Avançar para o conteúdo principal

"Foz do Rio Ponsul, natureza selvagem"

Altimetria
Percurso no Google
.o0o.
A convite do Agnelo, acompanhei-o num dos seus "raides", logo, garantia duma boa jornada de btt.
Desta vez o destino era a Foz do Rio Ponsul, próximo à Barragem de Cedillo, local inóspito e de grande beleza.
Apenas eu e o Marcelo comparecemos no local aprazado, as Bombas de Gasolina da Galp na Quinta Dr. Beirão, para acompanharmos o Agnelo nesta bela aventura.
Saímos pelas 08h45, mas logo mais à frente, junto à Danone, a roda da frente da "Canyon" do Marcelo recusou-se a continuar sem que lhe trocassem a câmara de ar, por ter um furo lento.
Mãos à obra e o trabalho foi concluído com êxito.
Lá seguimos e em alcatrão até aos Maxiais pelo velho troço da N.18, para um aquecimento "nos conformes" que a jornada era "suadeira".
Passada a povoação lançámo-nos por aquelas rápidas e adrenalínicas descidas até ao Ribeiro do Barco, para enfrentarmos seguidamente o sobe e desce até ao Monte dos Macarros, onde fomos saudados por uns quantos cães, ficando eu na dúvida se estavam eufóricos de nos ver, ou se nos queriam "apalpar o fato". eheheh!!!
Mais à frente cruzámos a N.1266 para de novo entrar nos trilhos e atravessar o Ribeiro de Alfrívida em direcção à Sra dos Remédios, que contornámos em direcção ao Monte Fidaldo, em cuja proximidade fica a Foz do Rio Ponsul.
Os últimos trinta metros para o local onde iriamos apreciar aquela extasiante paisagem eram um pouco aterradores para mim e para o Marcelo, que optámos por descer da bicla.
Só o Agnelo mostrou "cojones" para tal proeza.
Irra!!! Um dia ainda hei-de ser capaz!!!
Depois uns quantos disparos com as digitais e de apreciar calmamente aquele belo local, entrámos num belo single track à meia encosta e entre matagal, que nos levou ao velho e desactivado Posto da Guarda Fiscal, que imponente, apesar do seu estado de degradação, se ergue altivamente lá no alto, parecendo "mirar nuestros hermanos" do outro lado do Rio Tejo.
Mais à frente a Barragem de Cedillo com a sua Central Hidroeléctrica, parece destoar naquele recanto selvagem.
É de facto uma pura e dura aventura de btt e para betêtistas da classe "Kuduro" e nem os agora tão em voga "selins arraçados de sofá", amenizam o sofrimento a que foram sujeitas as "bochechas que ladeiam o escroto".
Pois é!!!
Mas infelizmente estes recantos de rara beleza e onde a natureza é ainda admirada na sua plena magnitude e estado selvagem, não se encontram nos jardins e zonas temáticas.
Por outro lado, pedalar nestes locais faz-nos sentir "enormes" e uníssonos com a natureza.
É um previlégio para o qual há que ter espírito de aventura e sofrimento e há que aproveitar enquanto estão ainda algo afastados da civilização.
A minha obstinação e espírito aventureiro leva-me a aproveitar ao máximo estas oportunidades, porquanto, não são aconselháveis em solitário, a idade não perdoa e quer queira, quer não, qualquer dia não basta querer e também porque estes lindos recantos, são locais em extinção e os apelidados "Parques Naturais" por aí criados de forma desconexa, são para mim uma treta e onde à semelhança doutros, será mais cedo ou mais tarde, proibído pedalar.
Depois foi o regresso à cidade com passagem nos "arrabaldes" do Monte Fidalgo em direcção ao Vale de Pousadas, onde parámos para o cafézinho da praxe e incentivo para a dura subida da Ladeira de S. Gens que nos faz arfar e empurrar penosamente, ora um, ora outro "crank" da bicla durante três longos kms, para culminar já próximo de Cebolais de Baixo.
Contornámos a aldeia e rumámos ao Retaxo, por trilhos que nos conduziram à Capela da Sra da Guia.
Atravessámos a Povoação e subimos à Serra das Olelas pela sua vertente mais suave e descemos pela descida também mais fácil, para entrarmos no asfalto da N.553 e em asfalto continuámos até Castelo Branco, onde chegámos pelas 13h10, com 62 kms percorridos à média de 17 Kms/h, que contribuiram para endurecer um pouco mais a jornada de hoje.
Foi um passeio bem divertido e durinho quanto baste, mas que pessoalmente adorei, pois sou um pouco fã deste tipo de jornadas de btt.
O Agnelo parece que ainda não foi desta que conseguiu alinhar a sua nova câmara de filmar, que com as nossas indicações fartou-se de filmar cascalho e terreno arenoso, ou seria que éramos nós que íamos bastante adiantados, relativamente ao "camaramen" eheheh!!!
Venham mais destes, c'a gente gosta!!!
Fiquem bem
Vêmo-nos nos trilhos
AC

Comentários

Agnelo disse…
Foi sem dúvida uma manhã bem passada numa incursão de grande beleza que me deixa sempre com uma visão renovada do local. Pena não haver mais gente a aventurar-se e a aderir a estas incursões.
Anónimo disse…
Jornada espectacular! E eu que não soube de nada!!! Fica aqui o meu protesto! Ehehehehe Boas pedaladas! FMike
Marcello Silva disse…
Realmente é incrivel como de bicicleta se pode chegar a estes lugares de beleza extrema, obrigado Sr Cabaço e Agnelo por me terem proporcinado uma excelente manhã de BTT, fico á espera de outras voltas e pergunto eu se eu consigo ir porque é que o resto do pessoal não vem também ???Vá lá apareçam.

Um abraço

Mensagens populares deste blogue

"Passeio de Mota pela Galiza"

Mesmo com a meteorologia a contrariar aquilo que poderia ser uma bela viagem à sempre verdejante Galiza, 9 amigos com o gosto lúdico de andar de mota não se demoveram e avançaram para esta bonita aventura por terras "galegas"
Com o ponto de inicio no "escritório" do João Nuno para a dose cafeínica da manhã marcada para as 6 horas da manhã, a malta lá foi chegando.
Depois dos cumprimentos da praxe e do cafezinho tomado foi hora de partir rumo a Vila Nova de Cerveira, o final deste primeiro dia de aventura.
O dia prometia aguentar-se sem chuva e a Guarda foi a primeira cidade que nos viu passar. Sempre em andamento moderado, a nossa pequena caravana lá ia devorando kms por bonitas estradas, algumas com bonitas panorâmicas.
Cruzamos imensas aldeias, vilas e cidades, destacando Trancoso, Moimenta da Beira, Armamar, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, Parada de Cunhos, Mondim Basto e cabeceiras de Basto, onde paramos para almoçar uma bela "posta", que es…

"Passeio de mota pelo Geopark Las Villuercas e Guadalupe"

"Feliz do homem que possui uma moto, ele pode viajar, ver paisagens e entender-se a si próprio." (Eric Viking) Hoje foi dia de dar liberdade à mota. Na companhia dum casal amigo, o José Paulo e a Carla, fomos passear de mota pelas Dehezas Extremeñas, Geopark de las Villuercas e uma pequena visita a Guadalupe, um dos mais bonitos "pueblos" de Espanha. marcamos encontro na Pastelaria "A Ministra", numa das rotundas do Bairro da Carapalha e pouco depois das 08h30, já com a matinal dose de cafeína ingerida, fizemo-nos à estrada. Rumamos a Segura, onde entramos na "tierra de nuestros hermanos" seguindo depois até á Ponte Romana de Alcântara, onde efetuamos uma pequena paragem para apreciar aquela fantástica obra de engenharia romana que maravilhou o mundo antigo. Com uma história que se perde no tempo, esta ponte carrega peripécias e curiosidades. Não entramos na povoação e por uma estradinha "vecinal" seguimos para Mata de Alcântara e Gar…

"Volta vadia a ver o mar"

"A felicidade é um fim de tarde olhando o mar" (Marina Nader)
 . . .e foi esse o objetivo deste meu passeio de bicicleta, que gosto de chamar de "volta vadia". Ir ver o mar na Figueira da Foz.
Delineei o percurso, circular como sempre, juntei um grupo de amigos, também eles fãs deste tipo de passeios velocipédicos e fizémo-nos à estrada.
Saímos de Castelo Branco pelas 06h00 e fomos tomar o primeiro cafezinho da manhã à Pastelaria "Estrela Doce", na Sertã, onde o meu irmão Luís nos esperava.
Depois da dose cafeínica e do pastelinho de nata, seguimos para Condeixa a Nova, o local de partida e chegada desta nossa pequena aventura, estacionando as viaturas no parque auto do Lidl.
Cerca das 08h30, já pedalávamos em direção a Ega, a primeira povoação que passaríamos rumo à Figueira da Foz.
O dia estava ótimo para pedalar e o pouco vento que se fazia sentir era nosso aliado.
Sempre em ritmo animado e em alegre cavaqueira, como é habito, quando algumas "per…