados, onde já há muitos anos por ali nada passa e que nos deu imenso gozo.
Chegámos à Malhada do Servo e continuámos a nossa aventura debaixo de temperatura tórrida passando pelas aldeias de Grade e Vale de Ferradas até chegarmos ao Chão da Vã, onde parámos no café local para o último abastecimento sólido.
Daí rumámos ao Juncal do Campo, Freixial, Tinalhas, Póvoa de Rio de Moinhos e Alcains, entrando na cidade com 120 kms pedalados em bonitas e diversificadas zonas, algumas bastante exigentes.
O Nuno Eusébio está já a atingir uma boa forma e uma boa maturidade na forma como já consegue gerir o esforço.
Um bom companheiro para umas pedaladas mais alargadas e com gosto pela aventura.

Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Luis Lourenço disse…
Bom dia

Mais uma bela volta.

Depois de vos encontrar e falando com os botões, percebi onde tinha passado, e que o que chamou aldeia abandonada, chama-se "montes do afonso" e é sim um amontoado de casas abandonado. Não tiveram a sorte que eu já aí tive de brincar com lontras. Não lhes passei a mão pelo "pêlo" mas foi quase!!!

1 abc,

se calhar preciso chateá-lo de questões dinanométricas.
Vuck Roger disse…
Caro companheiro de pedal, sou um seguidor deste blog, embora nunca tenha comentado. Até ao momento...

Acontece que no relato do seu último post passa por zonas bem minhas conhecidas, nomeadamente Freixial do Campo, Juncal do Campo, Tinalhas. Tenho família na zona! e costumo pedalar por aí.

Gostaria de saber se por um acaso tem um track de GPS desse percurso que efectuou e que estivesse interessado em partilhar.

Um abraço e obrigado. Continuarei a segui-lo!

Vuck Roger do Vacas Velhas MBT
(http://vvmbt.blogspot.com)
Anónimo disse…
un saludo desde españa, bonito blog. somos ginetas bikers.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…