Avançar para o conteúdo principal

"Castelo Branco - Torre (Serra da Estrela) e regresso"

Estava "alinhada" para hoje uma volta ao ponto mais alto de Portugal  Continental, a Torre, na Serra da Estrela.
Alinharam nesta "pequena loucura", eu o António Leandro, o Vasco Soares, o Nuno Antunes e o Hugo.
 Compareceu também o Paulo Jalles, que nos fez companhia até ao Fundão, onde parámos para a matinal dose de cafeína e respetivo pastelinho de nata, no meu caso.
Passavam poucos minutos das sete horas, quando partimos da Rotunda da Racha, o local de concentração.
A manhã estava algo fresca e um vento forte frontal acompanhou-nos até à Covilhã, criando uma dificuldade acrescida a esta nossa aventura.
Andamento moderado e entreajuda no grupo, foram uma mais valia para superar este "entretanto"!!!
No Fundão e após o cafezinho da ordem, tirámos uma foto de grupo e despedimo-nos do Paulo Jalles, que regressou à cidade.
Seguimos até à Covilhã, sempre numa pedalada fluida e a partir daqui, havia que superar os 25 kms de ascensão à Torre.
A coesão no grupo e um  louvável companheirismo, levaram a malta unida durante toda a ascensão. Assim vale a pena. Ninguém tentou chegar primeiro que ninguém, pelo contrário, a preocupação era de que ninguém ficasse atrasado. Assim gosto de andar de bicicleta, como devemos e como somos na realidade e não a tentar imitar os profissionais da modalidade.
A verdade, se pensarmos bem, é que nem amadores somos. Porquê querermos ser o que gostaríamos de ser e não ser o que somos na realidade!!!
Lá no alto e depois da voltinha à rotunda na tentativa de oxigenar um pouco os músculos algo doridos, fomos até ao restaurante local e comemos uma bela sandes mista e bebemos uma bebida fresca para repor um pouco as energias e em jeito de preparação para a descida.
Até á Covilhã foi cada um "à sua moda", uns mais lentos, outros mais rápidos e com algumas paragens para uma ou outra foto de registo.
Uma pequena paragem na Praça do Município, já na Covilhã para reagrupar e continuámos até ao Fundão, já a pensar na bela da bifana, na casa da especialidade.
Parámos junto à estação, onde fica a Casa das Bifanas e bicicletas à porta e donos lá dentro.
"Traga lá umas bifanas para a malta!!! Foi a palavra de ordem para um dos bons momentos do percurso. No meu caso a bela da bjeca acompanhou aquela iguaria, servida com ovo. Hum!!! que bem que me soube!!!
Agora com vento já muito mais fraco, mas ainda assim, foi desta vez o grande impulsionador para que pedalássemos a bom ritmo até á cidade, onde chegámos pelas 15h30 após uns bem conseguidos 172 kms.
Uma derradeira paragem na Esplanada das Laranjeiras para a mini tertúlia da praxe acompanhada dumas bebidas frescas e com a promessa de novas aventuras. Destas . . . contem sempre comigo!!!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC


Comentários

Anónimo disse…
bela volta, bela equipa, só tenho pema de não ter tempo pra vos acompanhar.grande abraço. ROXO

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de Mota à Serra da Lousã"

"Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio - e eis que a verdade se me revela."
(Albert Einstein)
Dia apetecível para andar de mota, com algum vento trapalhão durante a manhã, mas que em nada beliscou este esplêndido dia de passeio co amigos. Com concentração marcada para as 08h30 na Padaria do Montalvão, apareceram o José Correia, Rafa Riscado, Carlos Marques e Paulo Santos. Depois do cafezinho tomado acompanhado de dois dedos de conversa, fizemo-nos à estrada, rumo a Pampilhosa da Serra, onde estava programada a primeira paragem. Estacionamos as motas no estacionamento do Pavilhão Municipal e demos um pequeno giro pelo Jardim da Praça do Regionalismo e Praia Fluvial, indo depois comer algo à pastelaria padaria no beco defronte do jardim Abandonamos aquela bonita vila, não sem antes efetuarmos uma pequena paragem no Miradouro do Calvário, com uma ampla visão sobre aquela vila tipicamente serra, cruzada pelo Rio Unhais. Voltamo…

"Trilho das Bufareiras e Penedo Furado"

"Às vezes ouço passar o vento; e só de o ouvir passar, vale a pena ter nascido"
(Fernando Pessoa)
Numa espécie de homenagem ao primeiro dia de primavera, que se apresentou como tal, solarengo e luminoso, fui mais a minha "Maria" fazer um pequeno passeio pedestre, ali para os lados de Vila de Rei. Saímos de casa já com os ponteiros do relógio a aproximarem-se das 09h00 e fomos até à Padaria do Montalvão, onde tomei a matinal dose de cafeína. Seguimos depois para a Praia Fluvial do Penedo Furado, para caminharmos um pouco pelo Trilho das Bufareiras e percorrer os recém inaugurados passadiços do Penedo Furado. Já a manhã ia a meio quando iniciamos a nossa caminhada, que teve inicio na Praia Fluvial, seguindo durante umas centenas de metros a Ribeira de Codes, pelos novos passadiços, até ao pequeno ribeiro da zona das cascatas. São 532 metros lineares, que trazem ainda mais beleza ao local e facilitam o acesso às cascatas. Terminada a passagem pelos passadiços, entramos…