Avançar para o conteúdo principal

"Castelo Branco - Torre (Serra da Estrela) e regresso"

Estava "alinhada" para hoje uma volta ao ponto mais alto de Portugal  Continental, a Torre, na Serra da Estrela.
Alinharam nesta "pequena loucura", eu o António Leandro, o Vasco Soares, o Nuno Antunes e o Hugo.
 Compareceu também o Paulo Jalles, que nos fez companhia até ao Fundão, onde parámos para a matinal dose de cafeína e respetivo pastelinho de nata, no meu caso.
Passavam poucos minutos das sete horas, quando partimos da Rotunda da Racha, o local de concentração.
A manhã estava algo fresca e um vento forte frontal acompanhou-nos até à Covilhã, criando uma dificuldade acrescida a esta nossa aventura.
Andamento moderado e entreajuda no grupo, foram uma mais valia para superar este "entretanto"!!!
No Fundão e após o cafezinho da ordem, tirámos uma foto de grupo e despedimo-nos do Paulo Jalles, que regressou à cidade.
Seguimos até à Covilhã, sempre numa pedalada fluida e a partir daqui, havia que superar os 25 kms de ascensão à Torre.
A coesão no grupo e um  louvável companheirismo, levaram a malta unida durante toda a ascensão. Assim vale a pena. Ninguém tentou chegar primeiro que ninguém, pelo contrário, a preocupação era de que ninguém ficasse atrasado. Assim gosto de andar de bicicleta, como devemos e como somos na realidade e não a tentar imitar os profissionais da modalidade.
A verdade, se pensarmos bem, é que nem amadores somos. Porquê querermos ser o que gostaríamos de ser e não ser o que somos na realidade!!!
Lá no alto e depois da voltinha à rotunda na tentativa de oxigenar um pouco os músculos algo doridos, fomos até ao restaurante local e comemos uma bela sandes mista e bebemos uma bebida fresca para repor um pouco as energias e em jeito de preparação para a descida.
Até á Covilhã foi cada um "à sua moda", uns mais lentos, outros mais rápidos e com algumas paragens para uma ou outra foto de registo.
Uma pequena paragem na Praça do Município, já na Covilhã para reagrupar e continuámos até ao Fundão, já a pensar na bela da bifana, na casa da especialidade.
Parámos junto à estação, onde fica a Casa das Bifanas e bicicletas à porta e donos lá dentro.
"Traga lá umas bifanas para a malta!!! Foi a palavra de ordem para um dos bons momentos do percurso. No meu caso a bela da bjeca acompanhou aquela iguaria, servida com ovo. Hum!!! que bem que me soube!!!
Agora com vento já muito mais fraco, mas ainda assim, foi desta vez o grande impulsionador para que pedalássemos a bom ritmo até á cidade, onde chegámos pelas 15h30 após uns bem conseguidos 172 kms.
Uma derradeira paragem na Esplanada das Laranjeiras para a mini tertúlia da praxe acompanhada dumas bebidas frescas e com a promessa de novas aventuras. Destas . . . contem sempre comigo!!!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC


Comentários

Anónimo disse…
bela volta, bela equipa, só tenho pema de não ter tempo pra vos acompanhar.grande abraço. ROXO

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…