Avançar para o conteúdo principal

"Ciclismo Randonneur"

Tomo a liberdade de transcrever na íntegra um post retirado d'OXICLISTA sobre a forma de ciclismo randonneur, muito original e a cujo desafio me alio, alargando-o aos puros aventureiros, ou simples "aprendizes".
AUDAX OFICIALIZADO
Os verticais Pedro e Albano cometeram a proeza de conseguir trazer para Portugal o Ciclismo Randonneur.
Defino este tipo de ciclismo de média e longa distância como aquele onde interessa atingir a meta ou objectivo, cada qual ao seu ritmo, mas aproveitando as descidas e minimizando o tempo de paragem.
Não cabem, em definitivo, aqueles ex-pseudo-profissionais que copiam os óculos ao Cipollini e os modos de vedeta ao Ricco.
Não cabem os cagões que fazem do ciclismo uma forma de exercer a respectiva personalidade pouco sofisticada, apertando na subida quando sabem que o colega está no limíte, ou que vão na roda durante 130 kms para a 300 metros da chegada para o almoço acelerarem o andamento, só para mostrarem que foram os primeiros a chegar.
O Ciclismo Randonneur ou Audax é para gente teimosa nos objectivos, inteligente na gestão dos meios, honesta nos métodos, solidária com os colegas e orgulhosa de chegar, mesmo em último lugar, desde que dentro do tempo limíte.
É uma forma completamente nova de pormos à prova o nosso carácter. E a nossa capacidade física. Noutros países, existe uma predominância dos escalões etários superiores aos 45 anos e muitas mulheres. Que, devagar, devagarinho, chegam ao fim como todos os outros.
Fazer 200 Kapas a 30 à hora há por aí muita gente. E a maior parte dela, boa gente. Mas fazer 300 Kapas a 22 à hora, ou 400 Kapas a 18 à hora...a ver vamos.
Publicamente assumo que, ou a pedalar, ou a trabalhar na preparação dos brevets, o Pedro Alves e o Albano Simões podem contar comigo. O que eles conseguiram é de tal modo relevante para esta forma de ciclismo alternativo que seria um desperdício terrível que a oportunidade se gorasse por falta de massa crítica. Conto com o No-Flats. Isto é à imagem dele. O Frinxas de certeza que vai adorar. O Torpedro, não sei. Ele tem que ver primeiro se arranja peúgas a condizer. O Vaza de certeza que alinha. Mais não seja para experimentar. O Cavaca e restante pessoal da Serra, muito provávelmente. Os farinheiras do Divor, em especial o Piteira e o Ricardo, que os outros não têm tempo. Até o manhoso do Napoleão se vai pôr à prova. Olhem quem...um desafio destes e o Napoleão a deixar passar a hipótese de escrever a crónica da vida dele...só quem não o conheça. Em Mangualde não sei nada do ZEL nem do Amandio há já uns meses. O Dr. Rui "Ozzi" Ferreira não tem tempo. Digo eu. Será uma pena. Mas temos o Gomes e os Azuribikes. O AC dos Trilhos. O Ribeiro lá de cima. Os Vergonhas, o Pedaladas (palpita-me que isto seja um fato à medida dele), o Benfiquista das Caldas, até o Rui "Apenantes" Ruim. Ele não vai resistir ao desafio. E outros que por aqui não refiro desde já apenas porque me esqueci e tenho que editar o poste, não posso ir ver caso a caso. Compreende-se, está bem?
Rapaziada, vamos lá passar a palavra. Anda por aí muita malta das maratonas de BTT que assumirá o desafio pessoal dos 300 kapas em estrada. E depois logo se verá se querem experimentar os 400 Kapas.
Pelo meu lado estou tramado. Agora que comprei uma mota, vou ter que começar a dar ao pedal novamente.
Parabéns Pedro e Albano. Já me está a doer o nalgueiro, ainda não me sentei nela.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Rota do Bucho/2016"

Pelo segundo ano consecutivo, resolvi editar a Rota do Bucho, com um passeio pelos trilhos de Malpica do Tejo, uma bonita aldeia onde tenho raízes, que termina à mesa com um belo bucho de ossos à boa moda malpiqueira. Convidei um "magote" de amigos, dos quais dezasseis disseram presente. O ponto de reunião, foi desta vez na Pastelaria Cantinho dos Sabores, na Rotunda da Racha, onde tomamos o cafézinho matinal. Pelas 08h20 partimos em pelotão auto rumo a Malpica do Tejo, onde o Rui e a Sandra Tapadas já nos aguardavam. A previsão era de vento forte e alguns aguaceiros e desta vez o S. Pedro não nos "despontou", mandou mesmo umas belas rajadas de vento e umas belas bátegas de água, que nos atingiram por três vezes, um pouco no início desta pequena aventura, sensivelmente a meio, quando estávamos à vista de um local de abrigo, a aldeia de Lentiscais e no final, em jeito de banho. Pelas 09h00, como planeado, abandonávamos a aldeia rumo ao Monte do Couto do Alberto, en…

"Hoje fomos à romaria"

A manhã acordou hoje límpida e solarenga, num bom incentivo para um bom par de pedaladas asfálticas. Quando saí da garagem já o Álvaro e o Leandro me esperavam. Juntos fomos até à Rotunda das Violetas, ao encontro do Luís Lourenço e do Nuno Eusébio. Pouco depois chegou o Jorge Palma. Para não perder a prática tive ainda que mudar a câmara de ar da minha roda traseira que vinha com um pequeno furo, originado por uma limalha. Já com a "ézinha" pronta a rodar, fizemo-nos à estrada, abandonando a cidade pela Milhã, rumo ao Juncal do Campo pela estradinha panorâmica da Quinta de Valverde. Cruzamos a aldeia e entroncamos na N.12, onde fletimos à direita, rumo ao Padrão, uma pequena aldeia que este fim de semana se encontra engalanada para a festa da Nossa Senhora da Saúde. Entramos na aldeia e fomos tomar o cafezinho matinal no bar junto ao adro da igreja, gentilmente servido por um senhor, creio que festeiro, que fez questão de oferecer os cafezinhos e que agradecemos. Descemos …

Alvaiade, Perdigão e Vila Velha de Rodão"

Hoje, com um pelotão mais numeroso, fomos tomar o cafézinho matinal à Bolaria Rodense, em Vila Velha de Rodão. Abandonamos a cidade pouco depois das 08h30 e rumamos ao Perdigão, com passagem por Sarnadas de Rodão e Alvaiade. Seguimos depois pela estradinha panorâmica que liga o Perdigão a Vila Velha de Rodão, usufruindo da bonitas paisagens sobre a Serra das Talhadas e Vilas Ruivas. Depois da pequena tertúlia na Bolaria Rodense e já com os níveis repostos, rumamos à cidade, com passagem pelo Coxerro e Sarnadas. Aqui voltamos a encontrar o Joaquim Cabarrão e o Salvado, que deram uma volta mais pequena e juntos seguimos até à entrada da cidade, onde nos voltamos a separar, pois o restante grupo foi pela variante à Carapalha. Numa manhã já bem primaveril, alinharam para esta bonita volta, além de mim, o Jorge Palma, Tó Pinto, Fernando "Caraíbas", Sr. Silva, António Leandro e o João Salavessa.  Foram 75 kms, repletos de divertidas pedaladas, na companhia deste animado grupo de …