Avançar para o conteúdo principal

"Um olhar sobre a Ribeira de Alpreade"

Pensamento:
"O maior erro que um homem pode cometer é viver com medo de cometer um erro"
(Hebbard)

.o0o.
Hoje ainda não me sinto nada bem, pois apanhei uma virose qualquer que me afectou bastante.
Ontem ainda saí de bicla com a malta, mas foi um erro que me custou bastante e tive muita dificuldade em chegar a casa, principalmente a partir do meio do percurso. Mas como diz o ditado: "quem corre por gosto não cansa".
Pelas o8h30 de ontem lá apareci no P. Infantil da P. Marques, onde já se encontrava o Tó Zé. Chegou depois o Paulo Alves e o Martin e seguidamente a malta do BTTHAL, o João Valente, o Micaelo, o Rui e o Paulo.
Saímos da cidade pelo portal do frigorífico e fomos entrar num trilho feito pelos rodados dum camião até um poste de alta tensão recentemente colocado e onde acabou o trilho, na zona da Fonte do Sapo. Tivemos então que saltar uma aramada e inventar um trilho pela Tapada das Cabanas e acabámos por entrar na via férrea, onde pedalámos uma dezenas de metros: "pura loucura"...!!!!. Abandonámos a via férrea nas traseiras do Parque de Desportos Motorizados e atravessámos o Lanço Grande para a Queijeira das Alagoas em direcção ao Monte S. Luís, passando pelo Monte Brito. Atravessámos a Ribeirinha no local onde ainda se encontra o rudimentar passadiço colocado aquando da I Maratona de Castelo Branco e subimos para a zona do Barrão, nome que veio a calhar, pois alí tivémos que atravessar duas charcas de água, bem barrenta, e que fez dançar e divertir a malta. Continuámos até à Tapada do Caraca, descemos para as Ferrarias e subimos para apanhar o caminho asfaltado que seguímos até ao alto da Monheca. Aí apanhámos o estradão que nos levou ao Coito do Leitão, onde virámos à esquerda e descemos um bonito trilho bastante xistoso até à Ribeira do Salgueirinho, a escassas centenas de metros onde esta desagua na Ribeira de Alpreade e daí foi subir até à Mata onde tomámos café.
Saímos da Mata pela estrada que liga esta Aldeia à Lousa e virámos à esquerda para o Vale Verde, passando seguidamente pela Gandra, Balorca, novamente S. Luís, Fonte Santa e Garalheira, chegando a Castelo Branco cerca das 13h30 com 47 kms percorridos.
Foi um passeio um pouco atribulado, pois houve um furo, um pneu rebentado, uma queda aparatosa, felizmente sem consequências graves, apenas algumas escoriações e eu com uma virose e em estado febril, que o bom senso não conseguiu domesticar.
Apesar de tudo, foi um prazer pedalar com a malta do BTTHAL, pena não ter estado à altura, mas outros dias virão.
Até lá.
.o0o.
Para quem não vai à Maratona de Alcains, pode pedalar em boa companhia, bastando comparecer no próximo Sábado, pelas 09h00 no P. Infantil da Pires Marques para um passeio soft e sem stress.
.o0o.
Também terça feira, dia 24 podes vir pedalar connosco pelas 08h30 no mesmo local.
.o0o.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…

"O Trilho da Mina de Ouro do Conhal"

"Só existe um êxito: a capacidade de levar a vida que se quer." (Cristopher Morley) Logo pela manhã, carinha lavada, pequeno almoço tomado ,cafezinho da praxe e na companhia da minha "Maria", fomos até Santana, na aldeia piscatória do Arneiro para uma manhã lúdica e reconfortante pelo Trilho da Mina de Ouro do Conhal. Ajeitei o trilho, cortando a passagem pela cumeada até ao Miradouro da Serrinha e descida acentuada à Foz da Ribeira do Vale.
Saí da aldeia pelo caminho que lá mais à frente ladeia a Ribeira do Vale até á sua foz.
Neste local, onde a ribeira se encontra com o Rio Tejo, formou-se uma ilha a que dão o nome de Cabecinho. Depois de seguir o caminho até à margem do rio, voltamos atrás e fomos até à ilha, passando por duas pontes suspensas, a primeira sobre a Ribeira do Vale e a segunda mais à frente, para ligar à Ilha do Cabecinho. Esta ilha é pequenina . . .uma ilhota, por assim dizer. Nela encontramos uma casa em ruinas, alguns pinheiros e uma mesa e ba…