Avançar para o conteúdo principal

"Descida ao Moínho da Líria"

Pensamento:
"O medo do perigo é mil vezes pior que o perigo real"
(Daniel Defoe)

.o0o.
Depois dum sábado bem puxadinho com a minha "asfáltica Look 585", com a qual percorri 169 kms de Segura ao Sardoal, próximo de Abrantes, inseridos no XXV Ciclo-Brevet Internacional de Cicloturismo, resolvi juntar-me hoje ao grupo que se reuniu na Pires Marques, pelas 08h30, para uma volta mais "soft".
Quando cheguei, já lá se encontrava o Marcelo. Pouco depois chega o Nuno Maia e o Paulo Alves, hoje montado na sua nova e bonita "Canyon Nerve ES 9.0" e capacete integral, pronto para a aventura. Seguiram-se o Nuno Dias e o Fidalgo e já quando nos aprestáva-mos para partir, chegou ainda o Jorge Palma.
A manhã apresentava-se bastante solarenga e com uma temperatura amena que fazia prever um dia quente e convidativo para uma voltinha de Btt.
Partimos pelas 08h45 em direcção ao Moinho da Líria. Descemos a rua em direcção à passagem sob a linha férrea na Boa Esperança e circulámos pelas avenidas novas até ao Valongo, descemos à rotunda do Milénio em direcção ao NERCAB e entrámos nos terrenos da Piscina Municipal para apanharmos a passagem sob o IP2, Jumbo e passagem nas traseiras da Padaria do Montalvão que dá acesso à Barragem da Talagueira. Ali nos entretemos um pouco a tirar umas fotos e circundámos a barragem por um trilho que nos levou à parte sul da Zona Industrial para apanhar novo trilho para o Baixo do Maria, seguindo-o até à santinha, no vestígio da antiga EN18 e daí rumando paralelo ao IP2 até Benquerenças, onde fomos tomar café ao "Vitório".
Cafézito no bucho e barrinha energética a complementar, lá continuámos a nossa rota para o Moinho da Líria, após nos despedir-mos do Nuno Dias, que rumou a Castelo Branco. Serpenteámos pelos subúrbios da aldeia e saímos pelo lado norte para a Quinta da Lomba, onde apanhámos o trilho que nos levou até à Azenha da Fonte da Bica, conhecida pelo Moinho da Líria, onde chegámos através duma rápida e bela descida e onde toda a malta se divertiu.
A paisagem vista do alto é belíssima e que, inserida no meio de nenhures, nos faz sentir especiais, porque no fundo, por este ou aquele motivo, nem todos têm acesso a estes recantos espectaculares.
Junto à azenha divertimo-nos um pouco com a procura de passagem para o outro lado da ribeira, sem molhar o pézinho, claro, mas a opinião de consenso foi efectuar a travessia através do paredão do açude construído em pedra de xisto colocada na vertical e bastante escorregadia. Mas passámos todos bem.
Depois foi a subida de acesso ao estradão para a Taberna Seca que levou a malta a efectuar um pequeno passeio pedestre, por um bonito trilho, pese embora a inclinação, que não sendo exagerada, não permite à maioria dos bêtetistas pedalar no seu início por ser logo com bastante inclinação, regos e pedra solta, suavizando um pouco umas dezenas de metros depois, altura em que o Paulo, o Nuno e eu conseguimos montar as biclas e chegar ao topo a pedalar.
Chegámos à Taberna Seca em dia de festa e o Nuno Maia foi procurar água, mas pelos vistos por ali e nesta altura, só cervejinha, pois o bar estava aberto e com música ambiente.
Dalí seguímos em direcção à Várzea Redonda, Penedo Gordo, atravessámos a EN233 e rumámos à Tapada das Figueiras, Carvalhos e portal do frigorífico, hoje aberto, o que nos levou a pensar que estaria a descongelar.eheheh.
Chegámos a Castelo Branco, pelas 13h15, com 46 kms percorridos em ritmo "soft" desfrutando de belos tilhos e paisagens e sobretudo de excelente companhia.
.o0o.
.o0o.
Terça feira, dia 17, pelas 08h30 no P. Infantil da P. Marques. Comparece, vem pedalar connosco.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…