Avançar para o conteúdo principal

"Trilhos profundos, recantos inóspitos"

Faltaram os foguetes para assinalar o regresso de alguns companheiros ao "paddock" das Docas e primeiro local de injeção oral de cafeina, o Café Sical.
Hoje, compareceram, além de mim, o Dário Falcão, Abílio Fidalgo, Pedro Roxo, Luís Lourenço, Nuno Eusébio e Pedro Antunes.
Ainda houve um "lamiré" para ir até à foz do Ponsul! Uns queriam ver o "mar" e outros as "gaivotas".
Que belos "passarocos" me saíram, quando eu sei que, do que gostam é dos trilhos das "cabrinhas" e, não dizendo que não, levei-os em direção à foz do rio, mas por outros trilhos. Ninguém refilou e apraz-me ver a atitude divertida de alguns companheiros a contorcerem-se nos trilhos das cabrinhas. Ninguém reclamou e exigiu gaivotas ou praias fluviais!
Saímos das Docas já depois das 08h00, com o estômago oleado com a primeira cafeína do dia.
Fomos até à Caseta dos Maxiais, onde tomámos o rumo ao Monte do Rei, trilhando umas quantas passagens singelas e divertidas.
Cruzamos depois a M553 e pela Tapada da Serra subimos às Olelas, onde com mais uns momentos divertidos, cruzámos o Retaxo em direção ao Vale do Gamão.
Mais um par de singles e pelo Alto da Ladeira de S. Gens, descemos à Foz do Vale, onde andámos entretidos numas quantas passagens trialeiras e bem catitas.
Subimos aos Cebolais de Baixo e com passagem pelo Vale do Feito, tomámos o azimute às Sarnadas, onde parámos para o primeiro par de bjecas fresquinhas, que o dia e os trilhos já passados, acaloraram um pouco a coisa.
Ainda havia mais qualquer coisinha para a malta se divertir, mas a proximidade da hora de almoço e o tempo limitado de outros, ditaram o regresso pelo lado mais rápido à cidade.
Ao passarmos pela Represa, encontrámos o Geirinhas (pai e meu antigo colega de profissão) que com o filho (João Valente, também nosso antigo colega de pedaladas - btt) se entretinham a amanhar o jardim da casa, naquela localidade.
Cumprimentámos-nos e claro, não poderia faltar a habitual simpatia e hospitalidade do (velho) Geirinhas, que insistiu em que bebêssemos algo.
Brindou-nos então com uma bjeca bem fresquinha e que bem soube!!
Eu, que já trazia de trás um furo lento na roda da frente da minha bike, acabei por me atrasar na passagem inferior da IP2, onde fiquei a "bombar" mais uns "bar's" no pneu.
A malta esperou-me junto à rotunda, no cruzamento para as Benquerenças e juntos seguimos para a cidade.
Entretanto o Pedro Antunes já tinha dado "à sola" e nós, inesperadamente, fomos acabar na esplanada do Café-Café, para uma longa tertúlia que acabou já depois das 18h00 e uma longa fila de bjecas, que foram sendo empurradas, inicialmente com uma tapa de queijo e marmelada, um chouricito às rodelas, acabando com umas belas fêveras e batata frita. Até o resto das barras energéticas e géis, estiveram em perigo de serem tragados, quando os trocos começaram a escassear!
O Pedro Roxo, que mora ali perto, depois do banhinho, almocinho e sestinha, veio à rua passear o cão e pagar uma rodada à malta (excelente rapaz!) e tivemos ainda que solicitar a presença do "Mister", Sr, Marcello Silva, para nos fazer companhia nas últimas duas horas.
Foi de fato um grande e excelente "treino", bastante completo e enriquecedor!
5 horas de selim e outras 5 horas de cadeira de esplanada, dando maior atenção nas primeiras 5 horas, ao trem inferior e nas segundas 5, ao trem superior do corpo.
Acho que todos chegámos bem a casa!!!!!
 
Fiquem bem.
Vêmo-nos nos trilhos, ou fora deles.
AC

Comentários

Fidalgo disse…
já me doía o rabo, não sei se do selim se da cadeira da esplanada!!!Mas vou mais para a cadeira da esplanada. Durante a volta ainda levantava o cu do selim, mas na esplanada não precisava de puxar de pé porque as bejecas escorregavam...

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…