Avançar para o conteúdo principal

"XXI Troia - Sagres, o empeno do ano"

Mais um ano a chegar ao final e a minha 4ª. participação na mítica ligação Tróia - Sagres.
Tudo bem, não fosse o facto de ter sido uma participação bastante atípica e bastante incomum, relativamente à minha forma de preparar este tipo de eventos.
Sabia que teria que ter cuidado com a alimentação, mas mesmo assim, não resisti a uma valente jantarada de uma espécie de caldeirada com enguias fritas. Quem poderia resistir a tal petisco??
No final e pela simpatia da responsável pelo estabelecimento, também não me abstive de saborear umas quantas iguarias, próprias da região e produto da casa.
Deitei-me pois, com a barriguinha cheia, que nem um abade. Só que, no dia seguinte teria que participar num evento de cerca de 200 kms de bike e não num roteiro gastronómico.
Não consegui conciliar o sono e de manhã, ao preparar a bike e o material, verifiquei que o capacete e a banda cardíaca tinham ficado em Castelo Branco. Fiquei meio arreliado!!!
Eu, que não consigo saír de casa sem tomar o pequeno almoço, desta vez não o consegui tomar.
Não havia apetite. Tudo bem, pararia durante o percurso e tomaria o pequeno almoço, planeei!!!
Nada mais errado. parti da rotunda de Troia, pelas 08h10, rumo a Sagres.
Comecei por ingerir uma barra energética, que me custou a engolir.
Alguns kms depois. comecei a sentir uma ligeira indisposição, mas nada que me impedisse de pedalar, só que não conseguia comer naquele momento.
Aos 60/70 kms, os estômago doía-me e pedalar já era com algum sacrifício. Uns momentos melhores, outros piores, mas, quando tentava meter algo no estômago, este não aguentava. Atribuí a culpa às enguias. mas não eram elas as culpadas. Era eu próprio.
Até S. Teotónio, ainda consegui um bom andamento, mas a partir daí, comecei a arrastar-me e de vez em quando, lá parava para tentar comer algo. Parava junto à minha viatura e lá conseguia dar um par de dentadas numa sandes e beber um pouco de sumo.
Como se isso não bastasse, tive ainda que me debater com o vento que soprava de leste, na ordem dos 39/40 kms/h, segundo a meteorologia.
Algures entre S. Teotónio e Odeceixe, vi passar por mim o Joaquim Cabarrão, quando estava a tentar mordiscar meia sandes.
Vi-o pouco depois, quando também se abastecia e, alguns kms mais á frente quando passou por mim inserido num numeroso grupo.
Subir Odeceixe, mais me pareceu a subida á Torre em versão curta. No alto pensei em desistir.
Não o fiz, porque a minha viatura de apoio não estava por alí. Ou porque a teimosia, o espírito de sacrifício, ou a "tarimba" de cerca de 30 anos a dar ao pedal, o impediram. Sei lá!!!
Fiz ainda mais três pequenas paragens para mordiscar na sandes. Consegui beber um compal de pêra e continuei.
Nunca me custou tanto pedalar. Não conseguia acompanhar ninguém. Nem os mais lentos.
E assim sofri durante cerca de 100 kms, até que a partir da Carrapateira, a cerca de 50 kms do final, comecei a arrebitar e terminei já um pouco mais bem disposto.
No final, a minha participação este ano, que decidira ser a última, talvez a não seja. Não quero que a minha última participação no Troia - Sagres, seja uma má recordação.
Soube depois que toda a rapaziada de Castelo Branco, conseguira os seus objectivos, pelo que desde aqui, lhes endereço os meus parabéns. Para o ano lá estaremos de novo, certamente!!!
À laia de finalização, acabei por concluir os 202 kms do percurso em 7h e 32 m.
Ser lamechas, não é muito o meu estilio. Mas esta é a minha história do Troia - Sagres 2010.
.
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos
. . .ou fora deles.
AC

Comentários

disse…
Olá!
Sr. Cabaço, será que aprendeu a lição?! Ou na próxima oportunidade volta a não resistir às enguias?
Bem, para o ano cá espero comentários mais felizes.
Boas pedaladas.
;-)
Anónimo disse…
Querem ver que não posso deixar o menino sozinho!
Para que a história não se repita, vou tomar já as devidas providências...
- Acabei de reservar na minha agenda o XXII Troia- Sagres.
Será com muito prazer que tomarei conta de ti, eheheheh, quero dizer, não irás sozinho.
Um Grande Abraço
Silvério
FMicaelo disse…
Boas amigo AC. É bom saber que já está recuperado dessa indisposição. É que ainda temos muitos quilometros para fazer em alcatrão ou no pó dos trilhos! Acho que o Silvério é que tem razão...deixou-o sozinho e deu nisto!Eeheheh Até pro ano!
Ferrão disse…
Olá António,

No fundo, estas são as que ficam na lembrança. Podes julgar ter sido a tua pior prestação mas teres chegado ao fim apesar de todas as adversidades, acho que faz dela a melhor. E na primavera cá estaremos mas para o dobro.
Abraço.

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…