Avançar para o conteúdo principal

"Castelo Branco - Torre (Serra da Estrela) e regresso"

Estava "alinhada" para hoje uma volta ao ponto mais alto de Portugal  Continental, a Torre, na Serra da Estrela.
Alinharam nesta "pequena loucura", eu o António Leandro, o Vasco Soares, o Nuno Antunes e o Hugo.
 Compareceu também o Paulo Jalles, que nos fez companhia até ao Fundão, onde parámos para a matinal dose de cafeína e respetivo pastelinho de nata, no meu caso.
Passavam poucos minutos das sete horas, quando partimos da Rotunda da Racha, o local de concentração.
A manhã estava algo fresca e um vento forte frontal acompanhou-nos até à Covilhã, criando uma dificuldade acrescida a esta nossa aventura.
Andamento moderado e entreajuda no grupo, foram uma mais valia para superar este "entretanto"!!!
No Fundão e após o cafezinho da ordem, tirámos uma foto de grupo e despedimo-nos do Paulo Jalles, que regressou à cidade.
Seguimos até à Covilhã, sempre numa pedalada fluida e a partir daqui, havia que superar os 25 kms de ascensão à Torre.
A coesão no grupo e um  louvável companheirismo, levaram a malta unida durante toda a ascensão. Assim vale a pena. Ninguém tentou chegar primeiro que ninguém, pelo contrário, a preocupação era de que ninguém ficasse atrasado. Assim gosto de andar de bicicleta, como devemos e como somos na realidade e não a tentar imitar os profissionais da modalidade.
A verdade, se pensarmos bem, é que nem amadores somos. Porquê querermos ser o que gostaríamos de ser e não ser o que somos na realidade!!!
Lá no alto e depois da voltinha à rotunda na tentativa de oxigenar um pouco os músculos algo doridos, fomos até ao restaurante local e comemos uma bela sandes mista e bebemos uma bebida fresca para repor um pouco as energias e em jeito de preparação para a descida.
Até á Covilhã foi cada um "à sua moda", uns mais lentos, outros mais rápidos e com algumas paragens para uma ou outra foto de registo.
Uma pequena paragem na Praça do Município, já na Covilhã para reagrupar e continuámos até ao Fundão, já a pensar na bela da bifana, na casa da especialidade.
Parámos junto à estação, onde fica a Casa das Bifanas e bicicletas à porta e donos lá dentro.
"Traga lá umas bifanas para a malta!!! Foi a palavra de ordem para um dos bons momentos do percurso. No meu caso a bela da bjeca acompanhou aquela iguaria, servida com ovo. Hum!!! que bem que me soube!!!
Agora com vento já muito mais fraco, mas ainda assim, foi desta vez o grande impulsionador para que pedalássemos a bom ritmo até á cidade, onde chegámos pelas 15h30 após uns bem conseguidos 172 kms.
Uma derradeira paragem na Esplanada das Laranjeiras para a mini tertúlia da praxe acompanhada dumas bebidas frescas e com a promessa de novas aventuras. Destas . . . contem sempre comigo!!!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC


Comentários

Anónimo disse…
bela volta, bela equipa, só tenho pema de não ter tempo pra vos acompanhar.grande abraço. ROXO

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de moto pelo Alto Douro Vinhateiro"

"O que é bonito neste mundo, e anima, é ver que na vindima de cada sonho fica a cepa a sonhar outra aventura."
(Miguel Torga)
Com a  excelente companhia dos amigos Luís Miguel, João de Deus e Marta Farias, fomos "desbravar" algumas das encantadoras estradinhas panorâmicas do Alto Douro Vinhateiro.
A saída foi programada para as 07h00 e, já na companhia do Luís Miguel, fomos até Penamacor, onde o João e a Marta já nos aguardavam junto às bombas de combustíveis locais.
Já agrupados rumamos ao norte cruzando Meimoa, Vale da Srª da Povoa, Terreiro das Bruxas, Santo Estevão e Sabugal.
A partir desta vila e com a bonita visão do seu famoso castelo das cinco quinas, entramos em terras de Ribacoa, onde o frescura matinal nos atormentou um pouco e nos fez reconhecer que o verão já lá vai e as temperaturas vão já sofrendo metamorfoses, sobretudo em algumas zonas e, esta é uma delas.
Logo após abandonarmos o Sabugal, viramos à direita para as Quintas de S. Bartolomeu e por Rap…

"Uma visita a Belgais"

Ontem foi dia de passeio asfáltico em solitário e decidi ir fazer uma visita a Belgais.
Apesar da ameaça de chuva da meteorologia, quando espreitei pela janela, o dia estava bastante bonito e solarengo. Bora lá pedalar!!!  Vesti o fatinho de licra e fui buscar a minha "ézinha", que está sempre prontinha para ser montada .  . por mim, claro, nada de confusões!!! Eram 9h00 quando me fiz à estrada em direção aos Escalos de Baixo. Pedalada calma, de cabeça levantada e a apreciar tudo o que se passava em meu redor . . . como eu gosto. Quando chego a casa gosto de ter sempre algo para contar sobre o que vi e não apenas os dados contabilizados pelo meu ciclo computador ou aplicação do telemóvel. Nos Escalos de Baixo parei no Café "O Lanche" e ali bebi o cafezinho matinal, enquanto trocava umas palavras com o João, ficando a saber que o antigo Restaurante "O Chafariz" vai por ele ser reaberto, lá para o final deste mês, início de Novembro, mantendo o belo leitão …

"Asfáltica vadia por terras de Ribacoa"

"Se formos felizes por dentro, nada nos aprisionará por fora"
Ontem e mais uma vez com a agradável companhia do Jorge Varetas, fomos dar uma volta de bicicleta por Terras de Ribacoa, com partida e chegada na bonita vila beirã do Sabugal, situada num pequeno planalto da Serra da Malcata. Com o caudal do Rio Coa a seus pés, acolhe-se à sombra do seu esbelto e forte castelo medieval das 5 quinas, como é conhecido. Pelas 06h30 abandonamos a cidade rumo àquela vila beirã e pelas 08h30 dávamos início à nossa pequena aventura velocipédica rumo às Termas do Cró, com passagem pelas Quintas de São Bartolomeu e Rapoula do Coa. Fomos dar uma espreitadela à fachada das termas recentemente reabilitadas, com hotel, SPA e balneário termal. Fomos depois até Cerdeira do Coa, onde paramos após cruzarmos Peroficó. Não consigo resistir a uma paragem nesta localidade para apreciar aquele encantador local do Rio Noémi e a sua espetacular ponte românica de seis arcos. Tive que mostrar aquele lugar …