Avançar para o conteúdo principal

"Montes do Sordo, Bonchalinos e Rebouça"

Tinha programado para hoje, ir dar uma volta com a minha Trek 6700 e testá-la para o Repto Pirenaico, com início no final da próxima semana em Llançá.
Mesmo a calhar, o Carlos Sales acompanhou-me e fomos em busca de um percurso com algumas exigências, onde poderia testar a bike, pois fiz-lhe algumas pequenas alterações.
O Carlos veio ter comigo à minha garagem e o nosso primeiro trabalhinho de hoje, foi por-lhe a bike à medida, pois andava sempre com dor de costas.
De fato a bike estava um pouco desajustada, relativamente às medidas standard e o Carlos hoje parecia outro. Durante todo o percurso não lhe doeram as costas. Ainda bem. Espero que seja definitivo e não uma situação pontual.
Saímos da cidade pelo Quinteiro, descemos ao Ribeiro da Sra de Mércules e subimos ao Forninho do Bispo.
Aqui tomámos a direção da Casa dos Malpiqueiros e seguimos o estradão para o Monte do Sordo, onde chegámos com o "coração aos pulos" pela adrenalina causada no belo par de descidas de inclinação apreciável.
Cruzámos o Ribeiro da Bica e lá mais à frente, virámos à esquerda para o paredão da nova Barragem do Ribeiro do Forno, descendo ao lado do paredão e cruzando a ribeira, ladeámo-la durante algum tempo, num terreno bastante arenoso e pesado até ao Monte do Pombal.
Por aqui ziguezaguámos por alguns trilhos, pelo Vale da Ribeira das Casas e ladeando a barragem, subimos à Casa do Estrêlo, onde entrámos no estradão para a Granjinha, subindo ao VG da Granja. e Monte dos Bonchalinos.
À vista do arraial, virámos à esquerda para o Cocharro e descemos à Ribeirinha, pelo Compasso de Baixo.
Aqui efetuámos uma pequena paragem para apreciar aquele bonito recanto e tomar alento para a subida seguinte, aos Quintalreis de Cima e Monte da Capa Rota, onde virámos à esquerda para o Casal dos Mourões.
Mais uma pequena paragem, pois são bonitos recantos escondidos pelo meio das imensas matas de eucaliptal, algumas já desaparecidas, dando origem a enormes manchas desprovidas de arborização.
Mas aqueles cantinhos mantêm sempre a sua peculiar beleza, para quem a aprecia e tem tempo para uma pequena paragem de contemplação.
Entrámos de novo no estradão que segue para a Pedra da Garalheira, nas Sesmarias, que pouco depois abandonámos para entrar numa bonita sequência de trilhos até às queijeiras da Rebouça.
Passámos no paredão da barragem na zona das queijeiras e cruzámos o Olival Basto para entramos finalmente no recinto da Sra de Mércules, onde parámos no restaurante local e bebemos um par de mini-jolas, pois foram bem merecidas.
Na Sra de Sant'Ana, o Carlos despediu-se e rumou à Carapalha e eu continuei para a Pires Marques.
Uma manhã bem passada e radiante de sol, onde o calor já se fez sentir e os trilhos, bastante enlameados, foram puro divertimento durante quase todo o percurso de hoje.
38 divertidos kms na agradável companhia do Carlos e da "menina" que vai "alombar" comigo durante 15 adrenalínicos dias, cruzando toda a Cordilheira Pirenaica, desde Llançá a Hondarribia.
Gostaria de me portar tão bem como ela se portou hoje!!!


Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O outro lado da Estrêla"

Uma vez mais, resolvi fazer umas das minhas "voltas vadias", programadas para este ano, que espero mais rico em aventuras lúdicas e de partilha com amigos. Criei um percurso que chamei de "o outro lado da Estrela", pois a nossa querida Serra da Estrela só é conhecida pela maioria da malta pelas " Torres, Adamastores e outros alimentadores de egos". Mas a serra não é só isso, tem o outro lado, bem bonito por sinal, repleto de lindas panorâmicas e bonitas aldeias. Umas históricas, outras não, mas todas elas com encanto e uma história para contar. Juntaram-se à minha ideia, 14 companheiros e amigos, todos eles ávidos de uma boa aventura e bons momentos de convívio e sã camaradagem. Juntámo-nos na Rotunda da Racha, junto à loja do David, a Feelsbike, pelas 07h00, rumando seguidamente ao Vale da Amoreira, onde estabelecemos o "paddock", junto à Casa de Pasto Ideal, para uma reposição calórica e hidratação atempada, logo após a chegada. Saímos para a…