Avançar para o conteúdo principal

"XIII Peregrinação a Fátima por asfalto"

Pelo 13º ano consecutivo, cumpri a minha peregrinação a Fátima com a minha bike de estrada.
Acompanharam-me este ano os amigos Nuno Eusébio, José Luís, Vasco Sequeira, Martim Lopes, Luís Lourenço, João Afonso, Silvério Correia, Pedro Barroca e o meu irmão Luís.
Saímos pelas o6h30 e apanhámos alguns companheiros que nos esperavam na Avenida do Brasil e junto á Rotunda do Mac Donald's.
Com o grupo já completo, rumámos ao Vale da Mua onde era previsto tomar o cafézinho matinal, mas o  Jorge, ainda tinha o café fechado.
Prosseguimos a nossa peregrinação e fomos então repor as necessidades cafeínicas no Café S. Gens, nas Moitas.
Satisfeitos e com os niveis cafeínicos repostos, continuámos, sempre em alegre cavaqueira e, à entrada do IC8, virámos para a pequena Aldeia de Robalo, nonde nos esperava um singelo abastecimento, para que as "canetas" não vacilassem em direção ao Altar de Fátima.
A chegada este ano foi um pouco mais cedo que em anos anteriores e tivemos que aguardar um pouco pela iguaria principal, as papas de carolo, que pouco depois pousaram na mesa, bastante rudimentar, na nossa pequena adega, onde a malta se reuniu em seu retorno para a degustação.
Um dos momento altos do dia num ambiente alegre e reinadio, não faltando as peripécias dos dois principais "entertainers" do dia . . . o Silvério e o José Luís.
A partir daqui o grupo tornou-se ainda mais alegre, vá-se lá saber porquê e a boa disposição acompanhou-nos km após km até ao final.
Depois das depedidas no Robalo, seguimos para Vila de Rei e descemos ao Rio Zêzere, onde fizemos uma breve paragem para apreciar aquela bonita paisagem proporcionada pelo rio.
Subimos a Ferreira do Zêzere e efetuámos nova paragem na Padaria/Pastelaria Rosa  para um cafézinho e um bolinho, para nos dar ânimo até ao santuário.
Continuámos depois a nossa peregrinação e passámos pela sempre bonita cidade de Tomar, ladeando um pouco o Rio Nabão e o bonito Jardim de Tomar, tomando seguidamento o rumo a Ourém, cidade que cruzámos pelo seu mau piso, que assim se mantém há anos.
Já estávamos perto do nosso objetivo.
Em Pinhel, virámos à esquerda e um pouco mais à frente entrámos na estrada que nos conduziu a Fátima por Alvega.
A chegada, como tem sido sempre, foi com o habitual sacrifíco da subida do Boi Negro, e que para mim, assim sempre se chamará, apesar de no seu início, a imagem deste vigoroso animal ter sido substituida por um bote.
Mais um ano e mais uma vez acompanhado de amigos que muito valorizaram esta minha obstinação anual e todos eles concluiram esta peregrinação.
Destaco aqui o esforço e a força de vontade do amigo Nuno Eusébio, um bom companheiro de pedaladas, que, tendo sido há pouco tempo sido vítima dum brutal acidente de viação, teve uma boa recuperação e, apesar de por tal motivo ter estado arredado das suas bikes, consegui com bastante esforço concluir a sua peregrinação. A ele um abraço especial.
Também ao Luís Lourenço, pela sua primeira peregrinação por estrada, pois estava com um pouco receoso da quilometragem, a que não estava habituado, mas que também ele concluiu sem problemas de maior.
A chegada, foi como sempre, com uma grande manifestação de alegria e que este ano, terminou com com a malta e familiares que connosco se juntaram, numa bonita tertúlia, numa das mesas do parque nº2, onde comemos bebemos e confraternizámos.
No final, cada um rumou ao seu destino.
Um abraço a todos e obrigado pela vossa companhia.




Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos,
ou fora deles.
AC

Comentários

João Afonso disse…
"obrigado pela vossa companhia" digo eu. Foi a 1ª vez que fiz o percurso Castelo Branco-Fátima em Grupo (só o tinha feito 1 vez, e a solo) (gostei mais assim) pelo facto espero marcar presença nas próximas edições. 1 abraÇo.
Silvério disse…
Mais uma peregrinação a Fátima, desta vez com as nossas “Amantes Elegantes”!
Uma dezena de Amigos reuniram-se Pelo Puro Prazer de Pedalar e pelo objectivo de prestar, uma vez mais, uma homenagem a Nossa Senhora de Fátima. Este ano, por coincidência, ainda mais elevada por ser o dia da MÃE, uma SENHORA sempre presente nas nossas vidas e um facto que ninguém esqueceu!
Esta peregrinação/passeio aconteceu num clima de permanente harmonia e boa disposição, responsabilidade de TODOS os participantes, dos que a fizeram a pedalar, dos que simplesmente nos acompanharam e também da Família Cabaço, que mais uma vez nos receberam em sua casa para nos reconfortar com a sua habitual simpatia, deliciosas iguarias e uma importante reposição de “líquidos”, com cinco litros de um “néctar caseiro” (sumo de uva), que eu classifico de Muito Bom!
No final, e já no Santuário de Fátima, o habitual piquenique, tipo cereja no topo do bolo, em que a boa disposição se manteve e momentos de saudável convívio ficam registados na mente de todos. Deste piquenique fizeram parte iguarias que me levaram a chegar a casa, em conjunto com as anteriores, com quase mais 2 KG (???) do que aqueles com que saí!!! Para além de mais 5 litros do tal néctar, embora fosse tudo muito bom, vou destacar três especialidades que rechearam a mesa, duas da Sertã, os famosos Bucho e Maranho, e uma de Castelo Branco, o não menos famoso e delicioso Queijo de Ovelha!
Com a fasquia colocada a um nível destes, na próxima temo um grande desafio pela frente! É que atletas procuram incessantemente a melhoria contínua!
Obrigado a TODOS e GRANDE Abraço e até à próxima!
Silvério
P.S. Um abraço especial para o Nuno Eusébio pelo excelente desempenho após a paragem forçada e outros para o Luís Lourenço, "o estreante" nesta classe de distancias!
Anónimo disse…
Ja vi que correu bem, eu com inveja,pra proxima....Grande abraço. ROXO

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …